Feeds:
Artigos
Comentários

Posts Tagged ‘Direitos Humanos’

Durante os dias 29 de abril e 02 de maio, decorreu na Escola Secundária Daniel Sampaio a 2ª Mostra do Filme Solidário realizada, este ano lectivo, no nosso Agrupamento.

Tratou-se de uma atividade dinamizada pelas Bibliotecas (VR+DS), no âmbito da Educação para a Cidadania. A Mostra do Filme Solidário consiste na apresentação de curtas-metragens de carácter não comercial que visam a reflexão sobre comportamentos sociais e temáticas de impacto global: desenvolvimento sustentável (Norte global/ Sul Global), Objetivos do Milénio, ODS (Objectivos de Desenvolvimento Sustentável), igualdade de género, ambiente, exemplos positivos, comportamentos de risco, violência, fome, direitos de autor.

Nestas sessões, participaram alunos de turmas do 7º ao 12º ano, num total de nove turmas. Em cada uma das sessões, após a visualização das curtas, iniciou-se o debate que contou com a intervenção interessada e pertinente de muitos alunos e professores. Estes momentos foram mediados e dinamizados por Pedro Santos um dos voluntários da produtora independente HelpImages. O Pedro deu-nos a conhecer a missão desta ONG e o modo como filmes tão curtos carregam em si mensagens tão vastas. Nesta exploração, houve leituras polémicas, houve leituras consensuais. Houve debates mais entusiastas, outros menos empolgados, mas em todos eles esteve sempre presente a perceção do enriquecimento mútuo que estas horas de diálogo descontraído nos trouxeram.

Assim, saímos todos com uma certeza: se queremos um mundo melhor e mais sustentável, essa responsabilidade cabe a cada um de nós, sem exceção, pois não há Planeta B.

Dulce Sousa (professora-bilbiotecária da EBVR)

aceda à aos filmes exibidos na mostra

Este slideshow necessita de JavaScript.

Read Full Post »

70

Read Full Post »

A atribuição dos prémios Nobel, neste ano, é marcada pela polémica pois, como é de conhecimento geral, o da Literatura não será entregue após cinco elementos do júri terem abandonado o comité devido a denúncias de fugas de informação e de abusos sexuais não havendo, assim, o quórum para avaliar e decidir quem seria o contemplado. Estes prémios começaram a ser entregues em 1901 e, desde então, 892 pessoas foram distinguidas, mas apenas 48 eram mulheres. No entanto, embora por motivos diferentes, nomeadamente o político, não é a primeira vez que um prémio fica suspenso como foi o caso do Nobel da Literatura que não foi entregue  nos anos de 1914, 1918, 1935, 1940, 1941, 1942 e 1943.

Em outubro começou a identificação dos laureados, anunciando o Instituto Karolinska, considerada uma das maiores faculdades de medicina da Europa, para o Nobel da Fisiologia ou da Medicina os imunologistas americano James P. Allison e japonês Tasuku Honjo pelos desenvolvimentos da imunoterapia como arma contra o cancro. James Allison estudou uma proteína que funciona como um travão ao sistema imunitário, após perceber o potencial de lançar células imunitárias para atacar os tumores no tratamento de doentes. Tasuku Honjo “descobriu uma proteína nas células imunes e revelou que ela também funciona como um travão, mas com um mecanismo diferente. As terapias inspiradas na sua descoberta provaram ser muito eficazes na luta contra o cancro” concluiu o comité.

medicina

O Nobel da Física foi atribuído ao norte-americano Arthur Ashkin dos Laboratórios Bell em Holmdel, EUA, ao francês Gérard Mourou da Escola Politécnica em Palaiseau, França e da Universidade do Michigan nos EUA e à canadiana Donna Strickland da Universidade de Waterloo, no Canadá, graças às suas invenções no campo da física do laser que conduziram à criação dos impulsos de laser de alta intensidade que são utilizados em aplicações industriais e médicas, nomeadamente nos milhões de cirurgias corretivas que são feitas aos olhos todos os anos. Donna Strickland foi a terceira mulher a ganhar este prémio depois de Marie Curie em 1903 e de Maria Goeppet-Mayer em 1963.

