Feeds:
Artigos
Comentários

Jaime Espada, Ana Beatriz e Fernanda Correia, 7º E

Anúncios

image2.jpgUma vez mais, a professora Rosa Silva dinamizou junto dos seus alunos na disciplina de Português a organização anual de um Portefólio de Leituras que organizasse e deixasse registado o Projeto Individual de Leitura de cada aluno. Este portefólio integra itens como o meu perfil de leitor, os livros da minha vida, as minhas recomendações de leitura, assim como registo de atividades e âmbito letivo associadas à leitura, que os alunos foram desenvolvendo ao longo do ano.

Desta vez, a distinção coube à Marta Isidoro e à Carolina Afonso, do 9ºB, premiadas pela professora Rosa Silva com uma obra da sua escolha. Publicamos em seguida alguns itens dos portefólios vencedores, dando os parabéns às alunas pelo seu bom trabalho e à professora Rosa pela sua resiliência e crença neste projeto

O meu Perfil de Leitora

Considero-me uma leitora assídua e de mente aberta a novas aventuras no âmbito da1 literatura. Abordo cada livro como se fosse um mundo paralelo ao meu, e sempre que leio, viajo para outra realidade, para, assim, enriquecer a minha imaginação. Ao ler, descubro novas formas de ver o mundo à minha volta e amplas opiniões acerca de diversos assuntos, que me ajudam a estruturar as minhas ideias e opiniões. Tento sempre ler um pouco de tudo, para desenvolver o meu conhecimento e pensamento.

No entanto, tenho géneros que são “a minha praia” ao nível da leitura, como por exemplo:

  • adoro livros de romance e poesia, as suas páginas transpiram suavidade, delicadeza e mistério, fazendo-nos percorrer os diversos sentimentos do ser humano.
  • Para além disto, aprecio livros de Fantasia, Aventura e Ficção Científica. Adoro viajar por páginas cheias de imaginação, “mergulhando” nas diversas realidades apresentadas.

 

O Livro da Minha Vida

2O Principezinho, de Antoine de Saint-Exupéry é, para já, o meu livro preferido, já que constitui uma permanente lição de vida na qual me vou inspirando enquanto pessoa, tentando que os valores nele espelhados sejam também o reflexo das minhas atitudes e comportamentos no dia a dia. O valor da amizade é, para mim, um dos mais importantes, num mundo feito de aparências e de futilidade, onde o tempo para estar com os outros é escasso. Precisamos de magia, de pessoas que nos cativem, porque o “essencial é invisível aos olhos”. O verdadeiro valor das coisas ou das pessoas não pode ser visto com uma visão superficial; para conhecer o que é essencial, é preciso ver com o coração. Para além disto, o importante na vida é também o tempo que dedicamos aos outros: “foi o tempo que dedicaste à tua rosa que a fez tão importante”. São fundamentalmente estes valores, de que me apropriei, que me fazem gostar tanto desta obra, e também o facto de, ao crescer, querer “cultivar” a criança ainda inocente que há em mim.

As Minhas Sugestões de Leitura

O Filho de Noé, de Eric-Emmanuel Schmitt

3O filho de Noé é uma narrativa feita na 1ª pessoa, sendo que o narrador é também a personagem principal (narrador participante). A narrativa é feita, quase na íntegra, através dos olhos e pensamentos de um jovem narrador. No entanto, no último capítulo, há também um narrador adulto (que corresponde à mesma personagem, que se tornou adulta). A história é passada no auge da 2ª Guerra Mundial, quando as rusgas nas casas das pessoas se tornaram habituais. Joseph, um rapaz judeu de 7 anos, ingénuo e curioso, é entregue, pelos pais, a uma família de nobres para assegurar a sua sobrevivência, mas estes começam a ser investigados e, para proteção do pequeno Joseph, que ainda não sabia ao certo quem era, entregaram–no a um sacerdote, o Padre Pons.

Este homem da igreja, bondoso, levou-o para um orfanato, na Villa Jaune, frequentado por crianças cristãs e às quais se juntavam crianças judias, que eram instruídas, para sua própria segurança, a ocultar a sua origem, história, nome, religião e sentimentos. Contudo, o Padre Pons sempre se empenhou em manter viva a religião judaica em Joseph, de modo a não perder a sua identidade.

Joseph ia à catequese e aprendia a ser um cristão de dia e, à noite, ia com o Padre Pons e outros judeus para uma sinagoga secreta, onde lhes ensinava a Torá, a Mishmá, os textos dos rabinos e os objetos de culto.

