Feeds:
Artigos
Comentários

Archive for Julho, 2014

o menino de sua mãeimagem editada daqui

Anúncios

Read Full Post »

lua de julho

Read Full Post »

As alunas disitinguidas com o melhor trabalho receberam um livro-prémio da BE

As alunas distinguidas com o melhor trabalho receberam um livro-prémio da BE

Neste ano letivo, a turma do 7.o D participou no projeto Portefólio de Leituras, em parceria com a Biblioteca. De entre os portefólios entregues, mereceram destaque os das alunas Gabriela Godinho, n.o 10, e Joana Cardoso, n.o 13, não só por terem cumprido integralmente o que lhes fora pedido, como também por terem apresentado um produto com qualidade, o que se refletiu na classificação atribuída aos trabalhos. Estão, pois, de parabéns ambas as alunas, cujo trabalho deverá servir de incentivo aos seus colegas.

Rosa Silva (professora de Português)

Aceda ao Portefólio de Leituras – Gabriela Godinho, 7ºD

Read Full Post »

Quando os médicos Alfred Hardy e Aimé de Montméja publicaram a revista médica “Clínica fotográfica do hospital de Saint Louis”, em França, não tinham em mente a criação de uma obra artística, antes um trabalho científico que visasse mostrar e catalogar as doenças da pele e circulasse entre a classe médica.

As imagens, desta e de outras revistas de medicina, publicadas em 1868, eram ainda de fraca qualidade pelo que necessitavam de ser retocadas de modo a realçar as lesões da pele provocadas pela doença.

Félix Méheux, fotógrafo da revista entre 1884 e 1904, realizou esse trabalho, mas, ao mesmo tempo, dirigiu a atenção para outros aspetos de ordem estética, aos quais a sua natureza não era indiferente.

Com o olhar atento à luz, ao enquadramento, à envolvência, e, além do mais, assinando as fotografias, os médicos reconhecem-lhe mérito, mas acusam-no de produzir um trabalho que não serve para publicação.

Este “artista dermatologista”, como foi chamado, desenvolveu a técnica a cor, quando o preto e branco já não era suficiente. Esta técnica, morosa, requeria a coloração a aguarela sobre as fotografias, o que implicava um contacto mais próximo com cada doente, de modo a que o artista se detivesse a observar as lesões da pele e as especificidades de cada uma e as ilustrasse com o rigor científico que exigiam.

Esta aproximação ter-lhe-á permitido outra descoberta: a do ser humano na sua imensa tragédia. Por detrás da imensa deformação da pele de cada doente, onde manchas, bolhas, pústulas, crostas quase o ocultam, Méheux irá realçar a individualidade e, desse trabalho, sairão fotografias perturbadoras onde o horror, a raiva, a dor, o humor, se revezam e desorganizam os sentimentos.

Acusado de não homogeneizar as séries fotográficas e, como tal, não fazer trabalho científico, as fotos deveriam apresentar-se alinhadas e impessoais, classificadas de acordo com as morfologias, preenchendo, assim, as páginas da “Clínica fotográfica”.

Esta revista, com fotografias a ilustrar as doenças da pele, permite que os médicos conheçam as doenças sem a observação direta dos doentes. Mas, se a presença do médico na observação do doente podia ser dispensada e substituída pela imagem, em algumas situações, o mesmo não se poderá dizer da presença do médico nas fotografias, onde figurará desde o aparecimento desta.

Muito antes da fotografia, já as imagens gravadas em suporte de madeira mostravam as primeiras autópsias realizadas com a figura do médico ocupando uma posição de relevo mas distanciada da ação.

Fig.3- Fascículo de medicina, 1494. Reprodução de gravura em madeira

Fig.3- Fascículo de medicina, 1494. Reprodução de gravura em madeira

Esta atitude permitiu a Andreas Vesalius, no seu livro “De Humani Corporis Fabrica” (Da Organização do Corpo Humano), escrito em 1543, e considerado um dos mais influentes livros científicos de todos os tempos, escarnecer dessas figuras sentadas em cátedras que “como gaios, falam de coisas que nunca compreenderam, mas que foram buscar aos livros e as memorizaram, sem nunca as verem”.

Este lugar de destaque, nas gravuras, de alguém que ocupa uma posição privilegiada, de alguém que observa, mas distante daquele que toca, e se mantém acima dos demais, vai estabelecendo diferenças, formando hierarquias.

A figura do médico irá sair da gravura e entrar na fotografia, da sala de dissecação do cadáver para a sala de cirurgia e aí posar, sobrepondo a sua imagem à do doente.

A fotografia, e depois a radiografia, no final do séc. XIX, e o poder alcançado pelos fotógrafos e também pelos físicos, no domínio da máquina, ameaça a classe médica que tudo fará para que esse monopólio seja exclusivamente seu.