Fisica

O Nobel da Química distinguiu investigadores pelo trabalho desenvolvido com anticorpos que têm impacto em várias áreas nomeadamente a farmacêutica e a produção de biocombustíveis.  Frances H. Arnold, do Instituto de Tecnologia da Califórnia, em Pasadena (EUA), é a quinta mulher a receber o Nobel da Química pelo trabalho desenvolvido com a “evolução dirigida de enzimas”, recebendo metade do prémio pecuniário. A outra metade será dividida entre George P. Smith, da Universidade do Missouri, em Columbia (EUA), e por Sir Gregory P. Winter, do Laboratório de Biologia Molecular do MRC (Medical Research Council), em Cambridge (Reino Unido), pelo trabalho desenvolvido com péptidos (fragmentos de uma proteína) e anticorpos em fagos, minúsculos vírus que apenas infectam bactérias.  O comunicado de imprensa do comité do Nobel tem o sugestivo título de “A (r)evolução na química” e começa por referir que o poder da evolução é revelado na diversidade da vida. Foi através da evolução dirigida, a evolução num tubo de ensaio, que os três laureados revolucionaram a química e o desenvolvimento de novos fármacos, mais eficazes e com menos efeitos secundários.

Quimica

As preocupações pelas alterações climáticas estiveram presentes na atribuição do prémio de Ciências Económicas em Memória de Alfred Nobel, mais conhecido por “Nobel da Economia”, aos norte-americanos William Nordhaus e Paul Romer. O prémio, que foi entregue pela primeira vez há exatamente 50 anos pelo Banco central sueco (que financia o prémio), não é formalmente um Prémio Nobel como são os prémios para a medicina, ciência, paz e literatura mas é a distinção mais prestigiante que um economista pode receber .William Nordhaus é um dos académicos mais respeitados na área da economia ligada ao meio-ambiente e, em particular, às alterações climáticas devido aos  modelos que criou e que calculam a interação entre a economia, o uso de energia e as alterações climáticas. Quanto a  Paul Romer, que foi economista-chefe do Banco Mundial de que se demitiu em janeiro passado, é conhecido por ter formulado a teoria do crescimento endógeno, decisiva para “integrar a inovação tecnológica na análise macroeconómica de longo prazo”.

Economia

Por fim, o muito aguardado Nobel da Paz, um dos prémios que gera mais especulação sobre os eventuais laureados – de acordo com a informação oficial, neste ano, havia 331 candidatos sendo que 216 são pessoas individuais e 115 organizações. O justo reconhecimento foi para o médico ginecologista congolês Denis Mukwege e a yazidi Nadia Murad “pelos seus esforços para acabar com o uso da violência sexual como uma arma de guerra e de conflitos armados”. Denis Mukwege, anteriormente galardoado com os prémios Olof Palme (2008), Sakharov (2014) e Calouste Gulbenkian (2015), é um dos maiores especialistas mundiais na reparação e tratamento dos danos físicos provocados por violações. No seu hospital em Bukavu tem tratado milhares de mulheres vítimas de violações durante a guerra civil na República Democrática do Congo. Nadia Murad , ativista de direitos humanos yazidi é, desde setembro de 2016, a primeira Embaixadora da Boa Vontade para a Dignidade dos Sobreviventes de Tráfico Humano das Nações Unidas. Em agosto de 2014, com 21 anos, foi sequestrada pelo grupo terrorista Estado Islâmico do Iraque e do Levante e mantida como escrava sexual na cidade de Mossul tendo conseguido fugir e chegar a um campo de refugiados no norte do Iraque e, em seguida, a Estugarda, na Alemanha. Desde então tem sido porta-voz da causa yazidi, tal como a sua amiga Lamia Haji Bachar, com a qual venceu, em conjunto, o Prémio Sakharov do Parlamento Europeu em 2016. Estima-se que mais de três mil yazidis permaneçam desaparecidos e, por isso, a laureada refere que ser contemplada “significa muito, mas não somente para mim, mas para todas as mulheres do Iraque e do mundo inteiro”. Referiu, ainda, “em nome de todas estas pequenas comunidades perseguidas, este prémio diz-me que as suas vozes são ouvidas”.

paz

A cerimónia de entrega dos prémios está agendada para 10 de dezembro, sendo  o da Paz entregue em Oslo City Hall pelo rei de Noruega e os restantes no Stockholm Concert Hall  pelo rei da Suécia.

