Feeds:
Artigos
Comentários

Posts Tagged ‘Terror’

Este slideshow necessita de JavaScript.

Read Full Post »

On December 6th of 2016 Catarina Cabral and João Pimenta, class 12th B and their colleagues, within teacher Lígia Luís’s English class and with the cooperation of teacher Lurdes Jesus, told a short story to the students of 7th grade. The story is called “Girls night out”, it is about two best friends who decided to sneak out one night to go to a club and something happened.

Most of the kids understood the story and seemed to enjoy it. At the end of the story, the story tellers and the teachers made them some questions about the story, and they even helped to make a suspect list! It was a good experience.

This is the story that was told:

Girls night out

Isobella and Chloe were two typical American teenage girls. After school they spent all of their time together, watching scary movies, having sleepovers, shopping for new clothes. They liked partying, keeping up with their friends, having fun and just enjoying life. They had no way of knowing the terrible fate that life had in store for them.

One night, Isobella and Chloe decided to have a girls night out. They planned to sneak out to a nightclub as soon as their parents went to sleep. Isobella kissed her parents goodnight and went upstairs to bed. When she thought that everyone had gone to sleep, she took out her cellphone, called her friend Chloe and told her to meet her at the store down the street. Chloe agreed and hung up.

Isobella quietly opened her bedroom window, trying not to wake anyone up. She stepped out onto the windowsill and climbed down the drainpipe. As she walked down the deserted street, she got a strange feeling that she was being watched. The hairs on the back of her picked up. She glanced behind her, but she was alone. When she came to the corner of the store there was nobody around, so she took out her cellphone and called Chloe.

“Ok, I’m at the store”, she said, “ Hurry up”.

“What’s wrong?” replied Chloe.

“I don’t know”, said Isobella, “This just doesn’t feel like other nights. Something’s not right. I´ve got a bad vibe.”

“Stop it. You´re just being paranoid”, Laughed Chloe. “I´ll be there in 2 minutes”.

Isobella hung up the phone, but she could not shake the feeling that someone or something was watching her.

Five minutes later, Chloe turned up and the two girls walked together to the nightclub. The girls were too young to get into the club, but the bouncers never asked for their ID. They strolled inside and pretty soon they were dancing to the music and flirting with guys on the dance floor.

Around 3 A.M., Isobella was chatting to a guy who must’ve been at least 10 years older than her. When suddenly she felt her phone vibrating in her pocket. It was a text message from her ex-boyfriend Anthony. She hadn’t heard from him since they broke up.

The message read: “COME OUTSIDE I´VE GOT A HUGE SURPRISE FOR U”

Curious she looked around and saw Chloe busy talking to some other man. She stepped outside…

She got yet another text message, and it read: “MEET U AROUND THE CORNER OVER BY THE DUMPSTER”

The street was dimly lit and deserted. Isobella had a bad feeling in the pit of her stomach. She told herself she was just being over-cautious.

Inside the club, Chloe was looking for her friend. But no signs of her.

Chloe got a text from Isobella:

“MEET ME OUTSIDE NOW HURRY”

As she got outside she got another text message: “I’M AROUND THE CORNER OVER BY THE DUMPSTER COME WATCH ME SPARKLE”

Chloe followed the directions, crossing the dark and lonely street. When she turned the corner, she was confronted by a horrific sight.

Isobella was hanging upside down in the parking lot. Sparkling Christmas tree lights were wrapped around her ankles. A pool of blood below her. Her body stripped of clothing, revealing deep wounds along her stomach and chest.

Chloe fell to the ground and screamed, people that were at the door of the nightclub heard and came to help.

When they turned the corner and saw Isobella’s bloody corpse hanging in front of them, they were horrified.

The police were called and they questioned Chloe for hours. Still in a state of hysteria, she could barely talk. Sobbing uncontrollably, she told them how she and Isobella had sneaked out that night and gone to the nightclub together. She tried to remember all of the guys that they had flirted with on the dancefloor. They asked her if she knew about anyone who would want to harm Isobella, but she couldn’t think of anyone. As much as she wanted to catch Isobella’s killer, she was no help to the investigation.

During the interrogation, one of the cops grabbed a plastic bag and took out a blood-stained envelope.

  “We found this in your friend’s throat. It’s addressed to you”, said the cop as he handed her the envelope.  

