Feeds:
Artigos
Comentários

Posts Tagged ‘Mulher’

que este amor

Read Full Post »

8 março 2

Read Full Post »

muttitasking-4f44c335-1c85-4b1c-90fb-1cfc23429239

Read Full Post »

Read Full Post »

No séc. XIX, quando Edgar Degas pintou aquele quadro, não tinha, provavelmente, conhecimento de que, tão cedo, ninguém ousaria trazer a público um assunto tão sensível como esse que representou.

O próprio nome do quadro surge envolvido num certo pudor que ora oscila entre Violação, ora entre Interior, e cujo conteúdo aborda a violência no interior da casa, mais concretamente a violação sexual.

Este assunto, tabu, é único na sua obra – a profusão de bailarinas, os gestos, a leveza dos movimentos que retratou tantas e tantas vezes não fariam supor que algo tão denso manchasse o seu trabalho pictórico.

fig.1 - Degas

fig.1

No interior de um quarto há uma linha estrutural da composição que condensa em si toda a tragédia aí ocorrida. Uma figura feminina que fraqueja sobre um cadeirão e, no extremo da linha, um homem, um homem que impede a passagem. Em redor, um casaco masculino sobre a cama, um traço de sangue na colcha, uma peça íntima de roupa feminina sobre o chão e a aparente quietude do quarto suscitam no observador um estranho desconforto.

Degas dá visibilidade a este assunto nesta única obra, embora nunca tivesse sido exposta nem vendida enquanto o autor foi vivo.

Mais recentemente, Pilar Albarracín, uma artista espanhola, de Sevilha, apresenta um conjunto de narrativas, com técnicas que vão da fotografia à instalação e à performance, entre outras, que refletem sobre a vida da mulher na sociedade e o absurdo do dia a dia. Na série Diálogos imposibles representa umas facas bordadas a preto, sobre tecido branco, com uma pequenina mancha vermelha. Enquanto o bordado é tradicionalmente representado com motivos pueris, geralmente florais, aqui os motivos sugerem outras realidades que a autora quer desocultar.

fig. 2

fig. 2

Este tema da violência exercida dentro de casa é perturbador, não só pelo tema em si como também pelo lugar onde se encerra.

A casa é um ponto de referência na vida do ser humano, o lugar onde se constitui a família, a segurança, a intimidade, os sonhos.

Há muitos milhares de anos, quando o Homem se tornou sedentário, a necessidade de abrigo e de proteção dos animais selvagens e das intempéries deu origem ao aparecimento da casa. Era, inicialmente, um espaço coberto em volta de uma fogueira, mas o calor terá tocado corações e despertado consciências.

Aos poucos, ou por momentos, surgiram gestos, indícios de afeto que predispuseram a uma aproximação, ganhando o lugar nova importância, representando o sítio onde se alicerçam os afetos e onde os sonhos despontam. Surge a maternidade, a educação dos filhos e as práticas domésticas, são as mulheres que cuidam do fogo e se dedicam a atividades manuais e artísticas, são elas que conferem um poder natural à casa. A representação de pequenas estatuetas femininas desses primórdios do tempo fazem-lhe o elogio.

Desde esse tempo até à atualidade, a casa evoluiu, ganhou significados, contraditórios às vezes, pois se por um lado mantém presente a chama que, perante as incertezas e a dispersão do exterior, agrupa e estrutura o ser volátil que somos, por outro, tornou-se num objeto bem diferente, na forma de habitar, do tempo em que se nascia e morria na mesma casa e se assistia à presença inalterável do mesmo mobiliário e objetos. Hoje, a casa acompanha o desenvolvimento dos tempos junto com os seus moradores, sendo considerada um objeto onde se projetam desejos e fantasias, onde os eus se espelham e onde se procura obter um status que é inerente à casa que se possui, acreditando-se, assim, ser possível viver num invejável modelo de felicidade.

A decoração e os objetos, ao contrário dos que existiam em épocas passadas que eram simplesmente mantidos pela família numa continuidade de lembranças e de respeito aos antepassados, não têm ainda uma biografia constituída pela história dos percursos e dos seus proprietários, são peças de autor, originais, que promovem o status e o bom gosto dos moradores.

E, se nem todos conseguem atingir este patamar de satisfação, ele permanece como ideal de existência feliz.