Luísa Oliveira

Read Full Post »

Acerca deste tema, defendo que a pena de morte é inadmissível, independentemente das circunstâncias, pelas razões que serão seguidamente explicadas.

    pena-de-morte Em primeiro lugar, no artigo 24º da constituição portuguesa e na Declaração Universal dos Direitos Humanos, está expresso o direito inalienável e inviolável de todos os indivíduos à vida. A pena de morte viola este direito, sendo moralmente condenável.  Além disso, creio que deve ser fornecida a hipótese ao indivíduo de se regenerar e de se reintegrar na sociedade, após cumprimento do seu castigo, possibilidade negada pela pena de morte. Assim, é nosso dever, enquanto sociedade civilizada, não permitir o retrocesso à mentalidade do “olho por olho, dente por dente”, que leva à confusão entre vingança e justiça.

Também é importante realçar que o efeito dissuasor normalmente associado a esta condenação, na prática, não se verifica. Nos Estados Unidos, por exemplo, as taxas de homicídio em estados nos quais a pena capital é legal são superiores às dos estados onde esta é ilegal (5,63 e 4,49, respetivamente).

Acrescento ainda que pessoas de classes sociais mais baixas estarão mais expostas a esta condenação, aumentando a desigualdade, por não terem posses para contratar advogados de renome, estando sujeitos à nomeação de defesa por parte da Ordem dos Advogados, existindo a hipótese de serem defendidos por profissionais com menos experiência ou capacidades.images

Por fim, apresento um exemplo proveniente dos Estados Unidos, onde 1,6% dos condenados à morte são libertados por se provar a sua inocência, sendo que um estudo publicado por uma revista científica, a Proceedings of the National Academy of Sciences, permitiu concluir que 4,1% dos réus que aguardam ou aguardaram no corredor da morte neste país são inocentes. Desse modo, podemos inferir que já existiram casos de execução de pessoas isentas de culpa, o que é inadmissível.

Tomás Noválio, 12ºC

………………………………………………………………………………………………………………………………………………………..

A pena de morte como todos sabem é uma punição para crimes capitais. Portugal foi praticamente o primeiro país da Europa e do Mundo a abolir esta pena, sendo o primeiro estado do mundo a prever a abolição da pena de morte na Lei Constitucional, após a reforma penal de 1867. Nos dias de hoje ainda é aplicada em alguns países como a China, Arábia Saudita e em muitos dos estados federais dos EUA; sendo nestes países aplicada segundo as regras do direito e da lei (não é arbitrária). Quando falamos na aplicação da pena de morte é importante frisar que estarão em causa casos muito específicos configurados no quadro legal vigente do pais em causa.

pena-de-morte.jpgCom este texto vou apresentar argumentos que universalmente podemos encontrar a favor da pena de morte, não como uma banalidade face a todos os tipos de crime, mas sim em condições muito específicas, sempre no enquadramento  legal e no pressuposto absoluto que não existem dúvidas sobre a autoria do crime.

Na defesa desta tese são normalmente utilizados os seguintes argumentos:

  • argumento dissuasor que defende que, ao existir a pena de morte no quadro legal e sendo esta a mais pesada, poderá levar a uma potencial diminuição dos crimes uma vez que poderá criar alguma intimidação aos potenciais criminosos levando assim a uma maior segurança dos cidadãos;
  • argumento da proporcionalidade do sofrimento, em que é defendido que quem impõe sofrimento de grau elevado deverá ser punido com grau de sofrimento o mais idêntico possível;
  • argumento do castigo final (morte) que de alguma forma é controlado pela justiça e poderá impedir vinganças futuras que podem ser muito mais dolorosas;
  • argumento de garantia de que o criminoso não voltará a cometer crimes.

