Feeds:
Artigos
Comentários
feira-livro

clique para saber mais

Anúncios

literacia-3d

Pelo 3º ano consecutivo, a Biblioteca da ESDS organizou a participação da escola no concurso Literacia 3D promovido pela Porto Editora. Como já tinha sido anunciado aqui no Bibli, em post anterior, a adesão dos alunos (130) foi mais do dobro de anos anteriores. Alunos do 7º (Literacia da Leitura) e do 8º (Literacia do Inglês) participaram na etapa da escola, realizada em 5 sessões, entre 20 e 24 de novembro de 2017.

Desta etapa da escola, foram apurados 6 alunos. Na Literacia do Inglês, Marta Vasconcelos, Patrícia Nunes e Guilherme Dias, do 8ºB, Rodrigo Caldeira, do 8ºC e Sofia Pereira, do 8ºD; na Literacia da Leitura, João Neto, do 7ºC. Estes alunos tomaram parte na fase distrital, que teve lugar a 28 de fevereiro na EB2,3 Barbosa du Bocage, em Setúbal.

distrital

alunos participantes na fase distrital

Marta Vasconcelos foi a grande vencedora da fase distrital, em Literacia do Inglês e teve assim presença garantida na final nacional que se realizou a 11 de maio, no Centro Ciência Viva, no Parque das Nações.

Para grande alegria da aluna, da sua professora de Inglês, Lurdes de Jesus, que a acompanhou, da biblioteca que promoveu o concurso e da ESDS, a Marta foi mais uma vez vencedora – desta vez a nível nacional!

Entre outros prémios, recebeu um curso de inglês de duas semanas em Cambridge, no próximo verão. Parabéns, Marta, estamos todos muito orgulhosos de ti!

 

 

Este slideshow necessita de JavaScript.

No ano em que se comemoram 100 anos da assinatura do Armistício que assinalou o fim da 1ª guerra mundial, é natural que surjam obras cinematográficas que abordem temas ligados a este terrível conflito. Portugal não foi exceção e estreou o interessante O Soldado Milhões de Gonçalo Galvão Teles e Jorge Paixão da Costa. Um filme passado na década de 1940 e durante a Primeira Grande Guerra, em que Portugal participou com o Corpo Expedicionário Português (CEP), sofrendo uma dura derrota na Batalha de La Lys (França ). No dia 9 de abril assinalou-se o centenário da famosa batalha na qual o Soldado Milhões ou mais precisamente Aníbal Milhais (1895-1970), ficou conhecido por ter aguentado nas trincheiras, sozinho, com a sua Luisinha (diminutivo de Luísa, nome dado pelos portugueses à metralhadora Lewis), a investida alemã salvando, dessa forma, muitos portugueses e ingleses. Segundo passou a ser referenciado, pela sua ação, o comandante Ferreira do Amaral saudou-o com a frase “Tu és Milhais, mas vales Milhões!”.

Igualmente sobre o conflito e as suas consequências sociais, a obra distinguida, este ano, com cinco Césares foi  Até Nos Vermos Lá Em Cima de Albert Dupontel, inspirado no romance homónimo de Pierre Lemaitre, vencedor, em 2013, do Prémio Goncourt, o mais prestigiado galardão da literatura francesa. Uma interessante sátira social que, com humor negro, demonstra a insensatez das decisões tomadas pelas chefias militares e os esquemas fraudulentos surgidos com o enterro e memoriais dos combatentes que morreram durante a guerra.

Sem a dimensão de um conflito mundial mas igualmente devastador e actual, o belga Philippe Van Leeuw filmou Na Síria, a partir do ponto de vista de um grupo de civis. Trata-se de um filme claustrofóbico e tenso que mostra as consequências devastadoras do conflito. Protagonizado maioritariamente por refugiados sírios no Líbano, demonstra como os civis continuam a ser as maiores vítimas do conflito que aniquila física e psicologicamente membros de várias gerações.

Com uma temática diferente e apresentado de forma burlesca, temos a sátira política  A morte de Estaline  de Armando Iannuci, que  relata  os conflitos entre o círculo próximo de Estaline após a sua morte, em março de 1953, misturando  humor negro e alguns factos históricos.   Estreado em 2017, no Festival de Cinema de Toronto, o teor deste filme causou muita controvérsia entre políticos e figuras das artes de várias repúblicas da antiga URSS tendo sido banido em alguma delas.

Em abril também são de realçar as comédias Madame de Amanda Sthers, com Rossy de Palma, uma das musas do realizador espanhol Pedro Almodóvar e a divertida produção franco belga Assim não vais longe de Franck Dubosc, uma produção romântica sobre as consequências de enganos e mentiras. Também neste género, estreou Ammore e Malavita dos irmãos Antonio e Marco Manetti, que associa a comédia ao musical, numa sátira social sobre a Máfia com todos os lugares comuns ligados a esta temática.

