Feeds:
Artigos
Comentários

Posts Tagged ‘Leitura’

Este slideshow necessita de JavaScript.

Read Full Post »

“Da Montanha para o Livro” – João Garcia, todas as Alturas são boas para a Leitura

AEDS, 23 de março de 2017

O alpinista João Garcia, o 1º português a atingir o cume do Evereste (8.848m) e a ascender às 14 montanhas mais altas do mundo, com mais de 8.000m de altitude, sem auxílio de oxigénio artificial, relatou a sua experiência de vida em 4 livros:

  • A Mais Alta Solidão
  • Mais Além- depois do Evereste
  • 10 Passos para atingir o topo
  • 14# – Uma Vida nos Tectos do Mundo

O AEDS teve o privilégio e o prazer de o receber como convidado na Quinzena da Leitura. Neste encontro com alunos e professores do ensino básico e secundário das escolas de Vale Rosal e Daniel Sampaio, o alpinista falou de sucessos e insucessos, fundamentou as suas palavras com conhecimentos de geografia (relevo, clima, meteorologia), biologia (o corpo em altitude, congelamento, mal de altitude) e metodologia de treino. Falou da inteligência emocional, do racional e da tomada de decisões em situações limite. Falou das diferentes conceções do mundo na Europa e na Ásia. Falou das características que nos tornam mais fortes e que são imprescindíveis para que consigamos atingir o topo de qualquer projeto, seja o nosso Evereste um curso de engenharia, de turismo, ambiente, literatura ou desporto. Falou do que o motivou à escrita: a necessidade de clarificar realidades, de refletir em voz alta, de partilhar e agradecer um trabalho de equipa protagonizado por si. Falou da escrita como o modo de expressar um projeto de vida – 17 anos de paciência, determinação, trabalho, persistência, acreditando sempre que as 14 montanhas mais altas do mundo, um dia, poderiam também ter a pegada de um português. “Quando iniciei este projeto, mais gente tinha pisado a Lua do que estado no cume do Evereste na Terra.”

Perante tal testemunho, as perguntas dos alunos e professores foram surgindo. Primeiro tímidas, depois curiosas, indagadoras do pormenor, quer no domínio da vida em montanha, quer na gestão dos afetos. Umas foram “caso pensado”, fruto da leitura e reflexão prévia (questionário on-line) realizada a partir do 5º capítulo do livro A Mais Alta Solidão, atividade organizada pelas Bibliotecas (DS+VR) com o apoio de professores de Português, Geografia, Educação Física, Cidadania e TIC. Outras despontaram com a graça da curiosidade espontânea de quem descobre uma realidade nova.

Durante esta manhã, 23 de março, João Garcia fez-nos viajar até ao mítico Oriente, até à inacessibilidade das montanhas de neves eternas. Como se isso não bastasse, oferece-nos também a partilha da viagem através da leitura dos seus livros, pois ler é sempre Ler para Ser.

E já na manhã seguinte muitos tinham lido os seus livros autografados. Lido por prazer.

Obrigada a todos.

Dulce Godinho (PB- BEVR)

Este slideshow necessita de JavaScript.

Read Full Post »

quinzena da leitura - cartaz

Read Full Post »

amor2

Este slideshow necessita de JavaScript.

Read Full Post »

Este slideshow necessita de JavaScript.

Read Full Post »

Este slideshow necessita de JavaScript.

Read Full Post »

mafraHá uns tempos, mais especificamente no dia 2 de Maio de 2016, fui fazer uma visita de estudo ao Convento de Mafra, com os meus colegas e professores.

Cheguei e fiquei logo abismado com a grandiosidade, a monumentalidade do monumento que é o convento de Mafra, cada detalhe, cada ornamento, cada peça era uma obra de arte, e a soma de todos estes pequenos pormenores resultava na representação física da obra, portanto refletiam assim a verdadeira natureza exterior do convento. Mas será que é a mesmo a “verdadeira”? Será realmente a verdadeira essência do convento – toda a majestosidade e elegância que as peças físicas exibem?

Na minha opinião, e a partir de tudo o que estudei e sei do livro, e principalmente das minhas vivências, a alma do convento, a essência desta magnifica obra de arte não se centra nem nas extravagâncias, nem nas decorações, nos exageros, nos carrilhões, nas fachadas, nas técnicas de construção avançadas para a altura. O segredo simplesmente não está no exterior, no físico, no concreto. Para poder compreender uma das maiores lições que eu, pessoalmente, retirei da visita ao convento tive de me transportar para a realidade do séc. XVIII.

Com esse propósito imaginei: para a obra ser edificada alguém teve de ter o trabalho de a construir. Depois de todas as explicações dadas, tanto pela guia, como pelo livro, consciencializei-me de que a verdadeira essência do convento figura no esforço, no trabalho exaustivo e no cansaço dos trabalhadores, que passaram dias a fio submetidos a condições deploráveis para realizar um monumento que apenas servia como moeda de troca para um rei ocioso, inconsciente e megalómano.  Desde a edificação do convento, até ao transporte da pedra Benedictione de Pero Pinheiro até à vila de Mafra, tudo se deveu à vida e ao sacrifício de pobres vidas humanas.

cropped-a-cruz-de-santo-andrc3a91

José Santa-Bárbara

Após perceber o quão grave foi o modo da construção do convento e o que ele representou , comecei a olhá-lo de outra maneira: em cada peça que observa via, não o ouro, não a prata, não a pintura, mas sim o homem suado e magoado que a criara. Esta alteração de perspetiva sobre o monumento fez-me também observar a nosso quotidiano de outro ponto de vista.

Seguindo esta linha de pensamento, compreendo agora que todos os aspetos negativos que se possam retirar do livro podemos transpô-los para o  dia-a-dia. Não como reforço dos pecados, dos defeitos mas sim como corretor de vícios. Até porque a maior parte das criticas feitas à sociedade na obra podem ser aplicados à sociedade atual, com ligeiras alterações.

Em suma , penso que a visita foi bastante enriquecedora, tanto em termos pedagógicos como em termos socioculturais. Consegui retirar uma lição, um ensinamento, para a vida da visita e da obra – este foi conseguido através de uma associação entre 2 elementos: a pedra e… a palavra.

Luís Leston, 12ºA

Read Full Post »

Older Posts »