O Padre Pons fazia coleção de objetos relacionados com as diversas “raças”, já que existia a probabilidade de “extinção”, devido à guerra, e também para nunca se esquecerem de que estas existiram, o Padre Pons, tal como Noé, tornou-se num “coleccionador” que iria salvar a humanidade, cumprindo com o dever de memória que todos temos de ter relativamente à nossa História (neste caso, a história dos judeus, ajudando os jovens a esconderem-se até ser proclamada a paz e a liberdade). Quando os jovens puderam sair daquela sinagoga, voltaram a encontrar as suas famílias, e Joseph reencontrou os seus pais.

Mais tarde, Joseph diz aos seus pais que quer converter-se ao cristianismo. Estes, ao ouvirem isso, ficaram surpreendidos. O Padre Pons explicou a Joseph que ele era o futuro da sua “raça”, tal como Noé fez ao salvar os seres vivos.

A história acaba quando Joseph já é adulto e vê dois grupos de jovens, uns judeus e outros palestinianos, à pedrada uns aos outros. Joseph dirige-se a eles, gritando para pararem, e estes fogem em direções opostas. Joseph encontra objetos perdidos destas crianças e apanha um kipá e um lenço palestiniano e diz: “Estou a começar uma nova coleção” .

Aconselho, vivamente, a leitura deste livro porque o autor, em cada página, consegue transmitir-nos claramente as sensações que o pequeno Joseph vivenciava. Para além disto, sensibilizou-me a forma como o narrador utiliza as palavras, de forma minuciosa para suavizar e tornar mais suportável a energia negativa ao redor deste tema: o Holocausto

Mil Vezes Adeus, de John Green

4John Green é o meu autor preferido no que toca a romances de autoria inglesa. Já li todos os seus livros, e aquele que vou sugerir foi, provavelmente, o que mais me surpreendeu pelo aspeto positivo.

O romance desenrola-se em torno da personagem Aza, uma rapariga do liceu, pouco sociável, que se debate, desde pequena, com as suas batalhas interiores, partilhando connosco, ao longo da história, as suas angústias e a suas doenças.

Aza, uma jovem de dezasseis anos, e sua melhor amiga, Daisy, através de uma conversa de refeitório, descobrem o caso do desaparecimento do bilionário Russel Pickett, pai de Davis, um ex-colega e vizinho de Aza de quem esta tinha perdido o contacto. Aza e Daisy usaram isso como pretexto para se aproximarem do rapaz, na busca de pistas para encontrarem o pai de Davis, para conseguirem uma recompensa.

Davis e seu irmão Noah não tinham mãe, e o pai tinha-os abandonado numa mansão repleta de empregados, para aí fazerem as mais simples tarefas.

O que é uma missão simples acaba por se tornar num romance entre Aza e Davis, mas esta não consegue aguentar um compromisso. A sua fixação por micróbios, que são transmissíveis pelo simples toque, e o seu subconsciente sempre a ocupar-lhe a cabeça tornam-na uma pessoa insegura, mas Davis compreende-a e dá-lhe o seu espaço.

Recomendo a leitura desta obra, pois é um livro que nos faz refletir sobre o amor, a resiliência e o poder da amizade, e também põe em cena a história de uma rapariga com uma doença mental que a impede de aproveitar o que há de bom na vida, o que nos faz perceber a sorte que temos em ter uma vida aparentemente “normal”, privilegiada e, sobretudo, nos faz relativizar os nossos pequenos problemas do dia a dia.

“Qualquer pessoa pode olhar para ti. É bastante raro encontrar alguém que veja o mesmo que tu.”

John Green

Mara Isidoro

O meu Perfil de Leitora

Como leitora, gosto bastante de livros policiais porque aprecio muito a criatividade que estes livros possuem. Nos policiais, geralmente, aqueles que eu leio também contêm um pouco de “suspense” e mistério, porque o leitor não consegue adivinhar como será o final, devido à existência de muitas reviravoltas. Este é também um dos aspetos que aprecio nos policiais.

Outro estilo de que também gosto são os romances. Tal como nos policiais, os romances têm muita criatividade e “suspense”, o que os torna mais apelativos para mim.

Gosto também de ler livros de história, essencialmente da Segunda Guerra Mundial. Não sei porquê, mas sinto um magnetismo entre mim e as histórias dos judeus que viveram num inferno chamado campos de concentração e guetos judaicos. Também acho importante saber bem os erros cometidos no passado, para aprender e não os cometer. novamente.