Surgem muitas vezes contra-argumentos relativos a este último, designadamente no sentido da pena de prisão perpétua, em que também pode ser alegado que o criminoso não voltara a cometer crimes. No entanto, esta afirmação será apenas válida em teoria, porque para além do criminoso dentro da cadeia poder continuar a promover o crime também pode ser sujeito a atenuantes legais da pena que o façam sair mais cedo ou até ser libertado.

Mais uma vez, será de frisar que a pena de morte para ser aplicada deverá ser sempre em casos muito específicos, sempre no quadro legal e no pressuposto absoluto que não existem dúvidas sobre a autoria do crime. Não posso também deixar de referir que atualmente a questão da pena de morte possa estar a ganhar  algum relevo face aos atos terroristas que tem vindo a ser praticados.

Tomás Gaspar, 12ºC

imagens: daqui, daqui e daqui

Read Full Post »

ng8071113

Está pois abolida a pena de morte nesse nobre Portugal, pequeno povo que tem uma grande história! (…)

Abolir a morte legal deixando à morte divina todo o seu direito e todo o seu mistério é um progresso augusto entre todos. Felicito o vosso Parlamento, os vossos pensadores, os vossos escritores e os vossos filósofos! Felicito a vossa Nação. Portugal dá o exemplo à Europa. (…) A Europa imitará Portugal, Morte à morte! Guerra à guerra! Ódio ao ódio! Viva a vida! A liberdade é uma cidade imensa da qual todos somos concidadãos. Aperto-vos a mão como a meu compatriota na humanidade…

Victor Hugo, em carta ao DN, datada de 2 de julho de 1867

imagem daqui

site comemorativo da efeméride

Read Full Post »

criança

Imagem editada daqui

Read Full Post »

Cartaz ACD CPCJ ALMADA 17 e 18 de fevereiro 2016 - FCT

Read Full Post »

Read Full Post »

dh

Read Full Post »

vila das cores (mais…)

Read Full Post »

No séc. XIX, quando Edgar Degas pintou aquele quadro, não tinha, provavelmente, conhecimento de que, tão cedo, ninguém ousaria trazer a público um assunto tão sensível como esse que representou.

O próprio nome do quadro surge envolvido num certo pudor que ora oscila entre Violação, ora entre Interior, e cujo conteúdo aborda a violência no interior da casa, mais concretamente a violação sexual.

Este assunto, tabu, é único na sua obra – a profusão de bailarinas, os gestos, a leveza dos movimentos que retratou tantas e tantas vezes não fariam supor que algo tão denso manchasse o seu trabalho pictórico.

fig.1 - Degas

fig.1

No interior de um quarto há uma linha estrutural da composição que condensa em si toda a tragédia aí ocorrida. Uma figura feminina que fraqueja sobre um cadeirão e, no extremo da linha, um homem, um homem que impede a passagem. Em redor, um casaco masculino sobre a cama, um traço de sangue na colcha, uma peça íntima de roupa feminina sobre o chão e a aparente quietude do quarto suscitam no observador um estranho desconforto.

Degas dá visibilidade a este assunto nesta única obra, embora nunca tivesse sido exposta nem vendida enquanto o autor foi vivo.

Mais recentemente, Pilar Albarracín, uma artista espanhola, de Sevilha, apresenta um conjunto de narrativas, com técnicas que vão da fotografia à instalação e à performance, entre outras, que refletem sobre a vida da mulher na sociedade e o absurdo do dia a dia. Na série Diálogos imposibles representa umas facas bordadas a preto, sobre tecido branco, com uma pequenina mancha vermelha. Enquanto o bordado é tradicionalmente representado com motivos pueris, geralmente florais, aqui os motivos sugerem outras realidades que a autora quer desocultar.

fig. 2

fig. 2

Este tema da violência exercida dentro de casa é perturbador, não só pelo tema em si como também pelo lugar onde se encerra.