“Chloe” was written across the front. With trembling hands, she took out the piece of paper inside and read it.

The letter read: “Maybe if you stayed in bed like you were supposed to, things like this wouldn’t happen. Don’t go sneaking around at night. Bad things can happen.”

The cops had to grab her before she fainted. An ambulance took Cloe to the hospital and treated her for shock.

When Chloe returned home the next day, she was still shaken. Her parents told her that Isobella’s ex-boyfriend, Antony, had been arrested for the murder. He was later released after checking his alibi. He claimed his phone had been stolen on the day of the murder. The police didn’t rule him out as a suspect in the case, but they didn’t have enough to charge him.letter

Isobella’s murder remained unsolved. Nobody was ever brought to trial for the crime and as time went on, people began to forget about it.

Two years have passed and Chloe had almost managed to forget about the terrible night when her best friend had been savagely murdered.

One night, she called her boyfriend and asked him to meet her at the park. It was about 2 in the morning. She began to walk to the park, but felt a strange presence, just like the one Isobella had told her about, the night she was murdered. She was almost at the park when the feeling came across her, so she let it go. Her phone beeped. It was a text message from her boyfriend.  – “Almost there baby luv u lots”.

It made her feel much better. Her last task was to pass by the store, the park was on the other side. She began to walk but heard something behind her. Immediately she began to run. Her boyfriend got to the park and waited about 15 minutes. At 2:35 AM, he got a text from Chloe: -“Keep walking forward and u will see me”

He did as the text suggested and walked forward. There hanging upside-down from a tree, was the mutilate body of Chloe. Christmas lights were wrapped around her ankles and she was covered in blood.

He called the police and was interrogated all night. The next day, when Chloe’s boyfriend got home, there was a letter waiting for him on his parents’ doorstep. It was stained with small drops of blood. The note inside read: “Don’t go sneaking around at night. Bad things can happen.”

I wish I could tell you that the murders of Isobella and Chloe were solved, but that’s just not the case. Today, the police say the investigation is still ongoing, but they have no new leads.

The murders are rarely spoken about nowadays. They were high profile cases at the time, but due to the strange lack of evidence, people soon forgot about them. Everyone who was involved went on with their lives.

You may be wondering how I know so much about these cases. Well, I’d rather not go into it, considering it’s still an ongoing investigation. If you must know, I was the cop who was assigned to the case. I was the cop who handed Chloe the blood-stained letter. You may also be wondering why the murders were never solved. Well, like I always say: Don’t go sneaking around at night… Bad things can happen…

Read Full Post »

Este slideshow necessita de JavaScript.

Read Full Post »

Frankenstein.1831.inside-cover

3ª edição, 1831

Foi numa madrugada de tempestade à beira do Lago Leman, num ano em que não houve Verão, que Mary Shelley concebeu a história que viria a tornar-se um clássico da literatura mundial.

Encontrando-se na companhia do seu marido, o poeta romântico inglês Percy Shelley, Lord Byron e a companheira deste, Mary tentou responder ao desafiou lançado por Byron aos presentes de se surpreenderem mutuamente inventando histórias de terror. Mary só teve a sua visão já de madrugada, na solidão do seu quarto.

A novela que daí resultou acabaria por ter a sua 1ª edição em 1818, Mary Shellytornando-se um êxito no séc. XIX, ampliado, já no séc. XX, pelas sucessivas adaptações ao cinema.

Mas esta fama cinematográfica acabaria por contribuir para o empobrecimento  da sua mensagem, conduzindo a leituras superficiais, chegando-se ao ponto de identificar o criador com a criatura – Frankenstein passou a designar o monstro para a maioria das pessoas, em vez de nomear aquele que, Moderno Prometeu, desafiou a natureza e Deus com a sua obsessão em criar vida a partir da morte. Assim, a a leitura sugerida pelo subtítulo foi-se de certa forma perdendo na espuma da popularidade.

image002

Prometeu

De facto, o Moderno Prometeu retoma o mito clássico do ser mortal que rouba o fogo (o conhecimento) aos deuses e que, à semelhança do herói mitológico grego e de Adão e Eva – que tão pouco resistiram à tentação da maçã proibida -, é terrivelmente castigado pelo seu desafio (hybris).