O Livro da Minha Vida

O livro da minha vida é Um Crime no Expresso do Oriente, de Agatha Christie. Foi publicado, pela primeira vez, no dia 1 de janeiro de 1934. Eu considero-o o livro da 5minha vida, porque despertou o meu gosto por policiais, pois, desde então, comecei a ler muitos policiais. Estão recheados de mistério e a história dá muitas reviravoltas antes de se  concluir. É por isso que gosto muito dos livros de Agatha Christie, pois nunca descobrimos, enquanto estamos a ler, o que vai acontecer no fim. E quando chegamos ao fim, temos uma enorme surpresa e pensamos “Como é que não pensei nisto antes? “.

Quando o li, penso que tinha 9 anos. Antes disso, só lia livros infantis com assuntos pouco sérios, mas, desde então, comecei a interessar-me por livros mais “adultos”, o que me ajudou a ganhar maturidade.

No entanto, não quero pensar que apenas um livro transformou a minha vida em algo diferente. Há outros livros que mudaram a minha vida e me transformaram no que sou. Entre eles, está  A rapariga que roubava livros. Foi este o primeiro livro que li sobre a Segunda Guerra Mundial e, desde então, ainda não me cansei de ler histórias sobre este tempo sombrio.

As Minhas Sugestões de Leitura

7A minha primeira sugestão de leitura é Viver depois de ti, de Jojo Moyes. É uma história de amizade e amor. Na verdade, é muito mais complexa do que parece.

Era uma vez uma rapariga chamada Lou que estava a viver miseravelmente. Quer dizer, não estava a viver, estava a sobreviver. Saltava de emprego em emprego e esquecia-se de desfrutar da vida. Até que conheceu Will. Lou foi contratada para cuidar de uma vítima de um acidente rodoviário que ficara paralisada do pescoço para baixo e fora, outrora, um homem aventureiro e vivera a sua vida ao máximo. Mas desde o seu acidente de carro, perdera o seu espírito e desejava suicidar-se. Lou encontrava-se, todos os dias, numa posição díficil pois ela sempre fora uma pessoa alegre e positiva. Com o passar do tempo, Lou foi-se apercebendo de como não desfrutava, como devia ser, a vida, com o exemplo que via todos os dias. A história acaba quando Will vai para a clínica dos Dignitas, e Lou fica por sua conta.

Eu sugiro este livro por várias razões. Uma delas é por ser um livro muito inspirador, sendo a “lição” viver cada momento da tua vida. Outra razão é por ser muito parecido com a realidade, ou seja, este livro não tem um final feliz como todos os outros têm. A rapariga não fica com o rapaz e não viveram felizes para sempre. Acredito que tem outro tipo de felicidade, pois Lou ficou a saber que tinha de desfrutar mais a vida.

Depois deste livro, a autora escreveu o seu seguimento: “Viver sem ti”. Esta história já foi adaptada para cinema.

6A minha segunda sugestão de leitura é o livro After 1. É o primeiro da coleção de cinco livros da autora Anna Todd.

Este livro conta a história de uma rapariga chamada Tessa, que consegue entrar na Universidade de Washigton e estudar Literatura Inglesa. É uma rapariga “certinha” e muito organizada. Quando chega ao dormitório, com a sua mãe e o seu namorado, Noah encontra a sua colega de quarto e dois dos seus amigos, mas apenas um capta a atenção dela. Mais tarde, fica a saber que se chama Hardin. Ela sente uma estranha atração por este rapaz desequilibrado. Mais tarde, fica a saber o quão mau ele é, para ela, e então, percebe que ele não sente o mesmo por ela. Com o passar do tempo, podemos “observar” a vida dela a desmoronar-se e a mudar: ela terminou com o seu namorado e começou uma grande discussão com a sua mãe, mas tudo isto aconteceu, devido à sua estranha atração pelo rapaz maldisposto. Eles acabaram por começar a namorar, mas como eram duas pessoas bastante diferentes, tinham muitos altos e baixos, portanto, durante meses, acabavam e voltavam a ficar juntos várias vezes sem conta. Até que ela descobriu que ele fizera uma aposta para lhe tirar a virgindade, e é aí que termina o livro. Mas a história continua no segundo livro.

Eu gostei deste livro, porque fala de uma história de amor entre duas pessoas muito diferentes, mas que acabam por se entender pois realmente se importam muito um com o outro. Consegui perceber que esta história foi escrita com muita paixão e um toque de “suspense”, mas contém muito romance.