A casa é um ponto de referência na vida do ser humano, o lugar onde se constitui a família, a segurança, a intimidade, os sonhos.

Há muitos milhares de anos, quando o Homem se tornou sedentário, a necessidade de abrigo e de proteção dos animais selvagens e das intempéries deu origem ao aparecimento da casa. Era, inicialmente, um espaço coberto em volta de uma fogueira, mas o calor terá tocado corações e despertado consciências.

Aos poucos, ou por momentos, surgiram gestos, indícios de afeto que predispuseram a uma aproximação, ganhando o lugar nova importância, representando o sítio onde se alicerçam os afetos e onde os sonhos despontam. Surge a maternidade, a educação dos filhos e as práticas domésticas, são as mulheres que cuidam do fogo e se dedicam a atividades manuais e artísticas, são elas que conferem um poder natural à casa. A representação de pequenas estatuetas femininas desses primórdios do tempo fazem-lhe o elogio.

Desde esse tempo até à atualidade, a casa evoluiu, ganhou significados, contraditórios às vezes, pois se por um lado mantém presente a chama que, perante as incertezas e a dispersão do exterior, agrupa e estrutura o ser volátil que somos, por outro, tornou-se num objeto bem diferente, na forma de habitar, do tempo em que se nascia e morria na mesma casa e se assistia à presença inalterável do mesmo mobiliário e objetos. Hoje, a casa acompanha o desenvolvimento dos tempos junto com os seus moradores, sendo considerada um objeto onde se projetam desejos e fantasias, onde os eus se espelham e onde se procura obter um status que é inerente à casa que se possui, acreditando-se, assim, ser possível viver num invejável modelo de felicidade.

A decoração e os objetos, ao contrário dos que existiam em épocas passadas que eram simplesmente mantidos pela família numa continuidade de lembranças e de respeito aos antepassados, não têm ainda uma biografia constituída pela história dos percursos e dos seus proprietários, são peças de autor, originais, que promovem o status e o bom gosto dos moradores.

E, se nem todos conseguem atingir este patamar de satisfação, ele permanece como ideal de existência feliz.

Mas há casas, como houve em todos os tempos, sem coração que  são espaços ambíguos onde se desenrolaram e desenrolam episódios de violência.

Espaços que perderam a dignidade, onde a agressividade habita e se solta indiferentemente pelos espaços, mais ou menos ricamente decorados , casas encantadas que se tornam lugares de inquietação e horror, e às mulheres, que um dia sonharam ser princesas em casas de encantar, como as dos contos juvenis e das revistas ao lado de príncipes belos e valentes, o que lhes resta?

Rasgar o silêncio de algumas casas é o que faz Saint Hoax, um artista do Médio Oriente, que criou uma campanha Happy Never After, utilizando princesas da Disney como vítimas da violência doméstica.

Ou Alexsandro Palmobo, artista italiano, que lançou, igualmente, uma campanha No Violence Against Women, onde utiliza personagens de filmes de animação americanos para retratar o mesmo problema.

Ana Guerreiro

Fontes das imagens:

Read Full Post »

clique para saber mais

E a próposito destes tempos, que não podemos nunca esquecer, estão disponíveis na BE, entre outros:

  • LEVI, Primo (2002), Se isto é um homem, col. Mil folhas, Público – localização: 821.1/.9.LEV
  • LOSA, Ilse (1987), O Mundo em que Vivi, Afrontamento, 20ª ed. – localização:821.1/.9.LOS
  • KERR, Judith (1992), Quando Hitler me roubou o coelho cor-de-rosa, Caminho Jovens – localização: 0875.5. KER
  • BOYNE, John (2009), O rapaz do pijama às riscas, ASA, 6ªed. – localização: 821.1/.9 BOY
  • FRANK, Anne (2000), Diário de Anne Frank, Livros do Brasil – localização: 0875.5. FRA

Read Full Post »

Medicina

Medicina

Com a atribuição dos Prémios Nobel em 10 dezembro, data da morte do patrono Alfred Nobel, continua o reconhecimento internacional dos“ melhores entre os melhores”.