À parte das suas qualidades como novela clássica de terror, Frankenstein, o Prometeu-cientista, é uma riquíssima metáfora intemporal de alguns dos grandes dilemas do homem, tão atual hoje como o foi no tempo da Grécia Clássica – não é difícil encontrar nessa fantasia de madrugada tempestuosa,  já velha de 200 anos, o eco precoce de muitas questões de bioética que se discutem nestes dias: a clonagem humana, a eutanásia, a maternidade de substituição, e outras com as quais ainda nem sonhamos. Embora com muito mais ciência e cautela, continuamos a roubar o fogo aos deuses.

Fernando Rebelo 

Read Full Post »

medo

Este slideshow necessita de JavaScript.

Read Full Post »

O destaque do mês vai, sem dúvida, para o filme de João Canijo, Sangue do meu sangue. Representa um exemplo do cinema nacional de qualidade, um ótimo filme com excelentes prestações de atores, distinguindo-se Rita Blanco. Também português, é o filme de terror O Barão  de Edgar Pêra, adaptação do livro homónimo de Branquinho da Fonseca. No documentário O meu Raul, de Patrícia Vasconcelos, é possível recordar o saudoso Raul Solnado.

Com uma vasta campanha de promoção, a estreia do mês é  As aventuras de Tintim, o segredo do Licorne, realizado em imagem real por Steven Spielberg e transporto para animação, com captura de movimento em 3D, pelo produtor Peter Jackson. Este primeiro filme de uma trilogia baseia-se nos álbuns O segredo do Licorne e o tesouro de Rackham, o terrível.

São também de destacar os filmes  Submarino de Richard Ayoade, uma agradável surpresa do cinema inglês, o romeno Terça, depois do natal de Radu Muntean e o emocionante Serviçais de Tate Taylor, baseado no bestseller de Kathryn Stockett The Help. Com ação no Mississipi racista dos anos 60, relata  factos verídicos  da luta pelos direitos civis de minorias étnicas.

Nas comédias  distinguiu-se a sátira a 007 com Rowan Atkinson (o impagável Mr. Bean) no  papel de um  espião pouco ortodoxo em O regresso de Johnny English de Oliver Parker .

O romantismo está presente nos filmes A lista dos Ex de Mark Mylod, Românticos Anónimos de Jean Pierre Améris e Não sei como ela consegue de Douglas McGrath.

Do conjunto de filmes de terror fazem parte  Medo profundo em 3D de David R. Ellis,  Contágio de Steven Soderbergh,  Não tenhas medo do escuro  de  Troy Nixey e Atividade Paranormal 3 de Ariel Schulman e Henry Joost.

A merecer alguma atenção Identidade secreta de John Singleton, A outra verdade de Ken Loach, o brasileiro No meu lugar de Eduardo Valente, Incendies – a mulher que canta de Denis Villeneuve, Pater de Alain Cavalier e a nova versão do  famoso clássico de Alexandre Dumas, agora em 3D,  Os três mosqueteiros   de W.S.Anderson.

Quanto a estreias, termino com a referência ao documentário sobre o emblemático cabaret parisiense Crazy Horse de Frederick Wiseman, também apresentado na abertura do Doclisboa 2011. Nesta edição, o vencedor  do Grande Prémio da Cidade de Lisboa  foi a obra de Gonçalo Tocha  É na terra não é na lua, filmada na ilha açoriana do Corvo.

Ainda em Lisboa, os apreciadores do cinema alemão  podem usufruir de sessões gratuitas na biblioteca do Goethe Institut, quinzenalmente, a partir das 19:30 e, de 4 a 13 novembro, realiza-se o Lisbon & Estoril Film Festival. A extensa e preenchida programação poderá ser consultada em http://www.leffest.com.

Uma questão muitas vezes debatida no mundo lusófono é a criação de um mercado comum de cinema. Sérgio Sá Leitão, presidente do festival internacional do Rio de Janeiro, deu o apoio público a  esta iniciativa. A crise  será a justificação para o projeto não avançar?

Infelizmente, em outubro, foi novamente notícia a contínua perseguição a actores e realizadores no Irão. A atriz Marzieh Vafamehr foi condenada a 1 ano de prisão e 90 chibatadas  por ter protagonizado um filmes sobre a situação das mulheres naquele país, enquanto o cineasta Jafar Panahi viu confirmada a condenação a seis anos de prisão e proibição de viajar, realizar filmes e dar entrevistas durante vinte anos.