No género terror, Helen Mirren domina em A Maldição da Casa Winchester de Michael & Peter Spierig, obra inspirado em factos verídicos. Película valorizada pela interpretação da talentosa atriz inglesa no papel de viúva e herdeira do criador das lendárias espingardas que vivia convencida que a sua casa era assombrada pelos espíritos das pessoas mortas por esta arma e que a única forma de os acalmar era acrescentar novas divisões, pelo que, que a habitação esteve em permanente construção até à sua morte, em 1922.

Os apreciadores de aventuras que incluem experiências genéticas, catástrofes globais e muitos efeitos digitais devem apreciar Rampage – Fora de Controlo 2D de Brad Peyt.  O realizador Wes Anderson voltou à animação em stop-motion com a comovente  fábula  Ilha dos cães, vencedora do Urso de Prata do festival de Berlim,  tendo sido o primeiro filme de animação que abriu a Berlinale. É uma obra que agradará não só aos que gostam do “melhor amigo do homem” que na película aparecem como os principais personagens numa ilha depósito de lixo municipal para onde foram enviados pelo residente da Câmara Municipal. Conforme consta da informação, o filme demorou dois anos a ser rodado na complicada técnica de filmar os bonecos/marionetas, tendo estado envolvidas cerca de 670 artistas, incluindo 70 animadores de bonecos e 38 técnicos de animação com a câmara digital Canon IDX a registar 130 mil frames que juntos dão a ilusão de movimento. Assim, todo o filme foi feito à moda antiga da técnica stop-motion, quase não tendo sido usadas imagens geradas por computador, sendo o cão-robot a única marioneta concebida em 3D.

Por fim, ninguém fica indiferente à reposição da maravilhosa e intemporal obra de 1988 Cinema Paraíso de Giuseppe Tornatore, com Philipe Noiret, numa magistral interpretação num filme que é considerado uma autêntica homenagem à magia do cinema.

Termino relembrando que até 6 maio decorre a 15º edição do IndieLisboa com a apresentação de mais de duzentos filmes, inúmeras propostas artísticas e as homenagens a Lucrecia Martel  e Jacques Rozier.

Luísa Oliveira

DML_2018_Cartaz_baixa_res

No segundo período do ano letivo 2017/2018, aos alunos do 10º ano da escola Secundária Daniel Sampaio foi proposto, como forma de avaliar a expressão oral, a apresentação de uma obra recomendada no Projeto de Leitura.

A escolha de cada livro foi feita no primeiro período do mesmo ano letivo. Os alunos tinham ao seu dispor uma grande variedade de obras pertencentes a diversos géneros literários, obras estas, escolhidas de acordo com os seus gostos pessoais. Este fator refletiu-se positivamente na avaliação individual de cada aluno, pois estes conseguiram interpretar e compreender melhor o enredo em causa, tornando assim, a sua apresentação mais natural, o que, consecutivamente, facilitou aos restantes alunos uma melhor interiorização da mensagem da história.

Como dois dos vários alunos participantes nesta atividade, e uma vez que nos foi dada a oportunidade de realizar esta apreciação crítica, ambos possuímos uma forte opinião sobre este método avaliativo, a qual iremos partilhar.

Primeiramente, iremos salientar os principais aspetos positivos desta atividade. Do nosso ponto de vista, este trabalho teve como principal objetivo promover hábitos de leitura juvenil, o que, indubitavelmente, foi benéfico, pois proporcionou um maior desenvolvimento intelectual aos alunos, ampliando o conhecimento literário dos mesmos. Outro aspeto relevante a referir é o facto de esta atividade dar a oportunidade aos alunos de aumentar o seu “à vontade “ ao partilhar as suas ideias frente a um dado público. O último aspeto positivo retirado por nós na realização deste trabalho foi o facto de este ter sido preparado fora da sala de aula, o que nos deu a possibilidade de elaborar uma apresentação mais cuidada, tanto a nível da linguagem utilizada, como do conteúdo exposto.

O único reparo que teríamos, eventualmente, a fazer, seria o de se limitar o número de apresentações do mesmo livro, de forma a evitar que as exposições orais se tornem repetitivas e monótonas.

A realização deste trabalho foi, a nosso ver, bastante enriquecedora, pois aumentou o nosso leque de conhecimento literário. A maior parte dos livros escolhidos pelos alunos encontram-se disponíveis na biblioteca da nossa escola. Isto para dizer, que para ler basta ter vontade. A leitura está acessível a todos, basta procurá-la. Vivam os livros e parabéns aos seus escritores, e já agora, também para nós, leitores.

Sara Boisseau e Simão Sanguinho, 10ºB

Este slideshow necessita de JavaScript.