Feeds:
Artigos
Comentários

Posts Tagged ‘Leitor’

  • Cherub – O Recruta
  • Contos de Mistério
  • Contos exemplares
  • Crónica do Rei Pasmado
  • Crónicas de Narnia – A última batalha
  • Doze Naus
  • Experiências para cientistas de sofá: 100 intrigantes, incríveis, simples e divertidas experiências
  • Florbela Espanca – Antologia poética
  • Gaveta de papéis
  • Harry Potter e o Cálice de Fogo
  • História de uma gaivota e do gato que a ensinou a voar
  • Lobos do mar
  • Madame Bovary
  • Meu pé de laranja lima
  • Novos contos da montanha
  • O detective esqueleto: Os sem rosto
  • O diário de um Banana 5: A verdade nua e crua
  • O livro de Cesário Verde
  • O monte dos vendavais
  • O mundo dos outros: Histórias e vagabundagens
  • O operário em construção
  • O rapaz do pijama às riscas
  • O retrato de Dorian Gray
  • Orgulho e preconceito
  • Os Maias
  • Os Pilares da Terra Vol. I
  • Poesias: Ortónimo
  • Romeu e Julieta

Read Full Post »

Este slideshow necessita de JavaScript.

Read Full Post »

Read Full Post »

fotoMais uma vez, se entregaram os prémios aos melhores Portefólios de Leituras, um projeto que tem vindo a ser desenvolvido, já há vários anos, entre a BE e o grupo de Português, sendo a prof.ª Rosa Silva a mais persistente (e crente na sua mais valia para os alunos) ao continuar a integrar este projeto na sua prática letiva.

Mário Sá Nogueira (1º), Inês Domingues (2º) e Sara Boisseau (3º), todos do 8ºC, foram os distinguidos neste ano letivo, recebendo cada um um livro do seu gosto, como distinção pelo seu trabalho – parabéns aos três!

Aqui ficam alguns pequenos excertos dos portefólios dos nossos vencedores:

mandela-livroO Livro da Minha Vida

Esta autobiografia que relata a extraordinária história de vida de Nelson Mandela. Todo o percurso de luta e de esperança até ao triunfo final, em que se transforma numa figura incontornável da África do Sul e do mundo. Foi o maior livro que li até hoje e que me marcou por toda a história vivida, por toda a dor e sofrimento passados.

Mário Sá Nogueira, 8ºC

Duas sugestões de leitura

downloadOs dois livros que eu sugiro, que não os do contrato de leitura, são “ A culpa é das estrelas”, de John Green e “Pai nosso”, de Clara Ferreira Alves.

Sugiro estas duas leituras porque, no caso de “A culpa é das estrelas”, é uma história que explora, de maneira brilhante, a aventura divertida, empolgante e simultaneamente trágica que é estar-se vivo e apaixonado. No caso de “Pai nosso”, porque, neste livro, se testemunham os conflitos download (1)religiosos, com maior incidência no Médio Oriente, que assolam o mundo há mais de vinte anos, e como foi possível  cruzarem-se os projetos religiosos dos diferentes países. Esta é uma história que retrata uma realidade com a qual não contactamos e que, ao tomarmos consciência da sua existência, nos sensibiliza. A mim, por exemplo, toca-me particularmente aquilo que está a acontecer atualmente com os refugiados da Síria e o quanto deve ser difícil sair do seu país sem saberem o destino final.

Inês Domingues, 8ºC

O meu perfil de leitor

escuela-lectura_-philippe-behc3a1Eu sou uma pessoa aberta a novas experiências e estou sempre pronta para novos desafios. Considero-me uma apaixonada pela leitura.

Os livros são os nossos segundos pais. Ajudam-nos a crescer e dão-nos ferramentas para podermos orientar a nossa vida presente e futura. Ao ler, formamos uma ideia própria e madura acerca de variadíssimos assuntos. Lendo, falamos e escrevemos melhor e mais rápido, com um vocabulário muito mais rico do que aquele que não tem essa prática. Ler enriquece os nossos sonhos, permite-nos ver a imensidão da nossa ignorância, transporta-nos a mundos desconhecidos. Ler educa a mente, a memória e a imaginação.

Em suma, ler é receber muito em troca de quase nada.

Sara Boisseau, 8ºC

Aceda aos portefólios integrais:

Read Full Post »

a tfNum quadro do século XV em que se encontra representada uma partida de xadrez entre o duque de Ostenburgo e o seu cavaleiro, sob o olhar atento de uma misteriosa dama, um velho mestre flamengo escondeu uma mensagem, em latim, com a interrogação “Quem matou o cavaleiro?”.