Luísa Oliveira

Read Full Post »

Para dar as boas-vindas aos alunos recém chegados à escola, resolvemos fazer um escaparate com algumas das obras de maior êxito da nossa biblioteca, que tem “coisas” de amor, aventura, misteriosas e mesmo… horríveis. Aqui fica a primeira Estante deste ano letivo, já com resultados no terreno: mais de metade dos livros do escaparate já estão na companhia dos nossos leitores :).

Este slideshow necessita de JavaScript.

Read Full Post »

SHELLEY, Mary (1995), Frankenstein, ou o Moderno Prometeu, Colecção Livros de Bolso – Série Grandes Obras, Editora Europa-América

Discípulo de alquimistas famosos, Viktor Frankenstein vive obcecado por tentar dar à vida um ser que está morto. Para isso ele empenhou-se bastante nas aulas de anatomia e em diversas áreas da ciência. Começou então a trabalhar no seu projecto pessoal, desenvolvendo um método original que consistia em usar partes retiradas de pessoas mortas e montar um novo corpo com essas partes. Então, ao fim de algum tempo, conseguiu recriar vida.

Mas o ser que consegue trazer à vida tem um aspecto tão monstruoso que o Dr. Frankenstein acaba por fugir dele. No entanto, o monstro tenta de tudo para se aproximar dos seres humanos, e acaba por aprender a falar como eles, a sentir o que eles sentem. Porém, com a sua face horripilante apavora todos os que o vêem.

Isto acaba por condenar o monstro a viver numa solidão extrema. Como consequência, a criatura vai em busca do seu criador, a quem pede uma companhia. A recusa do médico desencadeia na criatura um desejo de vingança. E o monstro acaba por matar a sua esposa Elizabeth – é a partir daí que Viktor passa a perseguir a criatura viajando para o Árctico. E é lá que Viktor acaba por morrer.

Recomendo a leitura deste livro, pois é um clássico e mostra que muitas vezes julgamos apenas a pessoa pela aparência e acabamos por magoar essa pessoa. Apesar de ser uma história trágica, na minha opinião tem uma boa moral, e faz-nos acreditar que o para nós é impossível pode-se tornar possível se nos empenharmos no que estamos a fazer.

O meu excerto preferido, pois foi ele que me levou à leitura deste romance, é o seguinte:

Nada é mais penoso ao espírito humano, depois de os sentimentos se consumirem numa sucessão de acontecimentos, do que a calma morta da inacção e de certeza que se seguem e privam a alma da esperança e do medo.

Bruno Berrincha, 11ºB

Notas do editor:
 

Mary Shelley (1797-1851)

Mary Shelley foi casada com o poeta romântico inglês Percy Shelley e escreveu esta obra com apenas 19 anos. Muitas vezes o nome do protagonista é, erradamente, atribuído à criatura.

O subtítulo faz referência à figura da mitologia grega, Prometeu, que roubou o fogo aos deuses e foi por isso castigado por eles, o que constitui uma clara analogia com a hybris de Frankenstein, que tentou criar vida, desafiando as leis da natureza.

Imagens: daqui e daqui

Read Full Post »

Neste verão,  li um livro chamado O Despertar. O Despertar é de uma saga de livros da autora L.J.Smith, que envolve uma combinação de géneros como fantasia, terror e romance.

O livro fala-nos de um grupo de adolescentes numa cidade pequena, onde todos se conhecem e se relacionam. A história inicia-se com o ano lectivo da secundária local, que desta vez vai estar recheado de novos dramas, mistérios e romance, motivados pelo aparecimento de uma nova personagem chamada Stefan Salvatore, o rapaz novo, cheio de mistério e charme que chama a atenção de toda a gente no liceu.

O livro trata da vida dos adolescentes, dos seus dilemas e dramas pessoais. A personagem principal Helena e as suas melhores amigas, Bonnie e Vickie, deparam-se repentinamente com uma nova luta pelo poder escolar: a desde sempre rainha da escola, Helena, ganha uma inimiga e rival numa anterior amiga (Catherine); como se não bastasse, apaixona-se pelo rapaz novo.

O passado obscuro deste rapaz (afinal ele é um vampiro) irá rechear a história de aventuras, drama e acção, não só porque ele tenta lutar contra a paixão que também sente por Helena, pela sua sede de sangue humano (ele, sendo vampiro, só consome sangue de animais), como também tenta esconder de todos a sua verdadeira essência.

