Feeds:
Artigos
Comentários

Posts Tagged ‘Homofobia’

Eu escolhi este tema porque é um assunto bastante polémico e delicado na sociedade, principalmente com lei do casamento gay e a visita do Papa a Portugal, que no seu discurso falou sobre o casamento homossexual.

Muitas vezes, quando as pessoas fazem alguma coisa que dentro dos nossos valores consideramos incorrecto temos a tendência para acharmos que temos o direito de julgá-las e exclui-las da sociedade. Eu admiro algumas pessoas que lutaram para um mundo melhor, como Milk, o primeiro político gay assumido nos Estados Unidos (San Francisco) e que provocou uma verdadeira revolução no movimento. Mesmo pertencendo a uma sociedade que achava que a homossexualidade era uma doença, ele foi contra tudo e todos e contribui para um mundo melhor, onde graças, não só a ele, mas ainda a muitas outras pessoas como ele, que tiveram coragem de enfrentar suas famílias, amigos e a sociedade, podemosm agora começar a desfrutar dessa liberdade. Quantas vidas terão de se sacrificar para gozarmos de uma verdadeira liberdade? Porque no mundo em que vivemos podemos dizer que existe um falso conceito de liberdade: o mundo ainda tem de percorrer um caminho para se libertar do machismo, racismo, homofobia, xenofobia, entre outras coisas – mas, apesar de ser um processo muito lento, vamos chegar lá!

Todos somos cidadãos e temos direito de liberdade de escolha. Os artigos 18º e 19º da Declaração Universal dos Direitos do Homem, assegura que todas as pessoas têm direito à liberdade de pensamento, opinião e expressão. Isso não se aplica só à homofobia. Ninguem pode dizer que uma pessoa é mais ou menos cidadão pela sua cor, etnia, raça, opção sexual, pensamentos, religião, etc.  Embora muitas vezes nós não concordemos com o que essas pessoas fazem ou com seu estilo de vida, temos de respeitá-las.

Muita gente sofreu e morreu às mãos da Inquisição, ou do Nazismo acusada de homossexualidade. No século XX a homossexualidade era considerada uma doença, distúrbio ou perversão. Em 1973, a homossexualidade deixou de ser classificada como tal pela Associação Americana de Psiquiatria e, na mesma altura, foi retirada da classificação internacional de doenças. Em 1991, a Amnistia Internacional passou a considerar a discriminação contra homossexuais uma violação aos direitos humanos.

A Holanda foi o primeiro país na Europa a legalizar o casamento homossexual em 2001, depois foi a Bélgica (2003), a Espanha (2005), o Canadá (2006), a Noruega (2009), a Suécia (2009) e nos EUA só alguns dos estados aceitam o casamento homossexual (New Hampshire, Connecticut, Vermont, Maine, Lowa e Massachusetts). A África do Sul foi o único país a legitimar o casamento gay (2006), num continente em que a maioria dos países tem leis que penalizam a homossexualidade.

Em Portugal, no dia 8 de Janeiro de 2010 a Assembleia da República ratificou, com 126 votos a favor, 97 contra e 7 abstenções, o casamento civil entre pessoas do mesmo sexo, com exclusão da adopção. No dia 17 de Maio o presidente da república promulgou a lei.

O Papa Bento XVI apontou nesta semana que esteve em Portugal, o casamento homossexual como uma ameaça “insidiosa” à sociedade, pedindo implicitamente que os portugueses se mobilizem contra o projecto de lei que legaliza o casamento gay no país.

Nós queremos contribuir para um mundo melhor? Num mundo globalizado, em que cada vez mas temos contactos com mais pessoas provenientes de diversos contextos e nacinalidades, temos que apreender a respeitar todos os tipos de pessoas, com suas religiões, orientação sexual, forma de pensamento, etc. Se nós desrespeitarmos essas pessoas não estamos contribuindo para um mundo melhor, por que estamos contribuindo cada vez mais para a segregação das minorias.

Hoje já temos grandes personalidades que “sairam do ármario”, sendo o caso mais recente é o do cantor latino-americano: Rick Martin, que mesmo depois disso continuam  sendo um fenômeno de popularidade.

Geralmente, a sociedade discrimina algumas pessoas que exercem um determinado tipo de profissão, como por exemplo os cabeleireiros, maquilhadores e outras profissões. A sociedade pré-determina a opção sexual das pessoas pela sua profissão – porém, existem muitos cabeleireiros que são heterossexuais, e existem muitos outros profissionais que são homossexuais, independentemente da profissão que desempenham. Um coisa todos  têm em comum: todos  são cidadãos, independentemente da sua opção sexual ou profissão;  têm os mesmos direitos e dignidade que qualquer outro cidadão.

Então, podemos chegar à conclusão que não podemos julgar as pessoas pela sua opção sexual:  só porque uma pessoa é homossexual, não significa que ela tenha uma vida promíscua ou que não tenha carácter. Por que existem pessoas boas e más em todos os lugares do mundo e em todas as castas da sociedade.


Luiz Monteiro, 10º E

Read Full Post »