Feeds:
Artigos
Comentários

Festa Medieval realizada pelos alunos de Humanidades

Realizou-se no passado dia 13 de junho de 2019, na Escola Secundária Daniel Sampaio, uma festa medieval organizada pelos alunos da turma do 10.ºF de Humanidades e as professoras das disciplinas de Filosofia, História A e Português, e também com a participação da diretora de turma, a professora de MACS, sem a qual este projeto não seria possível.

Esta festa medieval consistiu numa crítica à sociedade da época, para a qual os alunos realizaram peças de teatro representando as várias classes sociais, nobreza, clero e povo e trajaram conforme a sua classe social ou grupo profissional.

Neste projeto, havia padres, frades, freiras, padeiras, camponesas, taberneiras, estalajadeiras, alcoviteiras, Rei e Rainha, esbirros, enforcados, entre outros.

Durante as representações, alunos de outras turmas, que assistiam aos espetáculos, teceram muitos comentários positivos acerca do referido projeto. Desejaram fazer parte desta “viagem ao tempo medieval”.

A música rasgou o tempo e renovou o ambiente, alunos cantaram, declamaram, tocaram, professores e alunos dançaram, enfim, a alegria foi a principal convidada desta festa de união!

Realizou-se também um grande almoço com as iguarias da altura, como enchidos, favas, leitão, queijos, morcelas, muito pão, com louças de barro e talheres de madeira, tendo sido tudo muito bem apreciado e comentado pelo 10.ºF e professores, pela qualidade extrema da comida e decoração feita pelos alunos e especialmente pela professora de MACS.

Foi um projeto muito interessante que os professores tencionam repetir para o ano envolvendo igualmente outras turmas. Parece-me que iremos viajar para outra época… Apertem os cintos!

Mafalda Castro, 10.º F

festa medieval.jpg

Uma manhã medieval

A idade média homenageada pela idade contemporânea

Iniciando os preparativos para o que seria um dia fora do comum, os alunos da turma 10ºF do curso de Humanidades atraíram para a Escola Secundária Daniel Sampaio um espírito medieval que deu lugar, desde cedo, a um clima de fraternidade entre colegas e professores que fariam deste dia um marco para o fim do ano letivo.

Foi ao som dos sinos que marcavam as 11:30 horas do dia 13 de junho que se deu início à encenação de uma missa que, num tom sátiro, porém sério, conseguiu criticar (de forma geral) a sociedade medieval. Seguiu-se, então, o começo do ‘jantar’ com a inusitada aparição de cinco personagens lendárias da época medieval, sendo elas a Padeira de Aljubarrota, Deuladeu Martins, Inês de Castro, a Rainha Santa Isabel de Aragão e a menina da Capa Rica que, contando as suas lendas, pediram permissão a ‘El-Rei’ para se juntarem ao banquete.

A mesa recheada de iguarias tradicionais, que tinha os lugares reservados somente para os importantes integrantes da corte, não conseguiu privar os alunos das emoções deste convívio que lembrava o término das aulas. Foram, assim, erradicadas as desigualdades sociais características da época medieval pela espontaneidade do ‘jantar’, podendo os elementos das diferentes classes sociais comer juntos, num alegre convívio.

Enquanto decorria o ‘jantar’, tornou, novamente, à escola um cenário de representação com a intervenção dos esbirros apresentando dois criminosos a ‘El-Rei’: um feiticeiro e um ladrão que havia roubado a coroa real. Por iniciativa da rainha, a corte gritou por “morte ao ladrão”, que consequentemente foi enforcado.

No mesmo ambiente de encenação, surgiu uma donzela perante o monarca queixando-se de que havia sido assediada por um monge – uma crítica ao clero medieval, que mostrou a impunidade da igreja na respetiva época.

O desfecho desta agradável manhã deixa na lembrança o som da música, as conversas, gargalhadas e a dança das fitas realizada pelas donzelas e senhoras, bem como um sentimento de realização, pelo sucesso do evento, por parte dos alunos e professoras Rute Magalhães, Antónia Gomes, Luísa Ferreira e Carmo Gomes, responsáveis pela organização do mesmo.