Este primeiro livro termina já com Helena consciente daquilo que Stefan é e com o aparecimento de algumas situações inexplicáveis que deixam antever o aparecimento de mais um vampiro.

Em suma, achei o livro interessante, revigorante quando toca à química entre as personagens e o enredo é de tal forma extenso e complexo que a autora teve que escrever mais do que cinco livros para narrar a história completa de todas as personagens e suas relações.

Rui Alves, 11º B

Read Full Post »

Fevereiro começou com as nomeações para os Óscares, prémios da Academia de Hollywood, que foram anunciadas pela actriz Anne Hathaway e pelo Presidente da Academia, Tom Sherak. Avatar e Estado de Guerra tiveram nove nomeações sendo que este ano há dez candidatos ao Melhor Filme em vez dos cinco habituais , pelo que a competição é mais renhida.

A 82ª edição da entrega destes famosos prémios decorrerá a 7 de Março , em Los Angeles, numa cerimónia transmitida em directo para mais de duzentos países e  apresentada pelos actores Steve Martin e Alec Baldwin. Claro que será o tema principal das Fitas do Mês de Março.

Mas há outros Festivais como  a 60ª edição do emblemático Festival de Berlim que decorreu de 11 a 20 de Fevereiro, com a apresentação de mais de 400 filmes. Entre os inúmeros prémios, destaco O Urso de Ouro para Melhor Filme atribuído à obra turca Bal ( Honey), de Semih Kaplanoglu e o Urso de Prata para Melhor Realizador a Roman Polanski pelo filme The Ghost Writer.

No dia 14 realizou-se a 24ª edição dos Prémios Goya, importantes galardões do cinema espanhol. O principal vencedor foi o filme Celda 211, de Daniel  Monzón que conquistou oito prémios, incluindo os de Melhor Filme e Melhor Realizador.

No que respeita aos Prémios BAFTA da Academia de Cinema Britânico , cuja cerimónia realizou-se no dia 21, os grandes vencedores ( arrecadaram seis prémios) foram a realizadora Kathryn  Bigelow e Estado de Guerra, Carey Mulligan (Uma outra educação), Colin Firth  (Um homem singular) e Christopher Waltz (Sacanas sem lei), que ganharam nas respectivas categorias.

Quanto às estreias, o mês foi marcado pela excelente obra ( muito aclamada e favorita na corrida aos Óscares) Precious, de Lee Daniels. Este  emocionante filme ( adaptação de uma obra de Sapphire)  teve como produtora executiva Oprah Winfrey  e, merecidamente, tem sido muito apreciado pela crítica e pelo público .

Outro candidato aos prémios da Academia é Um homem sério, dos irmãos Joel e Ethan Cohen. É uma  comédia negra que, de certeza, agrada aos inúmeros fãs desta original dupla de realizadores. Uma outra educação, de Lone Schervig,  também  tem   nomeações para os Óscares. A acção decorre  no início dos anos 60  tendo a actriz principal, Carey Mulligan, arrecadado vários prémios pelo seu promissor papel de jovem indecisa. Um homem singular, do estilista Tom Ford, é um  belíssimo drama  sobre a fragilidade da vida  e do espírito humano com nomeações para os Óscares , assim como O Mensageiro, de  Oren Moverman.

É claro que o mês também foi marcado pela estreia da comédia de Woody Allen, Tudo pode dar certo, pois já era tempo de se ver uma obra típica deste consagrado realizador.   Quanto a Homens que matam cabras só com o olhar,  de Grant Heslov, apesar do excelente elenco, não passa de uma comédia absurda. Da Noruega, veio a  curiosa comédia Norte de Rune Denstad Langlo, que venceu o Prémio da Crítica Internacional no recente Festival de Berlim. À procura do homem ideal é uma comédia de Richard Loncraine e, neste mês, veio mesmo a propósito a comédia romântica Dia dos Namorados, de Garry Marshall.

O grande realizador Martin Scorsese está presente com Shutter Island, uma intrigante obra  de suspense.

No género de terror, Lobisomem, de Joe Johnston, é uma  produção  inspirada no tema clássico do homem amaldiçoado que se transforma em lobisomem.

Os apreciadores futebol devem ver O meu amigo Eric de Ken Loach que faz contracenar  a lenda de futebol, Eric Cantona , num filme  que explora a paixão futebolística e a forma como ela pode inspirar quem vive situações problemáticas .