A questão intensifica-se quando técnicos, não médicos, são nomeados responsáveis pelos departamentos de radiologia do hospital.

Só a lei conseguirá impor a obrigação de um diploma em medicina para a utilização de raios X com fins diagnósticos e terapêuticos, mas respeitando as posições adquiridas por alguns não médicos.

Com o domínio da máquina e com todas as consequências benéficas que daí advêm para a saúde, a relação entre o médico e o doente altera-se.

Com a nova realidade, as palavras também sofreram alterações, são agora mais técnicas. Na relação com o doente, a máquina interpõe-se entre ambos, é ela que vê o que não é visível, é ela que pesquisa, que percorre todas as partes do corpo e expõe o interior, e o médico, perante as imagens que o ecrã lhe dita, já não diz que o doente não tem nada, mas antes, que não vê nada, sentindo-se desresponsabilizado de qualquer erro de diagnóstico.

A iconografia da doença nunca foi muito representada na história da arte, outras formas de sofrimento causadas pela ira, divina ou humana, foram, desde a antiguidade, largamente abordadas, mas a doença, propriamente dita, nunca interessou os artistas, nem mesmo aos fotógrafos quando registaram, durante a guerra, tantos corpos destroçados, nunca a doença por si só, lhes mereceu uma especial atenção.

O dedo que dispara o botão e o olho que vê, condicionados por imagens anteriores que os moldaram e ditaram hierarquias, nem sempre estão livres para ver o que sempre se quis esconder – afinal fotografar é enquadrar e enquadrar pressupõe excluir.

Provavelmente, só a proximidade com a doença, como o fez Félix Méheux ou ainda o artista japonês Tatsumi Omoto, cuja obra artística e performativa reflete sobre questões como a doença de Alzheimer de que a sua mãe é vítima, mas também sobre o envelhecimento e a falta de apoio dos familiares aos idosos (e a propósito, esteve recentemente em Portugal, em Évora, num lar de idosos), a deixou de tratar como um tema tabu que as sociedades modernas preferem remeter para  segundo plano.

Fig. 6

Fig. 6

Também conhecido por Bread Man, este artista desenvolveu o projeto Art Mama que consiste num trabalho artístico e documental do processo de envelhecimento e degenerativo da sua mãe. Cuidar e transformar esse cuidado em arte é o seu objetivo e, à semelhança das fotografias de Félix Méheux, também o seu trabalho desconcerta, também levanta questões e também desorganiza sentimentos.

Ana Guerreiro

Fontes:

Read Full Post »

clique para aceder ao documento

clique para aceder ao documento

Read Full Post »

Passeando pela ‘Baixa’ de Lisboa, constata-se que a cidade se ergue sobre sete colinas, que lhe conferem beleza e harmonia. Os edifícios são antigos, muitos deles recuperados através de Planeamento Urbano, apresentando um zonamento vertical ao nível das suas funções.

Os edifícios, para além de terem a mesma altura, têm a mesma organização:

     No piso térreo, (muitas vezes com arcadas), ou nos andares mais baixos, encontram-se as atividades que necessitam de maior contacto com o público e com o consumidor; estão patentes os serviços e o comércio vulgar e especializado (minimercado, loja de souvenirs, loja de roupa, café, restaurante, farmácia, bancos, ‘ateliers’ de alta costura, joalharias e ourivesarias, etc.);

     Nos andares superiores, observam-se as funções menos nobres ou que requerem menos contacto com o público;

       No 2º/ 3º/ 4º pisos, existem janelas de sacada, nos mais baixos e, nos mais altos, janelas de peitoril, (onde se encontram escritórios de empresas, tipografias, editoras, consultórios de médicos, consultórios de advogados);

     Nos últimos pisos é frequente encontrar apartamentos com preços bastante elevados (os apartamentos restaurados chegam a valer 1.000.000 Euros!), onde apenas habitam classes sociais com grande poder económico, ou uma nova classe social chamada de ‘yuppies’ – ‘Young Urban Professional’, (jovens/adultos bem sucedidos, que através das carreiras académicas e/ou profissionais, têm grande poder económico) ou, então, idosos, mas estes vivem em apartamentos que não foram restaurados e que se encontram bastante degradados ou, então, em prédios degradados e muito antigos.

Resumimos, assim, que um só edifício consegue concentrar em si, a função residencial, comercial e/ou industrial e administrativa, o que demonstra a grande funcionalidade e pragmatismo da área da cidade reconstruída por Pombal e, agora, denominada de ‘Baixa’.