 Quinhentos anos depois, Julia, uma restauradora de arte, descobre a mensagem escondida, o que a compele a resolver esse enigma, auxiliada por um antiquário e por um peculiar jogador de xadrez. Apesar de o resolverem, o mistério não termina, pois Julia recebe a proposta anónima de continuar o jogo de xadrez representado no quadro. À medida que se vai desenrolando, o perfil do misterioso adversário vai sendo descoberto, o que vai culminar na surpreendente mas simultaneamente previsível revelação da sua identidade. Reconheço que me agradou a leitura desta obra de Pérez-Reverte, especialmente devido à mistura de mistério com táticas de xadrez. A junção de factos com ficção também foi uma característica que apreciei, nomeadamente no que concerne o pintor e o quadro referidos no texto.

pieter-van-huys-partida-ajedrez

“A partida de xadrez”, Peter Van Huys

A linguagem é simples, sem recurso a vocabulário específico da área da arte ou do xadrez, o que permite ao público da minha faixa etária compreender facilmente o fio condutor da história.

 Por fim, devo referir que a obra peca um pouco pelo seu final ligeiramente previsível, devido a certos detalhes presentes no texto que não escapam ao olhar do leitor mais atento. Contudo, isto não impediu o livro de me surpreender, chegando a fazer-me temer pela vida da protagonista. Acrescento ainda que a reviravolta no final me fez lembrar (merecidamente ou não) dos livros de Agatha Christie.

Tomás Noválio, 10ºB

Read Full Post »

pp

Foi realizada mais uma edição do concurso de escrita A Pedra e a Palavra, que propunha aos alunos do 12ºAno que visitaram o Convento de Mafra, no passado mês de maio, que associassem essa experiência física, sensorial e igualmente factual e histórica, à ficção da palavra de Saramago na obra que tinham lido – O Memorial do Convento.

Selecionados os melhores textos desta edição, os vencedores foram premiados com três obras de Saramago. Como sempre, inciamos aqui a divulgação do texto classificado em 1º lugar, da Maria Carolina Santos, 12ºC.

CIMG1788

os vencedores, da esq. para a dir.: 1º Mª. Carolina Santos (12ºC), 2º Luís Leston e 3º Catarina Gouveia (12ºA)

Texto classificado em 1º lugar

Através da leitura de Memorial do Convento é-nos transmitida apenas uma pequena ideia da dimensão do monumento, bem como do seu caráter fictício. Será que a experiência física se assemelha à obtida através da leitura? Será que basta a fantasia da ficção para entender a materialidade deste fragmento de património português?

Aconselho, portanto, a leitura prévia desta obra saramaguiana. Com ela, deparamo-nos com um gritante contraste entre o esplendor barroco de igrejas e palácios e o despojamento das casas, assim como das condições asquerosas e humilhantes em que o povo português vivia; Com ela vamos ao encontro de um passado sombrio caracterizado pelo medo e opressão, em que as palavras pronunciadas pelo narrador e algumas personagens dão conta disso mesmo. Algumas são “pedras” atiradas ao acaso, com a intenção de “ferir” as suscetibilidades dos leitores. E continua a ser esse o verdadeiro propósito da obra.

ag_quadrosaramagointeiro1804

José de Santa-Bárbara

Muitas vezes, ao longo das suas páginas, deparamo-nos com alusões feitas à pedra que, no entender do narrador, é uma ínfima parte do monumento descomunal que estava a ser construído. É uma das grandes epopeias da obra de José Saramago, uma verdadeira odisseia carregada de sacrifício só para a transportar. As suas palavras transmitem claramente essa ideia – o transporte de Pêro Pinheiro a Mafra, um dos muitos episódios que ocorreram aquando da construção do convento, exemplificando efetivamente a escravidão humana, o absurdo do sacrifício transmitido muitas vezes em expressões monossilábicas, que constituem gritos de dor, como se àqueles trabalhadores fossem atiradas inúmeras pedras! Quase que se consegue ouvir o gemido de quem a carrega mas não são ouvidas palavras capazes de refletir tudo isso.

Olhemos bem para o tamanho gigantesco do monumento: Quantas palavras foram trocadas por todos aqueles quarenta mil trabalhadores só para transportar esta e outras tantas pedras? Tão grande que aquela era para ser usada numa varanda infinitamente pequena! Foi assim a materialização do convento? Terá sido esse episódio do seu transporte que o narrador utilizou para falar do tamanho gigantesco da pedra?

