Feeds:
Artigos
Comentários

Posts Tagged ‘Escultura’

Em 2009 as notícias, com origem no gabinete do então 1º Ministro José Sócrates, anunciavam, triunfantes, o próximo estabelecimento na Comporta de um dos mais considerados e internacionais artistas contemporâneos, o alemão, Anselm Kiefer. A exclusiva e cosmopolita faixa do litoral alentejano receberia em breve a “floresta cultural” que, deslocalizada de França, abrilhantaria o pacato sítio e, sobretudo, o governo socrático, responsável pela fixação em território nacional do “grande criador mundial”.

Red Sea

Red Sea

Anselm Kiefer, nascido em 1945, é o segundo artista vivo a integrar as coleções permanentes do Museu do Louvre (o primeiro foi George Braque, há cerca de cinquenta anos atrás), facto que por si é elucidativo do reconhecimento deste artista neoexpressionista. Polivalente, Kiefer foi também o autor escolhido pela França, país onde se fixou nos últimos anos, para criar e encenar a obra comemorativa dos 20 anos da ópera da Bastilha em Paris. Premiadíssimo, representadíssimo, e muito controverso, o artista costuma passar férias na Comporta onde possui uma propriedade. Depois de 14 anos a trabalhar num espaço com 100 hectares em Brajac (sul de França), onde estava instalado o seu ateliê, “La Ribaute”, mudar-se-ia então com a sua parafernália artística para o “Vale Perdido”, nome da herdade alentejana onde se iria fixar. Dadas as características algo “dramáticas” do seu trabalho, que podem transformar, ou mesmo escalavrar, a paisagem, e visto o espaço ser rural e protegido, foi necessário a execução de um Plano de Intervenção em Espaço Rural, plano que as autoridades competentes, o Município de Alcácer do Sal e a CCDR do Alentejo entre outras, ficaram de apreciar. E é tudo, ou melhor, e foi tudo. Ao que sabemos, Kiefer trabalha ainda em França, mas agora numa zona da periferia de Paris. O que correu mal para ter sido frustrada a tão badalada mudança? Falta de patriotismo do Grupo Espírito Santo, proprietário da Herdade da Comporta? Falta de visão estratégica da Câmara de Alcácer? Da crise, que já alastrava? É bem verdade que a concorrência é agressiva, e os franceses sabem bem  quanto vale a arte. A “floresta cultural” de Brajac, um site specific que marca indelevelmente o espaço da França meridional, é agora um polo do Museu Guggenheim.

Anselm Kiefer

Anselm Kiefer

A intensidade é o traço definidor da obra deste artista plástico – pela dimensão das obras, desmesuradas, pela variedade de suportes, telas, fotografias esculturas, assemblage e instalações, compondo um todo coerente de dimensões gigantescas; pelos materiais, de natureza orgânica, como a terra, as palhas, os cacos e as cinzas, ou minerais, como as placas de chumbo e doutras ligas, por vezes incandescentes, ou ainda o betão, o vidro ou o espelho; e também pela sua dimensão conceptual, narrativas épicas de conteúdo mitológico ou esotérico. Tudo isto produzido à custa do trabalho de equipas numerosas, que manejam retroescavadoras, helicópteros, guindastes, picaretas e também pincéis (mais das vezes na variante vassoura, mais adequadas ao tamanho das telas). Os seus ateliês assemelham-se a estaleiros de obras intermináveis, onde, quer em longos túneis ou em construções distorcidas, as “florestas” mobilizam os densos temas da mitologia teutónica, da mitologia bíblica e sobretudo da cabalística, estas últimas muito polarizadas na figura de Lilith.

 Neste “apocalipse segundo Kiefer,” o artista é uma espécie de senhor do universo, com tanto de Vulcano (ou Hades), como de Neptuno ou Júpiter, que diligentemente vai compondo submundos, em tons de cinza e ocre, que tanto contrastam com o verde da paisagem rural em que se inserem. A atmosfera fria da “floresta cultural” incomoda. Imaginem-se 110 camiões com material pesado e variado, fólios (livros) de chumbo com 300kg, sobre os quais se deixam cair elementos metálicos de várias toneladas que os deixam amarrotados e inertes na paisagem. Imagine-se uma infinidade de câmaras subterrâneas iluminadas pontualmente através de fendas estrategicamente perfuradas, imaginem-se escadas para sítio nenhum e estruturas como a Torre de Pisa, de equilíbrio instável, esventradas e desabitadas.  Não há dúvida – em Kiefer o sentido do caos coexiste com o da composição.

Nas suas composições o passado confronta-se com o presente e também com o futuro, confronto profeticamente resumido na frase bíblica “Over your cities, grass will growth” (A erva crescerá sobre as vossas cidades), título de um documentário de Sophie Fiennes sobre a sua floresta cultural em Brajac.

overyourcitiesgrasswillgrow

over your cities grass will grow

Kiefer assume-se como artista alquímico, visto que é essa pratica que evoca ao trabalhar com metais e fornalhas – tenta extrair espírito da matéria. Para a alquimia, o chumbo é dentro dos metais o elemento mais baixo, por isso para Kiefer ele é a alegoria do humano, matriz impura e ambígua que, partindo do mais baixo nível, pode contudo transformar-se e alcançar patamares mais elevados, talvez até o ouro.

Margarete (Kiefer 1981)

Margarete (Kiefer 1981)

História e identidade germânica, tragédia e redenção, são os temas mais presentes em Kiefer, pelo que o Holocausto não pode deixar ser o tema central na sua obra, tema que de forma arrojada, mas também ambígua, foi dos primeiros a abordar no pós-guerra alemão. Para isso inspirou-se na obra lírica e hermética de Paul Celan, poeta neossimbolista, filho de judeus de língua alemã mortos em campos de extermínio nazis, dos quais o próprio conseguiu fugir. A obra mais célebre de Kiefer, Margarete, é inspirada no poema TodesfugeFuga da Morte, de Pau Celan, uma alusão ao Holocausto.

Para já o Alentejo não experimentará os processos criativos deste artista alquímico. Ficaremos sem saber como seria a floresta cultural versão Comporta, como conviveriam Brunildas e Siegfrieds com os seus cálidos pinhais e arrozais.

Cristina Teixeira

imagens daqui, daqui, daqui e daqui

Read Full Post »

Brian Dettmer é um artista originário de Chicago que produz as suas peças escultórias a partir de suportes de diversos media não digitais, nomeadamente livros, fitas de VHS ou de cassetes de audio. Num mundo onde os media digitais vão eliminando quase todos os outros, os materiais recombinados por Dettmer, alguns já obsoletos como suporte documental, ganham um novo lugar, uma nova utilidade, dando outra visibilidade à sua extinção como espécies no mundo da comunicação.

site oficial de Brian Dettmer

Fernando Rebelo

Read Full Post »