Leia os portefólios na íntegra:

 

 

Nasci exactamente no teu dia —fp

Treze de Junho, quente de alegria,

Citadino, bucólico e humano,

Onde até esses cravos de papel

Que têm uma bandeira em pé quebrado

Sabem rir…

Santo dia profano

Cuja luz sabe a mel

Sobre o chão de bom vinho derramado!

 

Santo António, és portanto

O meu santo,

Se bem que nunca me pegasses

Teu franciscano sentir,

Católico, apostólico e romano.

 

[…]

Dizem que foste um pregador insigne,

Um austero, mas de alma ardente e ansiosa,st

Etcetera…

Mas qual de nós vai tomar isso à letra?

Que de hoje em diante quem o diz se digne

Deixar de dizer isso ou qualquer outra coisa.

[…]

 

(Qual santo nem santeza!

Deita-te noutra cama!)

Santos, bem santos, nunca têm beleza.

Deus fez de ti um santo ou foi o Papa? …

Tira lá essa capa!

Deus fez-te santo! O Diabo, que é mais rico

Em fantasia, promoveu-te a manjerico.

 

Sê sempre assim, nosso pagão encanto,

Sê sempre assim!

Deixa lá Roma entregue à intriga e ao latim,

Esquece a doutrina e os sermões.

De mal, nem tu nem nós merecíamos tanto.

Foste Fernando de Bulhões,

Foste Frei António —

Isso sim.

Porque demónio

É que foram pregar contigo em santo?

 

Fernando Pessoa: Santo António, São João, São Pedro. Fernando Pessoa. (Organização de Alfredo Margarido.) Lisboa: A Regra do Jogo, 1986.

Imagens daqui e daqui 

563_1000

A produção cinematográfica nacional teve mais um reconhecimento pois o filme  Diamantino, a primeira longa- metragem de Gabriel Abrantes e Daniel Schmidt, venceu o Grande Prémio da 57ª Semana da Crítica da 71ª edição do Festival de Cinema de Cannes. Conforme comunicado pela produtora, enquanto se aguarda a sua estreia comercial, o filme conta “a história de Diamantino, interpretado pelo ator Carloto Cotta, uma superestrela do futebol mundial, cuja carreira cai em desgraça… à procura de um novo objetivo para a sua vida, Diamantino entra numa odisseia delirante, que envolve neofascismo, crise dos refugiados, modificação genética e a busca pela origem da genialidade”. Ainda sobre o mundo futebolístico, é de referir a estreia de Ruth de António Pinhão Botelho, uma abordagem interessante sobre os costumes e vivências de Portugal durante a ditadura salazarista, tendo como pretexto a história da contratação do futebolista Eusébio pelo Benfica.

Os conflitos mundiais continuam com adaptações no cinema, sendo que a 1ª guerra mundial está presente no intenso e belíssimo melodrama franco-alemão de François Ozon, Frantz. Baseado no filme de 1932 realizado por Ernst Lubitsch “O homem que eu matei”, é uma obra apresentada a preto e branco com excelentes interpretações e banda sonora adequada que realçam o luto e o sentimentalismo feminino. De igual forma, a 2ª guerra mundial é um tema recorrente que se pode ver em Os invisíveis de Claus Rafle, um drama com caraterísticas de documentário que decorre em Berlim num período em que a cidade é declarada pelos nazis “livre de judeus”. No entanto, centenas conseguiram escapar às perseguições apresentando-se, nesta obra, os testemunhos de quatro dos sobreviventes, de como viveram a sua vida de adolescentes e jovens adultos num contexto terrível.

O período após a 2ª guerra mundial serve de base ao filme Sociedade literária da tarte da casca da batata de Mike Newell, uma história comovente e deliciosa a partir do livro de Mary Ann Schaffer e Annie Barrows. Nesta excelente película, realça-se importância das relações baseadas na amizade, no amor e na paixão pelos livros que se desenvolvem durante a ocupação alemã da ilha de Guernsey (Canal da Mancha) entre 30 junho de 1940 e 9 maio de 1945 e que constituíram uma forma de resistência.