De aconselhar o filme de Claire Simon, Consultórios de Deus sobre histórias reais num centro de aconselhamento familiar.

Como sempre, há filmes de animação, Chovem almôndegas, de Phil Lord e Chris Miller  e A princesa e o sapo de John Musker e Ron Clements que,  com uma versão moderna de um conto clássico, tem batido recordes de bilheteira. De fantasia/acção Percy Jackson e os ladrões do Olimpo, de Chris Columbo.

No que respeita a documentários, destaca-se Bobby Cassidy, de Bruno Almeida, sobre o homónimo boxeur profissional e  The CoveA baía da vergonha, de Louie Psihoyos, nomeado para o Óscar de Melhor Documentário que relata uma perturbante e dura realidade que envolve golfinhos na ilha de Taiji, no Japão.

No que respeita a  outras notícias do mundo do cinema, é de anotar que de  11 a 21 de Março realiza-se a Monstra – Festival de Animação de Lisboa que comemora dez anos.  Nesta edição, entre as várias iniciativas, destaca-se a retrospectiva histórica do cinema animado português a propósito do Centenário da República.

Está a decorrer até 12 de Março o prazo de entrega de candidaturas para o Festival Internacional de Cinema Jovem em Espinho que se realizará entre 20 e 27 de Junho.

Ainda sobre o Fantasporto realiza-se uma extensão deste Festival no Auditório Municipal do Seixal nos dias 5, 6 e7 de Março com a exibição de oito filmes o que constitui  uma excelente oportunidade para quem não pode deslocar-se ao Porto.

No âmbito  do cinema fantástico e de terror vai decorrer uma iniciativa interessante  no Auditório do Pavilhão Municipal do Alto do Moinho que recebe nos dia 26 e 27 de Março e, ao longo de 24 horas, uma maratona de doze filmes deste género.

Profª Luísa Oliveira

Read Full Post »

Ler sempre me fascinou! Entrar em mundos fisicamente impossíveis e viver experiências inimagináveis são os principais ingredientes que me fazem, simplesmente,  ler.

Assim, dirigi-me à biblioteca, vasculhei as prateleiras e deparei-me com uma série de livros que eu adoro e que procurava há muito tempo –  Arrepios é o nome da colecção. Como o nome deve dar a entender, as histórias contêm passagens que deixam o meu coração aos saltos. Um livro recheado de suspense e mais suspense é o que mais gosto.

Desde a descoberta da série Arrepios, a ida à biblioteca passou a ser deveras assídua, normalmente depois da última aula do dia. Com o dedo, percorria os cerca de 20 ou 25 livros da série que estavam na estante. Parei num que me chamou mais a atenção. Um livro de capa verde acastanhada, com umas letras berrantes no topo – Arrepios; por baixo, em letras mais pequenas li: Pânico no acampamento. Dei uma vista de olhos ao verso do livrete, li o pequeno texto que lá aparecia. Interesse despertado, livro requisitado.

Meia dúzia de dias serviram para ler este brilhante livro, mas penso que nem meia dúzia de anos me farão esquecer o seu conteúdo. Este livro marcou-me devido ao facto de toda a aventura que se desenrolou ao longo das velhas páginas  não culminar no final que eu esperava. Para além de montes de suspense ao longo das páginas, o final ainda deu um toque mais especial a esta história fantástica. Um livro para nunca esquecer!

Nuno Pinto, 10ºB

Read Full Post »

O mês de Novembro foi marcado pela estreia da  aguardada e desejada  Lua Nova de Chris Weitz, sobre os amores e desamores de vampiros adolescentes  e que  atraiu muitos jovens (e não só) às salas de  cinema.  Ainda sobre vampiros (um tema que está na moda), está em exibição Circo dos horrores: o assistente do vampiro, de Paul Weitz.

No género de terror exibiram-se A maldição de Molly Hartley, de Mickey Liddell e Pandemia, de David e Alex Pastor.

Quanto a documentários, estrearam-se  os  portugueses  As ruas da amargura, de Rui Simões, que apresenta exemplos de percursos de vidas complicadas e Ne change rien, de Pedro Costa, sobre a cantora Jeanne Balibar. O polémico Michael Moore, com Capitalismo : uma história de amor, trata da crise financeira que começou em 2007, criticando também as medidas governamentais de estímulo à economia.

