Feeds:
Artigos
Comentários

Posts Tagged ‘Literatura’

No passado dia 2 de dez., o poeta fingidor, Fernando Pessoa, viu a sua vida e obra ser recriada e homenageada por alunos do 12 ano dos Cursos Profissionais, na biblioteca da ESDS.
Em estilo café-concerto, Fernando Pessoa revelou o seu “eu” fragmentado e plural. Eis então que surgem Alberto Caeiro, Ricardo Reis, Álvaro de Campos e até mesmo Alexander Search, que em registo musical emocionou a plateia – E. E., alunos, Professores, Direção.
Os alunos e alunas assumiram com convicção os rostos do poeta através de sentidas leituras de interessantíssimos poemas. Alguns bem divertidos, revelando um Fernando Pessoa (ou seria Álvaro de Campos?!…)  irónico, meigo e ridículo, pois “todas as cartas de amor são/ Ridículas. […] Mas, afinal, /Só as criaturas que nunca escreveram/ Cartas de amor/ É que são/ Ridículas”.
Também através da dança e da música estes (re)criadores deram “vida” ao grande escritor da língua portuguesa, falecido a 30 de novembro de 1935, data que este café-concerto pretendia também assinalar.
Sob orientação e organização das Professoras Maria Chinopa e Rute Magalhães (Português), bem como com a colaboração e monitorização das Professoras Paula Duque (Português/Música)e Conceição Marchã (Inglês), o café-concerto foi um sucesso de diversidade pedagógica e de abordagem interdisciplinar, a que não quis faltar o próprio Fernando Pessoa.
Que voltem sempre, ó Utilizadores, ó Leitores, ó Escritores desta biblioteca!
Dulce Sousa

Read Full Post »

Escolhi este quadro do pintor Carlos Botelho, autor influenciado pelo modernismo, corrente artística marcada pela quebra dos padrões tradicionais.

Nesta obra está representado Fernando Pessoa. Observando o quadro, é notória a utilização de apenas três cores: vermelho, branco e preto. Por um lado, esta simplicidade cromática retrata a vida modesta e despojada do poeta. Por outro, contrasta com a complexidade da sua ideologia e reflexões.

Tendo esta obra sido produzida no Modernismo, é possível reconhecer algumas características representativas desse período, como é o caso da velocidade: as pinceladas rápidas e soltas dão uma sensação de movimento feroz. Este movimento poderá ser metafórico, estando associado à inquietação e desassossego do estado de espírito do próprio Fernando Pessoa.

A sensação de movimento foi também representada nesta obra pela pouca delimitação do rosto do poeta. Para além da ideia de movimento, o facto de o rosto não estar bem nítido, com linhas definidas, sugere a incerteza do poeta acerca da própria identidade. Fernando Pessoa não sabia quem era: Não sei quem sou, que alma tenho.[1]

O poeta sentia que era “vários” ao mesmo tempo, criando os tão conhecidos heterónimos (desdobramento da sua personalidade), levando-o a sentir o mundo e a poesia de diferentes modos, destacando-se Álvaro de Campos, engenheiro pessimista com o gosto pelo progresso, mas angustiado com o presente – Não sou nada./Nunca serei nada./Não posso querer ser nada [2]Alberto Caeiro, apaixonado pela Natureza – Além disso, fui o único poeta da Natureza [3] e Ricardo Reis, que gosta da simplicidade tradicional – Segue o teu destino,/Rega as tuas plantas,/Ama as tuas rosas.[4]

Assim, pode concluir-se que a imagem não representa um só indivíduo, mas antes, a reunião em si de todos os aspetos da extensa obra e da grande personalidade que foi Fernando Pessoa.

 

 Sara Boisseau, 12ºB

 

  • [1]  “Não sei quem sou, que alma tenho”, Fernando Pessoa
  • [2]Tabacaria”, Álvaro de Campos
  • [3]Se, depois de eu morrer, quiserem escrever a minha biografia”, Alberto Caeiro
  • [4] “Segue o teu destino”, Ricardo Reis

Read Full Post »

clique para aceder a todas as informações

Em Outubro, Mês Internacional das Bibliotecas Escolares, associe-se ao Festival Literário Internacional de Óbidos, cujo o tema é “O Tempo e o Medo”. Seja destemido e venha participar no Fólio Educa.