Feiras de ruaTambém existem áreas do CBD onde podemos verificar que existe uma maior concentração de serviços lúdicos e culturais (artistas de rua: músicos, malabaristas, artistas, teatro de rua, concertos, pintores, bailarinos, etc.), ou de hotéis, restaurantes, cafés e esplanadas.

Atividades como feiras, vendas e mercados de rua são frequentes na ‘Baixa’ de Lisboa.

Algumas das ruas no CBD foram encerradas ao trânsito e transformadas em ruas pedonais, para maior organização da área, facilitar a acessibilidade e revitalizar a cidade, atraindo população flutuante – aquela que se desloca ao CBD durante o dia, para trabalhar ou, simplesmente, fazer compras e/ou usufruir de um café ou esplanada, regressando ao fim do dia às suas casas.

Os acessos, no Chiado, são estritos em muitas ruas. Calçadas inclinadas recordam-nos que estamos numa das colinas de Lisboa!… Mas embora algumas das ruas tivessem sido cortadas ao trânsito (ex.: Rua Nova do Almada), para possibilitar a circulação de peões, existem, contudo, transportes, como o metropolitano (Estação: ‘Baixa Chiado’) e parques de estacionamento subterrâneos, para aqueles que se desejem deslocar-se no seu automóvel particular no CBD da cidade.

Todas estas atividades (maioritariamente do setor terciário), comerciais, de serviços e as funções raras, associadas a um tráfego intenso, entre outros fatores já referidos, fazem da área de Lisboa que visitámos, o chamado CBD da capital de Portugal.

E o que tem vindo a acontecer à dinâmica funcional da Baixa?

A verdade é que, nos dias de hoje, se constata cada vez mais uma alteração da dinâmica funcional do CBD, pois com o passar do tempo as funções vão-se alterando.

Numa primeira fase, houve uma grande substituição da função industrial e, posteriormente, da residencial pelo comércio e serviços e, atualmente, a tendência é a descentralização destas funções, que passam a exercer a sua influência em outras áreas da cidade.

Com a deslocalização de sedes e filiações de empresas e de outros serviços públicos do CBD para outras áreas da cidade, surgem as ‘Novas Centralidades’.

E porquê que isto acontece?

Devido, à especulação fundiária, que faz com que os preços imobiliários sejam muito elevados, devido ao congestionamento do centro, pois cada vez mais existem automóveis e escasso é o espaço para os poder estacionar e devido, posteriormente, a uma diminuição das acessibilidades ao centro, pois este encontra-se congestionado.

A população desloca-se do centro para a periferia da cidade, originando o processo de Suburbanização (ou para áreas periféricas para lá da coroa suburbana, originando o processo de Periurbanização), devido à fuga do ritmo intenso das cidades, da poluição ambiental e sonora e do elevado custo da Renda Locativa (custo do solo). A deslocação populacional é, também, acompanhada pelas atividades económicas, que se instalam em áreas periféricas, constituindo extensos subúrbios, que, posteriormente, ao ‘ganharem vida própria’, ascendem à categoria de ‘Cidade’.

As classes sociais de maior poder económico preferem adquirir, em áreas aprazíveis e mais distantes do centro da cidade, moradias de luxo, com piscina, jardim e ‘court ‘ de ténis, pelo mesmo preço que pagariam por um apartamento médio no centro de Lisboa.

Devido a estes fatores, a ‘Baixa’ sofre de estagnação económica e social. O decréscimo da densidade populacional e o aparecimento de ‘Novas Centralidades’, em outras áreas da cidade, como, inicialmente, nas Avenidas Novas e, posteriormente, no Parque das Nações e no Centro Comercial Colombo, contribuem para a estagnação do CBD de Lisboa.

Arriscamo-nos a dizer que, cada vez mais, a ‘Baixa’ tem concorrência e que, porventura, tenderá a perder a sua importância para outras centralidades. Aqui, surgem atividades como os tribunais – ‘Campus’ da Justiça, no Parque das Nações -, os hotéis – Myriad by Sana’, no Parque das Nações -, as sedes das empresas e os serviços – centro comercial, hospital, agências de viagens, cabeleireiros, arquitetura, advocacia, gestão, imobiliário, decoração, restauração, etc. – e atividades culturais, lúdicas, recreativas e de lazer – Pavilhão do Conhecimento, Oceanário, Teleférico, MEO-ARENA, Teatro Camões, Casino Lisboa, entre outras.

É pois, necessário continuar a implementar medidas de recuperação, reabilitação, requalificação e revitalização do centro da cidade – nomeadamente do CBD – para que o mesmo possa contribuir para a atração da população, do turismo e das atividades do Setor Terciário, dinamizando a economia do país.

 Beatriz Ferrão e Teresa Rosado, 11ºE 

(imagens originais das autoras)

Read Full Post »