Feeds:
Artigos
Comentários

Posts Tagged ‘Jornalismo’

É através da comunicação social que sabemos o que está a ocorrer à volta do mundo. Mas, por vezes, deparamo-nos com visões um pouco distintas, visto que as opiniões, argumentos e palavras mudam consoante a fonte que consultamos.

imagesAtualmente podemos verificar esse facto, mais regularmente, quando o assunto são “os refugiados”. Todos os acontecimentos negativos protagonizados por indivíduos de etnia árabe parecem ser culpa dos refugiados. Mas será que essa é a realidade? Ou será que a sociedade está já demasiado vinculada à ideia de que tudo o que diz respeito a essa etnia tem a ver com os refugiados?

Esta questão colocou-se a propósito dos acontecimentos do passado dia 31 de Dezembro, na Alemanha quando, pelo menos, 80 mulheres foram brutalmente atacadas por homens. Tendo em conta que foi algo que mereceu uma grande atenção por parte dos média, podemos deparar-nos com mais do que uma visão sobre o mesmo assunto em distintas fontes.

Assim o pude constatar quando li a notícia do jornal Expresso e a comparei com a dohamburgo-antinazista-g1 Observador. Na notícia apresentada pelo jornal Expresso podemos ler que os ataques terão sido, supostamente, planeados por agressores de etnia árabe e africana. Embora a notícia não seja extensa, podemos comprovar que o foco está na dimensão monstruosa do que se passou em Colónia (Alemanha) e igualmente, embora em menor escala, em Hamburgo e Estugarda: o número de mulheres assediadas, agredidas ou assaltadas. Neste jornal, no entanto, a notícia não refere os agressores como refugiados mas apenas menciona as suas etnias.

Por outro lado, no jornal Observador a notícia sobre o mesmo assunto acrescenta o suposto “perigo” que é a Alemanha dar asilo aos refugiados, na medida em que alguns agressores eram de etnia árabe, questionando, na linha de pensamento de Frauke Petry e outros grupos, se Angela Merkel não concorda que a vaga de violência na passagem de ano não serviria de “aviso” à política de “portas abertas” da chanceler alemã. Apesar de incluir igualmente a opinião de Henriette Reker, que discorda que os refugiados estejam envolvidos neste trágico acontecimento, o foco acaba assim por se deslocar do ataque para a questão dos refugiados.

revista-de-imprensa-nacional-jornais

Esta é apenas uma amostra de como a comunicação social pode mudar o ênfase de uma notícia e torná-la distinta de um jornal para outro. Tudo depende de quem está por detrás da caneta ou do computador a escrevê-la. Daí podermos defender que nunca nos devemos guiar por uma simples fonte de informação, mas antes procurar mais fontes para assim recolhermos mais dados de modo a retirarmos as nossas próprias conclusões, de uma forma mais crítica e informada.

Mónica Andrade, 12ºD

fontes analisadas:

fonte das imagens: aqui, aqui e aqui

Anúncios

Read Full Post »

Damos hoje início a uma nova rubrica aqui no Bibliblog com a publicação de um artigo da Micaela Rafael.

images

mil maneiras de mostrar os factos

Este nova rubrica – Um olhar sobre as notícias – resulta da colaboração da BE com a disciplina de História lecionada pela Luísa Oliveira ao 12ºE, turma que se dispôs a participar neste projeto.

O nosso objetivo é combinar a consciência cívica, a atualização informativa, a opinião fundamentada e, em particular, promovendo a literacia dos media, a formação de uma consciência crítica em relação às opções editoriais dos vários media.

Pretendemos que os alunos envolvidos neste projeto

media-alienation

um espetador desprevenido

se apercebam das mil maneiras de olhar e de mostrar  os “factos” – como, por vezes, meras opções gráficas ou destaques podem refletir o mesmo facto de distintas formas, infelizmente algumas delas com um efeito manipulatório sobre um leitor/espetador mais desprevenido ou menos educado na forma como filtra e reage criticamente à informação que lhe é fornecida em catadupa nos dias de hoje.

Fernando Rebelo (PB)

Imagens daqui e daqui

As consequências de uma sociedade conformista

O aquecimento global poderá ser sanado quando, entre outras coisas, houver um crescimento global de mentalidade

É do conhecimento geral que um dos principais temas da atualidade se prende com as alterações climáticas. O aumento da temperatura, a subida no nível médio das águas ou a degradação da qualidade do ar são consequência de uma sociedade cada vez mais consumista, indiferente e conformista.