É importante não esquecer que tudo teve início num simples frase pronunciada pelo rei D. João V, cujas palavras passo a citar: “(…) Prometo, pela minha palavra real, que farei construir um convento de franciscanos na vila de Mafra se a rainha me der um filho no prazo de um ano (…)”. Poucas palavras para tantas toneladas de pedra. Estas representam a dor física e a experiência sensorial de todos os trabalhadores e a nossa também, como leitores e visitantes. Parece que sentimos as “palavras afiadas” daquele rei, bem como as “feridas” que causaram em tanta gente inocente. A fantasia, o sonho de um só homem deu lugar a um voto bem real, escrito sobre a pedra mármore, que milhares de homens epicamente e heroicamente transportaram.

Na verdade, “A Pedra e a Palavra” constituem um verdadeiro desafio literário, “No fundo… temos necessidade de dizer quem somos e a necessidade de deixar algo feito”. De que forma? Usando a palavra com o intuito de descrever pedras imensas que fazem parte das grandes obras de arquitetura deste país, destacando, claramente, o Convento de Mafra.

Maria Carolina Santos,  12ºC.

Read Full Post »

CAPITAESdaAREIAAMADO, Jorge, (1937) Capitães da Areia

Capitães da areia é um livro de Jorge Amado, um dos mais conhecidos e traduzidos autores brasileiros de todos os tempos.

A história passa-se nos anos 30, no estado brasileiro da Bahia, onde um grupo de crianças abandonadas ou órfãs sobrevivem através do roubo. A maioria das crianças que constituem esse grupo vive num armazém abandonado situado numa das praias da cidade (daí o nome Capitães da Areia).

Uma das coisas que mais gostei neste livro foi o facto de não existir propriamente uma personagem principal, pelo que a narrativa está dividida por alguns membros do grupo, nomeadamente:

  • Pedro Bala, que é o líder do grupo.
  • João Grande, um negro grande e corajoso que, apesar de não ser dotado de grande inteligência, possui o respeito dos restantes membros do grupo por ser muito bondoso.
  • Professor, um dos poucos meninos que sabe ler.
  • Sem Pernas, um rapaz coxo que ficou traumatizado depois de ser espancado e humilhado pela polícia, o que originou um ódio intenso à maioria das pessoas.
  • Gato, o mais bonito do grupo, que com apenas 15 anos tornou-se amante e chulo de uma prostituta chamada Dalva.
  • Pirulito, menino que antes do Padre José Pedro ter começado a ajudar o grupo costumava ser dos mais violentos, passou a ter grande convicção religiosa, sonhando em ingressar num seminário.

Ao longo da obra, o grupo vive algumas aventuras, realiza assaltos, foge da polícia e tem relações sexuais com moças. Por outro lado, tem também atividades mais infantis como brincar no carrossel, o que demonstra que, apesar de terem sido obrigados a crescer demasiado depressa, na verdade são apenas crianças.

A certa altura, surge um surto de varíola que ameaça a saúde das pessoas na cidade, e é neste ponto que surge Dora, uma menina cujos pais morreram devido ao surto. Dora é acolhida no grupo e torna-se numa espécie de mãe ou irmã, dando-lhes o carinho que eles não tinham tido anteriormente. Apenas Professor e Bala se apaixonam por ela, sendo que este último passa a ter uma relação com Dora.

As suas vidas decorriam normalmente quando a polícia captura Pedro e Dora, que são enviados, respetivamente, para um reformatório e um orfanato. Pedro acaba por fugir do reformatório e resgata Dora, mas esta acaba por morrer de febre poucas semanas depois devido a uma doença contraida no orfanato.

A partir deste momento, o grupo começa a desfazer-se: uns morrem, outros são presos e outros simplesmente optam por viver de forma mais digna.

Uma das coisas de que eu gostei bastante neste livro foi o facto de aqui serem abordados problemas sociais comuns nos anos 30, mas que se mantêm até aos dias de hoje, nomeadamente em países como o Brasil. Além disso, no livro existem recriações de matéria jornalística que dão alguma verosimilhança à história, dando-nos a conhecer as perspetivas de diferentes pessoas que escrevem ao jornal para comentar a situação.

Apesar de por vezes ter tido alguma dificuldade em entender o que algumas expressões brasileiras significam, para mim, o livro é bastante bom e, na verdade, acaba até por ser interessante aprender palavras de um português falado nos trópicos, mesmo que datadas no tempo.

Rita Lobo, 10ºB

Read Full Post »

Older Posts »