Mas há casas, como houve em todos os tempos, sem coração que  são espaços ambíguos onde se desenrolaram e desenrolam episódios de violência.

Espaços que perderam a dignidade, onde a agressividade habita e se solta indiferentemente pelos espaços, mais ou menos ricamente decorados , casas encantadas que se tornam lugares de inquietação e horror, e às mulheres, que um dia sonharam ser princesas em casas de encantar, como as dos contos juvenis e das revistas ao lado de príncipes belos e valentes, o que lhes resta?

Rasgar o silêncio de algumas casas é o que faz Saint Hoax, um artista do Médio Oriente, que criou uma campanha Happy Never After, utilizando princesas da Disney como vítimas da violência doméstica.

Ou Alexsandro Palmobo, artista italiano, que lançou, igualmente, uma campanha No Violence Against Women, onde utiliza personagens de filmes de animação americanos para retratar o mesmo problema.

Ana Guerreiro

Fontes das imagens:

Read Full Post »

ng1078370Pessoalmente eu gostei bastante deste filme, pois trata-se de uma boa historia onde os acontecimentos são apresentados por ordem cronológica. O filme apela de modo claro aos sentimentos mais nobres de uma pessoa.

A mim tocou-me bastante pois, como normalmente todos os filmes românticos, este transmitiu-me uma grande lição de moral, lição esta que consiste em nunca baixar a cabeça pois o final de uma história pode ser o início de outra ainda melhor.

Neste filme nós presenciamos do outro lado do ecrã a vida amorosa e os problemas que Carter Webb enfrenta. Este jovem adulto depara-se com uma crise amorosa comum aos adolescentes, mas como este não teve uma vivência de “Playboy”, não se encontra assim preparado para enfrentar casos destes. Assim resolve atravessar esta fase da sua vida de uma maneira bastante curiosa e perspicaz.

Pronto para vivenciar o caso de uma vida a três?

 Maria Rodriguez, 11ºC

filme disponível na BE – localização: 8-3. NOM

Read Full Post »

Na sequência do Dia da Mulher, resolvemos dedicar um painel de divulgação temática, para a 1ª quinzena de março, do que temos na nossa biblioteca, ao Eterno Feminino, nas suas múltiplas dimensões e papéis: da emoção à política, do romance à  didática social, da ficção à História – em livro ou em filme. Mais um tema para uma Estante de sugestões aqui no Bibli.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Read Full Post »

Jane Austen 1775-1817

Jane Austen 1775-1817

Cumprem-se neste mês de Janeiro 200 anos sobre a 1ª edição de Orgulho e Preconceito, romance da escritora inglesa dos inícios do séc. XIX, Jane Austen. Numa época em que as mulheres da sua classe (a burguesia abastada) eram essencialmente um modelo de virtudes conjugais, orientadas para o governo da casa e para o domínio das “artes sociais”, Jane revelou uma curiosidade intelectual, uma capacidade de observação e uma ousadia artística muito distinta da maior parte das mulheres do seu tempo. No entanto, o preconceito e a necessidade de manter as aparências fizeram com que os seus romances (Orgulho e Preconceito foi o segundo, depois Sensibilidade e Bom-senso)  tivessem sido publicados anonimamente.

1ª edição de "Orgulho e Preconceito"

1ª edição de “Orgulho e Preconceito”

Retratando a sociedade em que viveu, com todas as suas contradições, dilemas morais, restrições sociais e afectivas, Austen construiu uma série de enredos e personagens que se revelariam um enorme potencial ficcional para uma nova arte que só surgiria quase 100 anos após a publicação da sua obra – o cinema.

Como mulher, para além dos constrangimentos do seu tempo, é ainda por muitos considerada uma pioneira artística de uma construção feminista que viria a ter o seu auge já no séc. XX. É nesta qualidade que um dossier do jornal El Mundo destaca a efeméride, com a publicação de uma entrevista imaginária com autora, juntamente com informação bibliográfica da obra, contrastando o contexto e papel social das mulheres dos romances de Austen com a realidade feminina do séc. XXI. A merecer uma visita.