David Ramos e Raquel Ponge, 10ºF

Já são conhecidos os vencedores da iniciativa «Miúdos a Votos: quais os livros mais fixes?». Esta edição, que contou com a participação de 78 382 alunos votantes de mais de 700 escolas, elegeu os livros que abaixo se exibem nos respetivos pódios. Curiosamente, enquanto no Ensino Secundário, o vencedor da ESDS é o mesmo que o escolhido a nível nacional, A Culpa é das Estrelas, o nosso vencedor local – O Principezinho –, nem surge no pódio nacional, onde reside, em primeiro lugar, Harry Potter e a Pedra Filosofal, que também foi alvo de campanha cá na escola.

Para saber tudo sobre o desfecho desta iniciativa aceda aqui.

O Festival de Cannes continua a marcar o mundo cinematográfico no mês de maio.  Na 72ª edição o cinema de autor marcou uma forte presença, sendo que a Palma de Ouro foi atribuída ao realizador coreano Bong Joon Ho com The Host – a criatura volta.  Considerado um filme de terror, revela o mal-estar da sociedade coreana a partir da história de uma família pobre que planifica   o assalto à residência de um casal abastado.

No que respeita a estreias, muitas das películas têm como base factos verídicos, como é o caso de O professor e o louco de Farhad Safinia, relacionados com a criação, no século XIX, do conceituado Oxford English Dictionary de importância vital para os que utilizam a língua inglesa. A partir do best seller de Simon Winchester, Mel Gibson e Sean Penn interpretam, respetivamente, o professor James Murray, principal organizador do dicionário e o Dr. William Chester Minor, veterano da guerra civil americana que colaborou de longe pois estava preso num asilo para criminosos loucos.

Também a partir de factos verídicos, mas traumatizantes, Hotel Mumbai do australiano Anthony Maras, com testemunhos reais e fonte documental, debruça-se sobre as vítimas e sobreviventes dos ataques terroristas na cidade indiana de Mumbai em 2008, nomeadamente, no hotel de luxo Taj Mahal Palace. A obra demonstra de forma brutal o trágico pesadelo vivido por todos que se encontravam no espaço dominado pelos terroristas.

Mas a principal estreia do mês foi o aguardado e elogiado filme de Dexter Fletcher, Rocketman, sobre o percurso musical do ícone da música pop Elton John. Numa obra com excelente banda sonora, o ator Taron Egerton é brilhante ao encarnar o carismático músico na idade adulta vivendo, por vezes, momentos atribulados, mas que o vão tornar uma superestrela do mundo musical. Também com caráter autobiográfico mas numa área diferente, temos Uma família no ringue de Stephen Merchand, inspirado na extraordinária história de vida da britânica Paige, uma superestrela da WWE (World Wrestling Entertainment) que se retirou da competição de luta livre profissional em 2018 por motivos de saúde. 

O período de Guerra Fria e o perigo que representava para a humanidade devido ao confronto latente entre os EUA e URSS continua a ser um tema recorrente, como podemos verificar em Uma traição necessária de Trevor Nunn, com Judi Dench   interpretando a protagonista de um filme não só de espionagem mas também sobre a condição feminina. A obra baseia-se no romance de Jennie Rooney, inspirado na história real de Melita Norwood, conhecida por “avó espia” quando foi presa no final da década de 1990.  Os seus atos como agente de espionagem ao serviço do KGB são justificados não por razões ideológicas mas porque julgam ter sido manipulada pelo facto de ser uma mulher com uma ligação sentimental a um militante comunista.

Uma outra perspetiva do período da Guerra Fria e da censura na Rússia pode ser encontrada em Verão de Kirill Serebrennikov, que mostra como o rock servia para a juventude se libertar da opressão política e social em que vivia e através dessa manifestação musical prosseguir os seus sonhos de liberdade artística. Com momentos musicais dos anos 80 do século XX é uma obra a preto e branco, tendo o realizador estado em prisão domiciliária desde agosto de 2017 o que inviabilizou a sua presença no festival de Cannes 2018. No passado mês de abril um tribunal de Moscovo decretou liberdade de movimentos desde que não abandone o território russo.