Read Full Post »

Festa Medieval realizada pelos alunos de Humanidades

Realizou-se no passado dia 13 de junho de 2019, na Escola Secundária Daniel Sampaio, uma festa medieval organizada pelos alunos da turma do 10.ºF de Humanidades e as professoras das disciplinas de Filosofia, História A e Português, e também com a participação da diretora de turma, a professora de MACS, sem a qual este projeto não seria possível.

Esta festa medieval consistiu numa crítica à sociedade da época, para a qual os alunos realizaram peças de teatro representando as várias classes sociais, nobreza, clero e povo e trajaram conforme a sua classe social ou grupo profissional.

Neste projeto, havia padres, frades, freiras, padeiras, camponesas, taberneiras, estalajadeiras, alcoviteiras, Rei e Rainha, esbirros, enforcados, entre outros.

Durante as representações, alunos de outras turmas, que assistiam aos espetáculos, teceram muitos comentários positivos acerca do referido projeto. Desejaram fazer parte desta “viagem ao tempo medieval”.

A música rasgou o tempo e renovou o ambiente, alunos cantaram, declamaram, tocaram, professores e alunos dançaram, enfim, a alegria foi a principal convidada desta festa de união!

Realizou-se também um grande almoço com as iguarias da altura, como enchidos, favas, leitão, queijos, morcelas, muito pão, com louças de barro e talheres de madeira, tendo sido tudo muito bem apreciado e comentado pelo 10.ºF e professores, pela qualidade extrema da comida e decoração feita pelos alunos e especialmente pela professora de MACS.

Foi um projeto muito interessante que os professores tencionam repetir para o ano envolvendo igualmente outras turmas. Parece-me que iremos viajar para outra época… Apertem os cintos!

Mafalda Castro, 10.º F

festa medieval.jpg

Uma manhã medieval

A idade média homenageada pela idade contemporânea

Iniciando os preparativos para o que seria um dia fora do comum, os alunos da turma 10ºF do curso de Humanidades atraíram para a Escola Secundária Daniel Sampaio um espírito medieval que deu lugar, desde cedo, a um clima de fraternidade entre colegas e professores que fariam deste dia um marco para o fim do ano letivo.

Foi ao som dos sinos que marcavam as 11:30 horas do dia 13 de junho que se deu início à encenação de uma missa que, num tom sátiro, porém sério, conseguiu criticar (de forma geral) a sociedade medieval. Seguiu-se, então, o começo do ‘jantar’ com a inusitada aparição de cinco personagens lendárias da época medieval, sendo elas a Padeira de Aljubarrota, Deuladeu Martins, Inês de Castro, a Rainha Santa Isabel de Aragão e a menina da Capa Rica que, contando as suas lendas, pediram permissão a ‘El-Rei’ para se juntarem ao banquete.

A mesa recheada de iguarias tradicionais, que tinha os lugares reservados somente para os importantes integrantes da corte, não conseguiu privar os alunos das emoções deste convívio que lembrava o término das aulas. Foram, assim, erradicadas as desigualdades sociais características da época medieval pela espontaneidade do ‘jantar’, podendo os elementos das diferentes classes sociais comer juntos, num alegre convívio.

Enquanto decorria o ‘jantar’, tornou, novamente, à escola um cenário de representação com a intervenção dos esbirros apresentando dois criminosos a ‘El-Rei’: um feiticeiro e um ladrão que havia roubado a coroa real. Por iniciativa da rainha, a corte gritou por “morte ao ladrão”, que consequentemente foi enforcado.

No mesmo ambiente de encenação, surgiu uma donzela perante o monarca queixando-se de que havia sido assediada por um monge – uma crítica ao clero medieval, que mostrou a impunidade da igreja na respetiva época.

O desfecho desta agradável manhã deixa na lembrança o som da música, as conversas, gargalhadas e a dança das fitas realizada pelas donzelas e senhoras, bem como um sentimento de realização, pelo sucesso do evento, por parte dos alunos e professoras Rute Magalhães, Antónia Gomes, Luísa Ferreira e Carmo Gomes, responsáveis pela organização do mesmo.

David Ramos e Raquel Ponge, 10ºF

Read Full Post »

O dia 3 de maio foi passado, num primeiro momento, no Mosteiro de Alcobaça e, após isso, na cidade medieval de Óbidos.

Os alunos do 10.º E e F puderam contemplar a beleza e imponência da arquitetura do Mosteiro de Alcobaça, fundado em 1153 por D. Afonso Henriques através de uma doação feita ao Monge S. Bernardo.