Desde a atribuição dos primeiro prémios em 1901 o anúncio dos laureados é acompanhado com muita expetativa pelos media começando com a indicação dos contemplados pelo prémio respeitante à Fisiologia e Medicina. Os contemplados foram o norte- americano John O´Keef, professor da University College de Londres e o casal de investigadores noruegueses, May-Britt e Edvard Mosel, pelas suas descobertas sobre as “células que constituem um sistema no cérebro de determinação da posição”, identificando células que explicam a capacidade de orientação do cérebro o que se pode considerar uma espécie de GPS interno.

Física

Física

O prémio Nobel da Física foi atribuído aos investigadores japoneses Isamu Akasaki e Hiroshi Amano e ao norte-americano e Shuji Nakamura reconhecidos pela invenção do díodo eletroluminescente (LED), que permite significativas poupanças de energia. O júri referiu o aspeto revolucionário desta invenção considerando que “enquanto as lâmpadas incandescentes iluminaram o século XX, o século XXI será iluminado pelas lâmpadas LED”.

Química

Química

Os norte-americanos Eric Betzig e William Moerner e o alemão Stefan Hell venceram o Nobel da Química pelos melhoramentos que introduziram no microscópio. Os três químicos foram recompensados pelo “desenvolvimento da microscopia fluorescente em alta resolução”, o que permite visualizar “dentro das paredes das moléculas individuais em células vivas” tornando, assim, mais eficaz a compreensão de doenças como a de Parkinson, Alzheimer e de Huntington.

Literatura

Literatura

O Nobel da Literatura foi atribuído ao escritor intimista e misterioso Patrick Modiano reconhecido porque “através da arte da memória, evocou os mais inapreensíveis destinos da Humanidade”. O 15º autor de língua francesa a ser distinguido com este prémio já tinha recebido numerosas distinções nomeadamente os Prémios Marguerite Duras, Grande Prémio de Romance da Academia Francesa assim como o Prémio Goncourt.

Paz

Paz

O disputado Prémio Nobel da Paz, este ano, não teve contestação pois premiou figuras humanas ímpares como sejam a corajosa  ativista paquistanesa Malala Yousafzai e o incansável ativista dos direitos humanos o indiano Kailash Satyarthi.  Foram premiados “pela sua luta contra a opressão das crianças e dos jovens e pelo direito de todas as crianças à educação”,conforme anúncio do presidente do Comité Nobel norueguês, Thorbjoern Jagland, acrescentando ainda que “as crianças devem ir à escola enão serem exploradas financeiramente”. Malala foi atacada, no dia 9 de outubro de 2012, por fundamentalistas que invadiram o autocarro onde seguia para a escola, tendo acabado por ser baleada na cabeça. Tornou-se num símbolo de resistência aos esforços dos talibãs em negar educação e outros direitos às mulheres facto reconhecido internacionalmente com a atribuição de inúmeros prémios da área dos direitos humanos. Kailash Satyarthi, de 60 anos, é um ativista indiano dos direitos das crianças lutando há várias décadas contra o trabalho infantil e através da sua organização ‘Bachpan Bachao Andolan’ já libertou mais de 80 mil crianças da escravidão, ajudando-as na sua reintegração, reabilitação e educação.

Economia

Economia

Neste ano mais um cidadão francês foi distinguido, neste caso, com o Nobel da Economia atribuído ao economista da universidade de Toulouse, Jean Tirole, pela investigação sobre o poder de mercado das empresas e sua regulação. Jean Tirole foi o terceiro francês a receber este prémios sendo, há vários anos, um dos fortes candidatos pois é considerado um dos mais influentes economistas da atualidade. O júri destacou que “muitas indústrias são dominadas por um pequeno número de grandes empresas ou um único monopólio. Sem regulação, estes mercados produzem resultados socialmente indesejados – preços mais altos do que os que resultam dos custos ou empresas improdutivos que sobrevivem porque bloqueiam a entrada de outras, mais novas e mais produtivas”. O prémio da Economia, entregue pela primeira vez em 1969, é o único que não estava incluído no testamento original do cientista e filantropo sueco, Alfredo Nobel, tendo sido criado em 1968 pelo Banco Central Sueco para celebrar o seu tricentenário.