A vitalidade do cinema francês aparece na divertida comédia de enganos Os Velhos jarretas de Christophe Duthuron sobre a forma como um grupo de amigos idosos enfrentam questões pessoais do passado por resolver. Igualmente interessante e divertido, O que me ficou da revolução de Judith Davis é uma forma de debater o papel e a força da ideologia num mundo global.  Num género diferente, o thriller psicológico, misturando terror e drama, surge-nos O intruso de Deon Taylor.  Para os admiradores do western, temos Billy the Kid: a lenda de Vincent D` Onofrio, abrangendo o último ano de vida do icónico fora-da-lei.  

Por fim, estreou-se a película de ficção Godzilla II: rei dos monstros de Michael Dougherty, destacando-se as batalhas épicas de monstros que fazem parte da cultura popular. Como estamos no período estival, a Associação Gandaia, sediada na Costa de Caparica, tem um programa ambicioso para animar os cinéfilos durante os meses de verão, prosseguindo com os seus ciclos de cinema, sendo que julho é dedicado ao realizador Richard Linklater, com as obras apresentadas todas as quintas feiras no Auditório da Costa de Caparica. Na Praça de Liberdade, nos meses de julho e agosto, é apresentado um evento de cinema ao ar livre às sextas e sábados, o que é um bom pretexto para descontrair e usufruir das altas temperaturas do verão.

Luísa Oliveira

Os passos ouvia-os agora mais sonoramente: eles vinham, e todas as portas se abriam à sua frente. Como repeli-los e como não amá-los também? Sentiu que os joelhos se lhe esfriavam e como que um banho de gelo a ia atingindo até à cintura, e subindo; as mãos guardavam algum calor, mas não as movia mais. Um sopro mais brusco do vento fez entreabrir as portas da varanda, e Quina, num último olhar, abrangeu aquele céu esverdeado do amanhecer e que era imenso, e que, como em ondas do espaço, continuava mesmo através dos mundos, das estrelas vivas ou extintas. Os seus lábios emudeceram, e o som dos passos deteve-se, por fim, sobre o seu coração. A mão, um instante depois, deslizou e ficou fora do leito, com a palma voltada para cima, numa atitude toda confiante no seu abandono, cortando de través o bastãozinho de luz que escorria sempre, sereno, até à porta; via-se-lhe no pulso a mancha arruivada, que ela, no mais inviolável segredo de si própria, acreditara sempre uma marca de predestinação.

 

in A Sibila – Agustina Bessa Luís

O dia 3 de maio foi passado, num primeiro momento, no Mosteiro de Alcobaça e, após isso, na cidade medieval de Óbidos.

Os alunos do 10.º E e F puderam contemplar a beleza e imponência da arquitetura do Mosteiro de Alcobaça, fundado em 1153 por D. Afonso Henriques através de uma doação feita ao Monge S. Bernardo.

Mosteiro de Alcobaça

A visita ao grandioso edifício contou com duas guias que foram explicando a finalidade de várias das salas, trazendo o passado ao presente e aproveitando uma ou outra ocasião para questionar os alunos do curso de Línguas e Humanidades.

Ora, do Mosteiro faz parte uma igreja gótica composta pelo nártex, pelo deambulatório, pelas capelas radiantes, pela nave central e laterais, o cruzeiro e o transepto. E é precisamente neste último constituinte do Mosteiro onde se situam os mais belos túmulos que nos contam uma história de amor. A história de Romeu e Julieta, neste caso, a versão portuguesa – um enredo composto por D. Pedro, “o Justiceiro” e D. Inês. Vamos lá recuar no tempo e chamar o passado até aqui…

O acontecimento data do século XIV quando D. Pedro se apaixona por Inês de Castro, a dama de honor de D. Constança, a esposa do herdeiro ao trono. Diz-se que a beleza de Inês era tanta, que Pedro se apaixonou… e o sentimento era mútuo! Viveram assim um amor adúltero. Após ter ficado viúvo, D. Pedro pensou poder viver aquele romance livremente. O problema é que o seu pai, o rei D. Afonso IV, era contra esse casamento pois não queria perder a independência de Portugal para a Espanha. Diz-se, que apesar disso os dois apaixonados se casaram e tiveram 3 filhos.