Também como reflexo de conflitos armados, Refugiados do irreverente artista chinês Ai Weiwei revela-se como um emocionante documentário sobre uma trágica realidade global atual que movimenta milhões de seres. A equipa de filmagem visitou 40 campos de refugiados em 23 países e, entre as afirmações de Ai Weiwei, destacam-se “Este é o meu trabalho: dar voz aos que não têm como falar… Eu tinha muita curiosidade sobre as 65 milhões de pessoas que perderam suas casas em conflitos e desastres naturais. Vê-las sem rumo é muito chocante. Ao mesmo tempo, a resposta europeia é igualmente chocante, pois eles não fazem muito para ajudar”.

Ainda sobre situações problemáticas globais Nunca estiveste aqui de Lynne Ramsay, adaptação do romance homónimo de Jonathan Ames, foca o mundo tenebroso do tráfico humano, tendo ganho no festival de Cannes de 2017 o prémio de melhor argumento e o protagonista, Joaquim Phoenix, o de melhor ator. Outra temática atual, 17 rapariga das irmãs Muriel e Delphine Coulin acaba por ser um filme que provoca um debate sobre a temática da gravidez na adolescência e a reação dos pais e professores à situação. Baseado num caso real ocorrido numa escola dos E.U.A. em 2008 em que dezassete adolescentes decidem engravidar ao mesmo tempo, a ação foi adaptada a uma cidade francesa  constituindo uma reflexão sobre situações vividas por muitos adolescentes.

Ainda sobre ligações humanas, Só te vejo a ti de Marc Forster é um interessante thriller psicológico em que Blake Lively e Jason Clarke protagonizam um casal cuja relação amorosa vai ser posta à prova após a mulher recuperar a visão que tinha perdido devido a um acidente rodoviário. Ordem divina de Petra Volpe, filme selecionado pela Suíça para concorrer ao Óscar de melhor filme estrangeiro, está centrado na luta pela igualdade de direitos para as mulheres na Suíça que, surpreendentemente, só tiveram direito a votar a partir de 1971. Baseia-se nas reações de familiares, amigos e conhecidos à luta pública de uma mulher pelo reconhecimento do direito ao voto feminino que os homens vão votar em 7 fevereiro de 1971.

O realizador Mike Newell regressa, em filme com argumento de Kevin Hood e Thomas Bezucha, interpretado por Lily James, Michiel Huisman e Matthew Goode, para contar a experiência de uma jornalista na pesquisa para um livro sobre a ocupação nazi de Guernsey, uma das ilhas do Canal da Mancha, entre o Reino Unido e França. E o que começou como correspondência com a sociedade literária local e prosseguiu com uma visita à ilha transforma-se num retrato que envolve vários dos habitantes numa história de amizade e solidariedade.O realizador Mike Newell regressa, em filme com argumento de Kevin Hood e Thomas Bezucha, interpretado por Lily James, Michiel Huisman e Matthew Goode, para contar a experiência de uma jornalista na pesquisa para um livro sobre a ocupação nazi de Guernsey, uma das ilhas do Canal da Mancha, entre o Reino Unido e França. E o que começou como correspondência com a sociedade literária local e prosseguiu com uma visita à ilha transforma-se num retrato que envolve vários dos habitantes numa história de amizade e solidariedade.O cinema francês está representado na sátira ao ensino em Madame Hyde de Serge Bozond com Isabelle Huppert, contemplada com o prémio de melhor atriz no festival de Locarno, no papel de uma professora que após ser atingida por um raio desenvolve poderes misteriosos que a transformam totalmente a nível pessoal e profissional. Os fãs dos géneros de terror e de ficção científica devem apreciar Um lugar silencioso de John Krasinski que, num misto do suspense de Hitchcock e do universo Alien, é considerado uma parábola da realidade atual americana ao descrever um mundo apocalíptico em que qualquer som pode chamar seres alienígenas aterradores. Sobre personalidades americanas, LBJ, de Robe Reiner com Woody Harrelson no papel do 36º presidente americano, é um relato da vida política de Lyndon B. Johnson durante a sua permanência no Senado, como vice-presidente de John F. Kennedy e presidente após o assassinato deste em 22 novembro 1963.

Por fim, surgiu nos ecrãs o aguardado Han Solo, uma história da Star Wars de Ron Howard sobre a juventude de um dos mais icónicos rebeldes do cinema. Alden Ehrenreich substitui Harrison Ford na personagem que faz parte da saga que movimenta milhões de fãs e que já pertence ao imaginário popular desde os anos 70 do século XX. Mais uma obra a demonstrar como a magia do cinema une várias gerações e contínua presente ao longo do tempo.

Luísa Oliveira

dia da criança