cerimónia de entregue dos Nobel

Cerimónia do Nobel

Como é da tradição, os premiados recebem um diploma, uma medalha Nobel em ouro e uma importância que varia conforme as receitas da Fundação Nobel no ano a que os prémios dizem respeito. A entrega formal dos prémios é feita na Câmara Municipal de Oslo, Noruega, para o Nobel da Paz enquanto os restantes são entregues pelo rei sueco no Palácio de Concertos em Estocolmo.

Luísa Oliveira

imagens daqui e daqui

Read Full Post »

setores-berlim

setores de divisão de Berlim após 1945

A QUEDA DO  MURO DE BERLIM em 9 novembro de 1989 foi um dos acontecimentos mais marcantes do século XX vaticinando o fim de uma ordem mundial marcada pela bipolaridade americana e soviética. Durante esse ano a descompressão política desencadeada por Gorbatchov na URSS estendeu-se a todo o bloco do leste europeu intensificando-se a contestação ao poder instituído, nomeadamente na Polónia e Hungria indiciando que o poderio soviético começara a desmoronar. No entanto, na RDA, as autoridades políticas festejavam o 40º aniversário da sua fundação como pátria socialista embora a manifestação, em Leipzig, de 70 mil pessoas no dia 9 de Outubro de 1989 não tivesse a habitual resposta repressiva do regime.

Ninguém imaginava que um mês depois o muro caísse. Nas comemorações desse aniversário o líder soviético Gorbatchov advertia Ericmuro-de-berlim-queda Honecker, líder da RDA, para a necessidade de mudança com uma frase que se tornou premonitória de que “quem não presta atenção às lições da história acaba por ser varrido por ela”. Em 9 novembro  o seu sucessor, Egon Krenz  autoriza a abertura da fronteira, permitindo que milhões de alemães que viviam na RDA passassem para o ocidente. Depois de vinte e oito anos era o fim da parede de betão erguida em 1961, que simbolicamente dividia o continente europeu, e o início do processo de reunificação da Alemanha consumado em 3 outubro de 1990.

Desde 1952 que havia limitações à circulação e controle entre Berlim leste, sob o domínio da URSS, e os restantes setores administrados pelos EUA, França e Inglaterra. Mas com a construção do muro em 13 agosto de 1961 isolando os três setores circundantes de Brandeburgo, a RDA pretendia travar as crescentes ondas de milhares de fugitivos de Berlim leste e da RDA que 192-alemanha-copacomeçava a fragilizar a economia da Alemanha leste. Nessa noite de verão unidades armadas da polícia da fronteira da RDA e unidades paramilitares de empresas nacionalizadas começam a vedar com arame farpado as fronteiras entre os vários sectores. Seguidamente edificaram-se paredes de placas de betão de quatro metros de altura, com dispositivo de iluminação, corredor da morte de quarenta metros, um segundo muro nalguns locais, torres de vigilância, barreiras eletrificadas e zonas com cães de guarda. Das oitenta e uma ruas de ligação entre os setores leste e oeste da cidade sessenta e uma são encerradas, com pontos de passagem nas restantes, sendo que, no dia seguinte ao início da construção, ainda conseguiram fugir 6.900 pessoas.

De um dia para o outro milhares de famílias foram separadas e milhares de residentes dos vários setores da cidade perderam os seus empregos. Esta zona fronteiriça só podia ser utilizada mediante autorização especial e as sete passagens no interior da cidade só podiam ser transportas de ocidente para leste sendo que, em sentido contrário, durante alguns anos só era permitida a passagem a reformados da RDA, uma vez por ano.