Mosteiro de Alcobaça

A visita ao grandioso edifício contou com duas guias que foram explicando a finalidade de várias das salas, trazendo o passado ao presente e aproveitando uma ou outra ocasião para questionar os alunos do curso de Línguas e Humanidades.

Ora, do Mosteiro faz parte uma igreja gótica composta pelo nártex, pelo deambulatório, pelas capelas radiantes, pela nave central e laterais, o cruzeiro e o transepto. E é precisamente neste último constituinte do Mosteiro onde se situam os mais belos túmulos que nos contam uma história de amor. A história de Romeu e Julieta, neste caso, a versão portuguesa – um enredo composto por D. Pedro, “o Justiceiro” e D. Inês. Vamos lá recuar no tempo e chamar o passado até aqui…

O acontecimento data do século XIV quando D. Pedro se apaixona por Inês de Castro, a dama de honor de D. Constança, a esposa do herdeiro ao trono. Diz-se que a beleza de Inês era tanta, que Pedro se apaixonou… e o sentimento era mútuo! Viveram assim um amor adúltero. Após ter ficado viúvo, D. Pedro pensou poder viver aquele romance livremente. O problema é que o seu pai, o rei D. Afonso IV, era contra esse casamento pois não queria perder a independência de Portugal para a Espanha. Diz-se, que apesar disso os dois apaixonados se casaram e tiveram 3 filhos.

Pedro e Inês (do filme homónimo de António Ferreira)

Infelizmente a vida dos dois “pombinhos” não foi um conto de fadas, tendo Inês de Castro sofrido às mãos do então rei de Portugal, ou devo dizer, às mãos dos assassinos que encomendou para fazerem o trabalho sujo.

Morreu a mulher apunhalada em frente aos filhos enquanto pedia misericórdia. Este momento trágico teve lugar em Coimbra, na Quinta das Lágrimas, onde, afirmam muitos, Inês foi morta. Reza a lenda que a cor vermelha que se vê nas rochas da fonte corresponde ao sangue derramado por Inês.

Ao olhar para os dois túmulos de Pedro e Inês, é impossível ficar indiferente aos pormenores que os cobrem; todos contam a história dos dois apaixonados! Em ambos os túmulos encontramos uma rosácea, que se divide em duas faixas circulares, a Roda da Vida (exterior) e a Roda da Fortuna (interior), sendo aqui que se representam cenas da vida dos dois amantes. Também as faces laterais foram decoradas – no caso de D. Pedro, encontramos cenas da vida do seu padroeiro, S. Bartolomeu. No que respeita ao túmulo de D. Inês, junto aos seus pés, a representação do juízo final (o dia em que as almas são julgadas) e, nas faces laterais encontramos cenas da vida de Jesus (desde a sua nascença, até ao momento da sua morte, na cruz), a quem, aliás, se fazem inúmeras referências através da Bíblia.

É curioso que os dois estão com os pés voltados para o cruzeiro o que nos remete logo para o encontro entre as suas almas: quando acordarem vão levantar-se e olhar um para o outro a fim de que se reconheçam.

pormenor dos túmulos de Pedro e Inês

Luís Manuel Ascensão, 10.º E

imagens daqui, daqui e daqui

Read Full Post »

Este slideshow necessita de JavaScript.

Read Full Post »

Destino, que pecado foi o meu ?

Eu era feliz. Durante toda a minha vida sempre cantei e amei, porém, todo este doce canto se converteu em lágrimas e em choro. Amei, cantei mas perseguido pelo Destino e pela Má Fortuna, também sofri. Confesso que este sofrimento também foi causado pelos meus Erros, pois levei algum tempo a perceber, que o “ Amor é um fogo que arde sem se ver “, sofrendo muitas das vezes a tentar definir o que é o Amor.

camõesSempre fui um Homem muito propenso às paixões amorosas, porém, talvez devido à ironia do destino, sempre se trataram de amadas ilustres de uma beleza suprema conotada com uma harmonia e um equilíbrio que lhe conferem uma beleza celestial e caráter superior, e por isso , infelizmente para mim, durante toda a minha vida tive de lidar com amores impossíveis.

Ao longo da minha vida também vivi sempre com a fama de boémio e rufião e por isso deixaram-me um pouco de parte. Fiquei sempre muito entristecido e frustrado pois todas as minhas obras me levaram a um grande esforço e inspiração, mas confesso que fui incompreendido pela sociedade e isto sempre me causou indignação.

                                                                                                             Assinado: Luís de Camões

Duarte Almeida, 10ºF

imagem daqui

Read Full Post »

Older Posts »