Feeds:
Artigos
Comentários

Posts Tagged ‘Almeida Garrett’

Este slideshow necessita de JavaScript.

Read Full Post »

clique para mais informações

clique para mais informações

Read Full Post »

Sabia que na versão original do livro Contacto, de Carl Sagan, não é só uma personagem que tem uma experiência extraterrestre? E que no romance O Nome da Rosa, de Umberto Eco, a rapariga por quem Adso se apaixona acaba no final por ser queimada pela inquisição como feiticeira? Se não sabia, o melhor mesmo é ler o livro…

“Este livro dava um filme!” é um frequente elogio com que brindamos  uma obra literária que, quer pelas emoções que desperta, quer pela qualidade “visual” da história e das personagens, constitui um potencial argumento para uma película. Porém, se é verdade que vivemos desde há décadas numa época muito fortemente marcada pela imagem, há ainda muitos leitores que tendo sido impressionados por determinados livros ficaram completamente desapontados com as suas versões cinematográficas, não obstante a qualidade da fotografia, realização e interpretação dos seus intervenientes.

Como substituir a capacidade evocativa da palavra na nossa imaginação por uma imagem “pronta a ver” ali à nossa frente? Quem poderá alguma vez “filmar” a beleza de certas frases, a descrição literária de uma paisagem, de uma personalidade, o jogo de silêncios e vozes da boa literatura? Mesmo assim, se algumas versões filmadas não passaram de simplificações grotescas de obras literárias, outras conseguiram, se não ganhar autonomia dentro da sua própria linguagem, como obras de arte em sim mesmas, não desmerecer as narrativas literárias em que se basearam, dando-lhes uma projeção mediática que de outra forma nunca obteriam.

O certo é que, se realmente de arte falamos, estamos perante duas linguagens completamente diferentes, com uma técnica, um ritmo e um tempo próprios e com igual potencial para estimular a nossa sensibilidade. Assim sendo, aqui ficam algumas sugestões disponíveis na nossa biblioteca – para que quem só viu o filme, possa ler o livro que lhe deu origem, ou inversamente, descobrir, como leitor, a forma como outros leitores o interpretaram no cinema.

Fernando Rebelo

Este slideshow necessita de JavaScript.

Read Full Post »