Mas, apesar de muro e de tantas limitações, entre 1961 e 1989, conseguiram fugir para o lado ocidental 475.000 pessoas contabilizando-se oficialmente mais de 125 pessoas que morreram ao tentar atravessá-lo sendo a última vítima Chris Gueffroy abatido, em 6 fevereiro de 1989, pelos guardas da RDA.

fotododiaEmbora o período que vivemos esteja marcado por alguma instabilidade política e económica, Berlim prepara-se para as comemorações do 25ª aniversário desse símbolo europeu da luta pela liberdade. Entre as várias iniciativas destaque para a fila de 8 mil balões brilhantes ao longo de 15 km representando o traçado exato que marcava a fronteira leste-oeste na cidade. A cada 150 metros terminais explicativos contarão “episódios ou destinos trágicos, felizes ou surpreendentes relacionados com a história da cidade dividida” com visitas guiadas nos locais mais emblemáticos, como o Portão de Brandemburgo ou o Memorial do Muro na Bernauer Strasse. Na noite de 9 de novembro, além da instalação luminosa haverá uma cerimónia simbólica da queda do muro000_dv1903048 com a presença do presidente do Parlamento Europeu, Martin Schulz, os Prémios Nobel da Paz Mikhail Gorbachev e Lech Walesa, respetivamente ex-presidente soviético e ex-líder do sindicato polaco Solidarnosc, além de Miklos Nemeth, primeiro-ministro húngaro de 1988 a 1990. A chanceler Angela Merkel também inaugurará, no mesmo dia, a nova exposição permanente do Memorial do Muro, no centro de Berlim.

vista aérea do muro de balões iluminados

vista aérea do muro de balões iluminados

E porque o tempo, infelizmente, apaga algumas memórias, julga-se que só metade dos berlinenses sabem exatamente a sua localização exata, pois nos meses seguintes à queda foi quase totalmente destruído e só restam seis locais de pequenos dimensões da construção que as autoridades da RDA denominavam “Muro de proteção antifascista“ mas que ficará para sempre conhecido como “Muro da vergonha”.

Luísa Oliveira

imagens: daqui, daqui, daqui, daqui daqui

Read Full Post »

mafalda_50_aniversarioSaber +

Read Full Post »

lua de julho

Read Full Post »

Aqui encontrarás inúmeros conteúdos audiovisuais que…

… ao longo das últimas décadas, a RTP produziu e cujo interesse não se esgotou na sua divulgação televisiva ou radiofónica. Entrevistas com figuras notáveis das letras, das artes, das ciências, bem como documentários sobre o património e a história, frequentemente procurados por professores e estudantes, têm tido acesso limitado ou caem até no esquecimento. Esses conteúdos são um complemento relevante para o trabalho feito na sala de aula, e passam agora a estar disponíveis online, através das várias plataformas digitais que o Ensina utiliza. Pretendemos construir um espaço de consulta fácil para os utilizadores, através de computadores, tablets ou smartphones, em permanente construção e – dentro em breve – com o contributo de entidades externas à própria RTP. Nos próximos meses esperamos conseguir apresentar, com elevada frequência, novos materiais trabalhados a partir do arquivo do serviço público de rádio e televisão, ou produzidos especificamente para este projeto.

Que tipo de conteúdos?

Estão disponíveis, numa primeira fase, videos, audios, infografias e fotografias produzidas pelos diferentes canais da Rádio e Televisão de Portugal ao longo das últimas oito décadas. Para além de pequenos excertos de entrevistas ou programas, apresentamos também alguns grandes documentários com grande relevância para determinadas matérias escolares.

Como consultar?

Na área de temas temos os conteúdos divididos pelas principais matérias: Artes, Português, Ciência, História, Cidadania, etc. Em cada tema podemos filtrar os resultados por tipo de conteúdo, nível de ensino ou sub-tema. Alguns dos artigos publicados estão agregados em dossiers, que nos oferecem o conjunto da oferta existente sobre determinado assunto, ou conjuntos de episódios de uma mesma série. 

adaptado de http://ensina.rtp.pt/

clique para aceder ao site

clique para aceder ao site

Read Full Post »

Older Posts »