Fernando Rebelo

clique para aceder ao dossier do "El Mundo"

clique para aceder ao dossier do “El Mundo”

Read Full Post »

Dia 8 de Março a turma do Técnico de Turismo vai realizar uma atividade para comemorar o Dia da Mulher: vão ser distribuídas flores a todas as mulheres da escola – contamos convosco!

Ana Paula Pereira

Read Full Post »

Read Full Post »

Durante muitos anos, a mulher foi vista como um ser humano inferior aos homens e sofreu imensas afrontas, violências e discriminações. A mulher já foi considerada por muitos escritores e até filósofos como um ser que nem alma possuía. Os anos passavam e a retaliação contra a mulher a desprovia de quase todos os privilégios, restando-lhe apenas as responsabilidades, entre elas, o cuidado com a casa e com os filhos. Quando trabalhavam, ganhavam imensamente menos do que os homens.

Mas em 1857, um grupo de operárias de uma fábrica têxtil em Nova Iorque, reivindicaram a redução do seu horário de trabalho de 16 horas por dia para 10 horas. Estas operárias recebiam um ordenado bem menor do que o dos homens. Como consequência, foram fechadas dentro da fábrica, onde se declarou ter havido um incêndio, em que cerca de 1.300 mulheres morreram queimadas, vítimas de mais esta retaliação. Morreram com um grito que talvez nunca alguém tenha ouvido: “Independência ou morte”. Uma frase, que embora sem nenhum som, ecoou nos séculos posteriores.

Felizmente, no século em que vivemos há uma incessante luta pela conquista dos mesmos direitos entre homens e mulheres (igualdade na educação, no emprego, no salário, no direito ao voto, etc). Grande parte desta “emancipação da mulher” se deve às alterações do código moral e social na sociedade no séc. XX, principalmente depois da Primeira Guerra Mundial.

No que diz respeito às religiões e imensas seitas, as mulheres também sofrem com o preconceito, não podendo assumir os mesmos cargos que muitos homens. No Islamismo, por exemplo, existe uma submissão cega ao homem. A Maçonaria também não aceita mulheres como seus membros. Na Igreja Católica, ainda hoje, a mulher não pode exercer o papel sacerdotal. Em algumas igrejas Evangélicas, por exemplo, a mulher porém já pode ser pastora e exercer os mesmos cargos que o homem, contrariamente a outras mais tradicionais onde ainda existe esta segregação entre homem e mulher.

O processo de direitos/liberdade da mulher (e do ser Humano), está evoluindo muito lentamente. Podemos dizer que o século XX foi um dos piores séculos da história da Humanidade: é como se o mundo tivesse retrocedido neste período, em termos de segregação, perseguição e injustiças, dentre muitas outras coisas. Neste período turbulento na história da Humanidade, a mulher foi ganhando seu espaço na sociedade e seus direitos/liberdades foram evoluindo, no meio dos movimentos, revoluções, guerras e com as mutações na estrutura social e nos costumes. Podemos dizer que a mulher foi “marcada” e “machucada” com o tempo.

Em pleno século XXI, ainda existem países em que a mulher ainda não tem nenhum direito, elas apenas fazem o trabalho de casa e servem para procriar ou são vistas somente como símbolo sexual. Mulheres que nos educam, e educaram muitos homens bem sucedidos, ainda hoje, não podem assumir os mesmos cargos que eles.

À medida que as mulheres foram conquistando o seu lugar e consequentemente, seus direitos e privilégios, e não mais apenas responsabilidades, elas provaram ser imensamente versáteis e habilidosas, podendo ao mesmo tempo ser mães, amigas, esposas, namoradas, professoras e apesar de tudo isto, ainda podem ser mulheres: femininas, modernas, vaidosas, bonitas e inteligentes.

Essas mulheres “guerreiras”, mesmo nos meios onde ainda há algum preconceito, continuam “firmes e fortes”, acreditando nos seus ideais, planos e propósitos. Hoje temos mulheres que são grandes personalidades como Angela Merkel, a Rainha Isabel II, Condoleeza Rice, Hillary Clinton, Oprah Winfrey, Tyra Banks, Angelina Jolie, entre muitas outras.

Pelo facto de reconhecer o imenso valor das mulheres e como um acto de gratidão, resolvi escrever, homenageando-as no seu dia. Às mulheres, que são mães, amigas, esposas, médicas, filhas, secretárias, advogadas, professoras, etc., o meu “muito obrigado”.

