Feeds:
Artigos
Comentários

Posts Tagged ‘Land Art’

Andy Goldsworthy

Andy Goldsworthy

Apenas uma das muitas deambulações de Andy Goldsworthy pelo planeta em busca da sua obra leva-o a deixar a sua marca artística desde o Pólo Norte, à Austrália, ao Japão. O que procura este artista que declara “I need the land” (preciso do lugar)? Perceber a essência de um determinado ambiente, capturar a sua energia, a sua seiva, e materializar essa captura numa intervenção – esta é a narrativa que subjaz ao gesto de Andy Goldsworthy.

O artista  parte de três premissas, o tempo, a mudança e o lugar, e busca a colaboração com a natureza e os seus movimentos cíclicos: crescimento, transformação, decadência, erosão, deterioração, aparecimento,  desaparecimento,  durabilidade, permanência.  E de quê? De pedras, da terra, de lamas e lavas, do mar, dos rios, das folhas e ramos, do gelo e da neve, da luz, e também da atmosfera, da paisagem, da forma e do recorte do horizonte que são igualmente fatores inseparáveis do seu trabalho. A ideia é: tudo na natureza é transitório, o seu gesto também.

Andy Goldsworthy, inglês nascido em 1956 em Cheshire, atualmente a viver na Escócia, é hoje considerado um dos mais criativos e bem-sucedidos artistas a trabalhar na tradição do movimento da Land Art. Esta corrente, que alcançou Goldsworthy north polevisibilidade nos EUA nos finais dos anos 60, com as grandes intervenções nos desertos da Califórnia e montanhas do Nevada e Arizona, virou costas às paredes das galerias e dos museus. Esta opção pelo planeta como meio de expressão tem a ver com a emergência do novo culto da natureza trazido pelas preocupações ecologistas, mas também, entre outros fatores, com o cansaço provocado pela excessiva despersonalização das propostas minimalistas, quase hegemónicas na arte contemporânea da altura. Nas suas obras, que diz pretenderem ir direitas ao “coração da natureza”, utiliza técnicas variadas, desde as mais minimalistas e minuciosas, às mais intrusivas, realizando instalações em espaço aberto, muitas vezes em locais recônditos e de difícil acesso. As ferramentas que utiliza com mais frequência são as mãos, eventualmente recorre a outros  utensílios, que inventa  recolhendo  da natureza. Sendo trabalhos efémeros, sujeitos à degradação, é o registo fílmico ou fotográfico que os eterniza (e os transporta para o gallery system, ou seja, para o mercado das artes).

Andy Goldsworthy considera-se um artista do ambiente (environmente artist) e para ele a arte é um processo contínuo e reflexo (“sempre que possível faço um trabalho por dia”), que resulta da sua busca e encontro com a paisagem. Encontro nem sempre profícuo, nem sempre fácil, por vezes fortuito. Percorre o mundo para o fazer, permanecendo por vezes bastante tempo no mesmo local. O ver, o tocar, assim como o lugar em si, o próprio tempo, a atmosfera, a forma e o recorte do horizonte são todos fatores inseparáveis do trabalho. “O lugar encontra-se caminhando, a direção é determinada pelo tempo e pela estação do ano. Agarro as oportunidades que cada dia oferece: se está a nevar, trabalho com neve, no outono com folhas, no inverno com ramos, A alguns lugares volto mais vezes, vezes sem conta, indo mais ao fundo – uma relação em camadas, que perdura no tempo”.

captura-de-pantalla-2012-05-13-a-las-11-39-09No entanto nem sempre o artista sabe o que procura, o que quer fazer, e por vezes, depois de uma busca infrutífera, a oportunidade acaba por se revelar de forma quase óbvia. Impõe-se então de forma intuitiva, já lá estava, não só o local e o material em si, mas também o processo que envolve a sua transformação, assim como a sua envolvente, aquilo que chama o espaço exterior tornado visível, e que é parte indissociável do trabalho. Cria-se então uma imagem definida na confusão de impressões que emanam de determinada paisagem. Esta imagem, que se traduz numa transformação, resulta da atividade mental do artista que declara querer ir “mais além da superfície”.

A sua intenção porém não é deixar uma marca na natureza, mas apenas com ela colaborar, criando uma nova perceção, perceção essa que será depois deixada ao seu destino. Acontece o seu trabalho ser levado ao limite do seu próprio colapso, e não poucas vezes, repetidamente; a obra será conseguida quando se sustentar. A arte é então a beleza desse equilíbrio, ainda que transitório e fugaz.

Cristina Teixeira

Bibliografia:

HOLLIS, Jill, CAMERON, Ian. (1990) Andy Goldsworthy: “A Collaboration with Nature”, New York: Harry N. Abrams Incorporated; Andy Goldsworthy, “Time”

Fonte das imagens: daqui, daqui e daqui   – mais imagens aqui

Read Full Post »