A verdade é que todos nós gostamos de ter aquela camisola a 15 euros, uma caneta a 2 euros ou um par de calças a 20 euros, a casa aquecida no inverno e um carro para nos deslocarmos de forma cómoda para o trabalho, no entanto, pensamos nas consequências que daí advêm? Não.

original (2)Assim, na sequência desta questão e de outras, líderes de todo o mundo reúnem-se em Paris, de forma a chegar a um acordo relativamente às medidas a tomar para combater as alterações climáticas, tendo como principal objectivo que até 2100 a subida da temperatura não exceda os 2 graus celsius.

O top de países mais poluentes são efetivamente, e sem surpresa, os países que mais produzem. China, Estados Unidos, Índia, Rússia, etc. Tornando-se evidente que é necessário estabelecer de forma igualitária os encargos dos países industrializados e dos países em desenvolvimento, para que não aconteçam situações como a que se está a viver agora na capital chinesa, Pequim.

Jornais como o Diário de Notícias, Expresso ou o Jornal de Negócios avançam

original (1)

Pequim em alerta vermelho (Sicnotícias.pt)

com a notícia chocante de que a China activou o alerta vermelho pela primeira vez na sua história: o máximo numa escala de quatro em relação aos níveis de poluição. Medidas como a proibição de circulação de veículos ou o aconselhamento às populações para permanecerem nas suas casas já estão em vigor na capital chinesa.


A maioria dos jornais mantem-se fiel à mesma linha informativa, destacando que esta é a primeira vez que tais medidas são implementadas e explicando o sucedido com a existência de um denso nevoeiro branco seguido de um forte odor a carvão. No entanto, conseguimos ver que tanto o Jornal de Negócios como o2015-12-07-Pequim  Diário de Notícias se centram unicamente nas medidas tomadas por Pequim, sendo tal visível na repetição da expressão “alerta vermelho em Pequim” chamando assim mais a atenção dos leitores para este lado pontual da questão. Já o Expresso, para além da descrição dos factos, alargou mais o campo informativo, procurando dar uma base mais científica ao artigo, reportando muitos números baseados em estudos relacionados com a poluição, incluindo relatos de residentes, explicações do Presidente da Câmara de Pequim e os estudos de um investigador.

Não deixa de ser irónico o sucedido, visto que, não há muitos dias, a China, o país mais poluente no mundo, expressava a sua vontade de reduzir em cerca de 60% as emissões dos gases poluentes na Conferência do clima em Paris.

Este é um tema que deve interessar a todos, tendo em conta que se trata,2015-11-29-paris-1 nada mais, nada menos, do que o reflexo de uma sociedade consumista que quer sempre mais e mais a um preço cada vez mais baixo, o que não é possível sem colocar em causa a “saúde” do nosso planeta e das imensas pessoas que nele habitam, como é referido no jornal Expresso, que divulga um estudo em que 1,4 milhões de chineses podem morrer prematuramente anualmente por causas relacionadas com a poluição, sendo que a poluição mata diariamente 4000 pessoas.

Cabe-nos então a nós pensar se realmente queremos continuar a adoptar uma atitude conformista ou agir – será que uma camisola, um lenço ou mais um ar-condicionado ligado em casa vale, a longo prazo, a vida das pessoas, vale o fim da biodiversidade, vale o início de secas, a escassez de água e novos conflitos mundiais? Deixemos de ser egoístas e pensemos nas gerações vindouras, como Veríssimo Andrade refere: “O aquecimento global poderá ser sanado quando, entre outras coisas, houver um crescimento global de mentalidade.”

Micaela Rafael, 12º E

Fonte das imagens: sicnotícias.pt e expresso.pt

 

Read Full Post »

clique e aceda ao guião de utilização das escolas

Read Full Post »

clique para aceder ao site

informação de Ana Paula Silva (coordenadora do Jornal da ESDS – JEDS)

Read Full Post »

clique para aceder a todas as informações e ficha de inscrição

Read Full Post »

clique para aceder ao documento

Read Full Post »

clique para aceder à notícia

pode consultar o regulamento aqui e aceder ao formulário de candidatura aqui

Read Full Post »

Older Posts »