Pedro e Inês (do filme homónimo de António Ferreira)

Infelizmente a vida dos dois “pombinhos” não foi um conto de fadas, tendo Inês de Castro sofrido às mãos do então rei de Portugal, ou devo dizer, às mãos dos assassinos que encomendou para fazerem o trabalho sujo.

Morreu a mulher apunhalada em frente aos filhos enquanto pedia misericórdia. Este momento trágico teve lugar em Coimbra, na Quinta das Lágrimas, onde, afirmam muitos, Inês foi morta. Reza a lenda que a cor vermelha que se vê nas rochas da fonte corresponde ao sangue derramado por Inês.

Ao olhar para os dois túmulos de Pedro e Inês, é impossível ficar indiferente aos pormenores que os cobrem; todos contam a história dos dois apaixonados! Em ambos os túmulos encontramos uma rosácea, que se divide em duas faixas circulares, a Roda da Vida (exterior) e a Roda da Fortuna (interior), sendo aqui que se representam cenas da vida dos dois amantes. Também as faces laterais foram decoradas – no caso de D. Pedro, encontramos cenas da vida do seu padroeiro, S. Bartolomeu. No que respeita ao túmulo de D. Inês, junto aos seus pés, a representação do juízo final (o dia em que as almas são julgadas) e, nas faces laterais encontramos cenas da vida de Jesus (desde a sua nascença, até ao momento da sua morte, na cruz), a quem, aliás, se fazem inúmeras referências através da Bíblia.

É curioso que os dois estão com os pés voltados para o cruzeiro o que nos remete logo para o encontro entre as suas almas: quando acordarem vão levantar-se e olhar um para o outro a fim de que se reconheçam.

pormenor dos túmulos de Pedro e Inês

Luís Manuel Ascensão, 10.º E

imagens daqui, daqui e daqui

Durante os dias 29 de abril e 02 de maio, decorreu na Escola Secundária Daniel Sampaio a 2ª Mostra do Filme Solidário realizada, este ano lectivo, no nosso Agrupamento.

Tratou-se de uma atividade dinamizada pelas Bibliotecas (VR+DS), no âmbito da Educação para a Cidadania. A Mostra do Filme Solidário consiste na apresentação de curtas-metragens de carácter não comercial que visam a reflexão sobre comportamentos sociais e temáticas de impacto global: desenvolvimento sustentável (Norte global/ Sul Global), Objetivos do Milénio, ODS (Objectivos de Desenvolvimento Sustentável), igualdade de género, ambiente, exemplos positivos, comportamentos de risco, violência, fome, direitos de autor.

Nestas sessões, participaram alunos de turmas do 7º ao 12º ano, num total de nove turmas. Em cada uma das sessões, após a visualização das curtas, iniciou-se o debate que contou com a intervenção interessada e pertinente de muitos alunos e professores. Estes momentos foram mediados e dinamizados por Pedro Santos um dos voluntários da produtora independente HelpImages. O Pedro deu-nos a conhecer a missão desta ONG e o modo como filmes tão curtos carregam em si mensagens tão vastas. Nesta exploração, houve leituras polémicas, houve leituras consensuais. Houve debates mais entusiastas, outros menos empolgados, mas em todos eles esteve sempre presente a perceção do enriquecimento mútuo que estas horas de diálogo descontraído nos trouxeram.

Assim, saímos todos com uma certeza: se queremos um mundo melhor e mais sustentável, essa responsabilidade cabe a cada um de nós, sem exceção, pois não há Planeta B.

Dulce Sousa (professora-bilbiotecária da EBVR)

aceda à aos filmes exibidos na mostra

Este slideshow necessita de JavaScript.