Feeds:
Artigos
Comentários

Archive for the ‘Da Coroa para o Barrete’ Category


Local: Lisboa, Museu Nacional do Teatro
Inauguração: 25 de Novembro, 18h00
Período de exibição: 25 de Novembro de 2010 a 29 de Maio de 2011
Horários: 4ª Feira a Domingo, das 10h-18h. 3ª Feira, das 14h-18h. Encerra à 2ª Feira.

Em 1910, o Teatro era o centro de toda a actividade cultural, artística e lúdica da sociedade portuguesa e europeia. As artes do palco, do teatro de revista ao grande teatro lírico eram, ainda, a única “indústria do espectáculo” e de diversão “artística ou cultural” verdadeiramente existente (o cinema estava a dar os seus primeiros passos e os concertos de música ou os espectáculos de dança não tinham, ainda, a expressão que irão mais tarde atingir), nelas se reflectindo, directa e indirectamente, a vida social, as tensões e os problemas sociais, a intriga e o combate político e, até, a vida amorosa, mais ou menos clandestina.

Exposição com o apoio da Comissão Nacional para as Comemorações do Centenário da República

Mais informações aqui

Read Full Post »

… Assim a anunciava o jornal A Capital nessa quarta-feira de 5 de Outubro de 1910, numa edição histórica a que pode aceder aqui, assim como assistir a uma cronologia da História Portuguesa, desde o regicídio de 1908 até à revolução de 1926, no vídeo abaixo.



Fonte do vídeo: Centenário da República

aceda ao programa

Finalmente, pode tomar conhecimento do  programa oficial proposto pela comissão para a comemoração do centenário, em todo o país, mas sobretudo reflectir sobre o que  a república representa hoje para os seus cidadãos.

Read Full Post »

aceda ao site da Fundação

Read Full Post »

clique para aceder ao site

Outras sugestões no Bibli na gaveta Da Coroa para o Barrete:

abra a gaveta

Read Full Post »

clique para aceder ao site

Read Full Post »

Interessante pela frequência das actualizações, está associado a uma série homónima de programas transmitidos pela RDP no âmbito do centenário, embora divulgue todo o tipo de inciativas e materiais multimédia relacionados com o tema. Merece sem dúvida uma visita.

clique para aceder ao blog

Read Full Post »

No âmbito das actividades levadas a efeito no passado dia 21 de Maio e também no âmbito das comemorações do Centenário da República, a convite do grupo de História, esteve presente na escola o Dr. Alexandre Flores, Director do Arquivo Histórico Municipal de Almada, que apresentou uma palestra subordinada ao tema Almada na revolução republicana. Alexandre Flores, bibliotecário-arquivista, ensaísta, professor e investigador em Património e História, é natural de Lamego, mas cedo se estabeleceu no Concelho de Almada, ao qual dedicou a maioria da sua obra de investigação, publicada em cerca de cinquenta artigos e livros.

Depois uma breve dissertação sobre as razões da queda da Monarquia e da implantação da República em Portugal, A. Flores passou a reflectir sobre a forma como estes acontecimentos foram vividos na então vila de Almada. Contextualizou o concelho nos princípios do século XX, caracterizando-o como uma região vincadamente agrícola, com quintas pertencentes a famílias sobretudo de Lisboa, e industrial, com uma população operária originária sobretudo do Alentejo. A República teve em Almada, de acordo com Alexandre Flores, o mesmo tipo de envolvimento e projecção que em todos os concelhos limítrofes de Lisboa. Não se deve pois enfatizar a precocidade ou dimensão do movimento neste concelho, onde o espírito republicano sustentava os ímpetos contestatários da classe operária e dos trabalhadores locais, mas cuja participação foi ganhando dimensão à medida que o movimento se ia consolidando a nível nacional. A relação de Almada com a revolução intensificou-se pela sua ligação à Marinha, por via do Arsenal do Alfeite. A Marinha foi a arma que funcionou como suporte do movimento republicano e, dado o envolvimento das populações das várias freguesias do concelho com esta instituição militar, foi pois natural a empatia com o movimento desde a primeira hora.

Ainda no âmbito das actividades do Dia do Encerramento do Ano Lectivo e das comemorações do Centenário da República, esteve em exibição na ESDS, uma exposição itinerante, cedida pelo Arquivo Histórico Municipal/Casa ParganaImplantação da República em Almada. Dez painéis, com dois núcleos distintos – o primeiro alusivo à Queda e à Implantação da República em Portugal e respectivos símbolos republicanos e outro referente a estes eventos em Almada estiveram expostos: Almada antes, durante e depois da Revolução, com evocação dos locais e das personagens ligadas a estas memórias.

Profª. Cristina Teixeira

Este slideshow necessita de JavaScript.


Read Full Post »

Older Posts »