A história pode não ter sido benevolente com elas mas, apesar de tudo, nós amamos essas mulheres que nos educam, que nos criam, que nos amam, que namoramos, que dedicam a sua vida às nossas, que lutam pelos seus ideais, que acreditam que apesar de tudo, um dia, vamos viver num mundo melhor. Parabéns Mulheres!

Luiz Monteiro, 10ºE

Read Full Post »

Damos início a uma nova rubrica assinada pelo Luiz Monteiro do 10º E, que tem apetência pela escrita sobre temas sociais, pelo levantar de questões ligadas com os esterótipos, conflitos, ideias feitas na comunidade global em que vivemos. Desta forma, ele propõe-se abordar, desde o seu ponto de vista, conceitos sem preconceitos – e assim se vai chamar esta rubrica, que por opções editoriais, mantém as marcas da norma do português do Brasil sempre que o autor a utilizar.

…………………………………………………………………………………………………………

Metrossexual é o homem do século XXI – Mas para você o que é um Metrossexual? Um homem vaidoso? Um homem fútil? Um homem que se diz homem mas no fundo é “gay”? Bom, Metrossexual é um homem que se cuida (não em excesso), ele quer sempre estar na moda, nos eventos badalados, uma pessoa elegante que sabe se posicionar diante das situações, que cuida do corpo, que marca sua identidade também pela aparência, que gosta de roupas da moda (o Metrossexual não precisa necessariamente de usar roupas de moda, mais ele pode ter todos os outros requisitos), ele é simultaneamente o homem da metrópole e heterossexual. O termo surgiu em 1994 e popularizou-se  no final do século XX, tendo o jogador David Beckham como símbolo da “vaidade” masculina.

Por que razão muitas das vezes o homem Metrossexual é confundido com o gay? Ser gay implica opções/tendências de vida muito mais profundas e distintas. Por isso surge o preconceito. Porque a sociedade ainda tem tanto preconceito contra os Metrossexuais? Vamos lá saber a verdade: você prefere um homem todo arrumado, bem cuidado, unhas feitas, sobrancelha limpa, depilado (e também a depilação masculina é uma questão até mesmo de higiene pessoal), com o cabelo arrumado, e com o corpo bem cuidado ou barrigudo, careca e com a unha do pé encravada? Para mim, algumas pessoas ainda tem o pensamento que o homem deve ser barrigudo, não se deve preocupar com a aparência, apenas com o trabalho e com a família. Bom as mulheres finalmente conseguiram se tornar mais independentes agora elas cuidam da casa e dos filhos mais também trabalham, quantas mulheres hoje são os homens da casa? Se as mulheres conseguiram se libertar porque os homens não podem? E também quantos homens hoje são as donas de casa? Muitas mulheres hoje saem para trabalhar e o homem fica cuidando da casa, então a mulher que ganha mais do que o homem é mais poderosa do que ele?

Está na hora de nós deixarmos de lado o preconceito. Porquê uma mulher quando faz o “trabalho de um homem”  é pioneira e quando o “homem faz o trabalho de uma mulher” ele tem de ser forçosamente gay? Porquê, se as mulheres dormem com junto com uma amiga, elas não são homossexuais, e se um homem dorme com um amigo ele é gay? Porque uma mulher pode usar o azul e o rosa e o homem só o azul? Hoje já existem salões de beleza só para os homens, clinicas de depilação só para os homens, revistas para o universo masculino, o “dia do noivo”, e a indústria de cosméticos está cada vez mais investindo no universo masculino.

A Metrossexualidade representa o homem do séc. XXI e já é uma realidade. Não podemos ter preconceito, não só contra os Metrossexuais, mas, também contra qualquer pessoa que fuja aos padrões maioritários impostos pela sociedade. Num mundo globalizado, em que cada vez mais temos contacto com diferentes pessoas, oriundas de diversas nacionalidades, com diferentes contextos sociais, pensamentos, religiões, temos de respeitar toda essa variedade de tribos, raças, pensamentos, religiões, mesmo que não concordemos com os as suas crenças ou ideais. Se gostar é uma opção, respeitar é, sem dúvida, um dever.

Luiz Felipe Monteiro, 10ºE

Read Full Post »