Um filme a não perder é Tetro, do cineasta clássico Francis Ford Coppola que, numa obra a preto e branco, faz a desmontagem das relações entre irmãos.

Destacam-se, também, o drama New York, I love you, de vários realizadores e com um elenco interessante,  o musical Step Up 2, de Jon Chu, o thriller de Rian Johnson, Irmãos Bloom, assim como a comédia dramática com lições de gastronomia Julie e Julia, de Nora Ephron, a partir da biografia da famosa cozinheira Julia Child  e representada pela fabulosa Meryl Streep. Os apreciadores de épicos de guerra podem assistir a O milagre em Sant’ Anna, de Spike Lee e James Mc Bride , sobre quatro soldados afro-americanos em Itália durante a 2ª  Guerra Mundial.  Interessante é a comédia Cliente , de Josiane Balasko, que teve antestreia na Mostra de Cinema Francês.

O mês também foi marcado pela estreia do filme catástrofe da temporada 2012, de Roland Emmerich, a partir de uma lenda da antiguidade baseada no calendário Maia que defende  que haverá um cataclismo  naquela data. No entanto, não passa de uma sucessão de efeitos especiais. Também de ficção científica mas com um cariz filosófico  é o magnífico  Moon – Outro lado da Lua, de Duncan Jones.

Como vem aí a quadra natalícia, é oportuno assistir a uma nova versão da obra homónima de Charles Dickens Um conto de Natal, de Robert Zemeckis .

Ainda sobre o Estoril Film Festival,  o cineasta grego Yorgos Lanthimos foi o vencedor do Grande Prémio com  o polémico filme Dogtouth que conta a história de uma família a viver nos arredores de uma cidade, numa casa-prisão, onde as crianças não têm contacto com o mundo exterior.

Quanto ao Cinanima 09, 33º Festival internacional de cinema de animação, que decorreu de 9 a 15 em Espinho, o Grande Prémio foi atribuído ao galardoado  Chris Landreth com  uma curta de onze minutos, The Spine, que apresenta a história de um casal em processo de interdependência e destruição.  O francês Logorama, de vários autores, recebeu o Prémio Especial do Júri e o Melhor Filme Português (Prémio António Gaio) foi atribuído a Nuno Beato com Mi vida en tus manos.

Sobre o mundo ( português) do cinema,  refira-se que o ABC Cineclube está a apresentar até 18 de Dezembro, na Sociedade Portuguesa de Autores, um ciclo intitulado  Filmes esquecidos. O interesse  desta iniciativa é o facto dos doze filmes não terem sido estreados nas salas.

Profª Luísa Oliveira


Read Full Post »

Com origem na tradição anglo-saxónica, o Halloween, ou Dia das Bruxas, tem vindo a ganhar destaque em Portugal, sendo já comum verem-se crianças disfarçadas a bater às portas da vizinhança na noite de 31 de Outubro com o costumeiro trick or treat (doces ou travessuras). Assim, tal como as luzes, as estrelas, a árvore constituem os adereços do Natal, o Halloween ilustra-se de abóboras iluminadas de sorrisos diabólicos, bruxas, esqueletos, fantasmas, morcegos…

Mas é também  uma boa oportunidade para aqueles que se assustam com a leitura porem um pouco à prova a sua coragem. E, como o Halloween também também se pode encontrar na nossa biblioteca , aqui fica uma sugestão de livros e DVDs que podem levar directamente das nossas estantes…

Bons sustos 😀

Este slideshow necessita de JavaScript.

Read Full Post »

479px-edgar_allan_poe_2 Edgar Allan Poe, nascido em Boston em 1809, é desde há muito considerado um dos principais precursores da literatura fantástica, de terror e policial.

Um romântico com uma vida curta e conturbada, como convinha a um romântico, deixou-nos poemas intemporais como O Corvo, traduzido por Fernando Pessoa, histórias policiais como Os Crimes da Rua Morgue (muito antes do Sherlock Holmes de Conan Doyle) ou contos perturbantes como A Queda da Casa de Usher, O Gato Preto ou O Poço e o Pêndulo, muitos deles contando já com diversas adaptações cinematográficas. Um autor de culto para muitas gerações nestes dois séculos que agora passam sobre o seu nascimento.

Read Full Post »