Feeds:
Artigos
Comentários

Posts Tagged ‘Eça de Queirós’

Foram entregues na biblioteca, no Dia da Escola, pelos professores de Português do 11º Ano, os Diplomas de Mérito Photográphico Queirozeano, que distinguiram as 8 melhores fotos realizadas durante o roteiro em Sintra, já divulgadas em artigo anterior.

D0

 

Read Full Post »

No passado mês de março, o departamento de português organizou uma ida a Sintra, no âmbito do estudo de “Os Maias”, no 11ºAno, que incluiu, da parte da tarde, um roteiro fotográfico.

Os alunos, divididos em 26 equipas de 6-7 elementos,   tinham que realizar um percurso, sugerido pela ida de Carlos e Cruges a Sintra (cap.VIII), tirando fotografias indicadas no roteiro-guião.

O que se apresenta em seguida é o roteiro seguido pelos alunos e as 8 fotografias vencedoras.

sintra

Ponto de Partida  — Palácio da Vila (P. Nacional de Sintra)

Deixando o Terreiro da Rainha D. Amélia, com a serra pelas costas, seguimos para onde foi o famoso Hotel Nunes, que em 1980 deu lugar ao Hotel Tivoli.

castelo dos mouros 1

1ª FOTOGRAFIA — Cenário da Serra , visto do antigo Hotel Nunes.

Agora, andando de frente para a serra, passando o Paço à esquerda, o Central e o Paris à direita, saímos para a Praça da República seguindo em frente.

Continuamos a subir pela Rua Consiglieri Pedroso até ao famoso Hotel Lawrence, onde Carlos supunha que Maria Eduarda estivesse alojada.

«Defronte do hotel da Lawrence, Carlos retardou o passo, mostrou-o ao Cruges.

– Tem o ar mais simpático, disse o maestro.»

«Carlos não respondeu, os seus olhos não se despegavam daquela fachada banal, onde só uma janela estava aberta com um par de botinas de duraque secando ao ar. À porta, dois rapazes ingleses, ambos de knicker-bokers, cachimbavam em silêncio; e defronte, sentados sobre um banco de pedra, dois burriqueiros ao lado dos burros, não lhes tiravam o olho de cima, sorrindo-lhes, cocando-os como uma presa.»

 « – Isto é sublime! exclamou do lado o Cruges, comovido. “Sintra não são pedras velhas, nem coisas góticas…Sintra é isto, um pouco de água, um bocado de musgo… Isto é um paraíso.»

lawrence 4.jpg

2ª FOTOGRAFIA —  Uma janela do Lawrence’s onde se imagina que as botinas estivessem a secar.

Seguindo os sinais e passando o Largo Carlos França, vamos pela Av. Garrett. Respirem fundo que é a subir! O destino é Seteais, mas a meio caminho vai aparecer, à esquerda, uma romântica cascata e a famosa Quinta da Regaleira.

cascata 6.jpg

3ª FOTOGRAFIA —  A romântica cascata

A Quinta ainda não existia no tempo de Carlos da Maia, mas a sua beleza arquitetónica e paisagística é irresistível.

A Quinta da Regaleira foi mandada construir por António Monteiro, conhecido por “Monteiro dos Milhões”, que  chamou o arquiteto Luigi Manini para edificar esta singular Quinta, cheia de beleza e mistério, isto já no século XX.

regaleira 6

4ª FOTOGRAFIA — Quinta da Regaleira

 «Olha o Alencar! Oh! grande Alencar!… E vocês, que diabo? Para onde vão vocês com essas flores nas lapelas?

– A Seteais… Vou mostrar Seteais ao maestro.»

«Quantos luares eu lá vi!

Que doces manhãs d’abril!

E os ais que soltei ali

Não foram sete, mas mil!»

Cruges, porém, não teve a mesma sorte que nós, pois o Palácio teve obras recentemente.

«Mas, ao chegar a chegar a Seteais, Cruges teve uma desilusão diante daquele vasto reino coberto de erva, com o palacete ao fundo, enxovalhado, de vidraças partidas, e erguendo pomposamente sobre o arco, em pleno céu, o seu grande escudo de armas. »

«Cruges, no entanto, encostado ao parapeito, olhava a grande planície de lavoura que se estendia em baixo, rica e bem trabalhada, repartida em quadros verde-claros e verde-escuros, que lhe faziam lembrar um pano feito de remendos (…) O mar estava lá ao fundo, numa linha unida, esbatida na tenuidade difusa da bruma azulada.»

«No vão do arco, como dentro de uma pesada moldura de pedra, brilhava, à luz rica da tarde, um quadro maravilhoso, de uma composição quase fantástica, como a ilustração de uma bela lenda de cavalaria e de amor. Era no primeiro plano o terreiro, deserto e verdejante, todo salpicado de botões amarelos; ao fundo, o renque cerrado de antigas árvores, com hera nos troncos, fazendo ao longo da grade uma muralha de folhagem num relevo nítido sobre o fundo do céu azul-claro, o cume airoso da serra, toda cor de violeta-escura, coroada pelo Palácio da Pena, romântico e solitário no alto, com o seu parque sombrio aos pés, a torre esbelta perdida no ar e as cúpulas brilhando ao sol como se fossem feitas de ouro…»

SONY DSC

5ª FOTOGRAFIA — «No vão do arco, como dentro de uma pesada moldura de pedra, brilhava, à luz rica da tarde, um quadro maravilhoso…»

«Declarando que realmente era tarde para subirem à Pena.»

«- Agora o que tu deves ver, Cruges, é o palácio. Isso é que tem originalidade e cachet! Não é verdade, Alencar?…

Depois de tanta beleza, há que voltar ao Largo Carlos França, ao Palácio da Vila. Temos de fazer o  percurso inverso, mas, tal como Carlos da Maia, também nós iremos seguir agora pelas ruas tortuosas. Assim, após a Cascata, tomamos o sentido obrigatório, em direção à Rua da Fonte da Pipa. Sempre a descer continuamos pela Rua das Padarias até ao Palácio da Vila.

ruas tortuosas 1

6ª FOTOGRAFIA – Ruas tortuosas

«Olha não te esqueçam as queijadas!» (…)

«- E eu tenho de comprar as queijadas—murmurou Cruges.»

– Com mil raios! exclamou de repente o Cruges, saltando de dentro da manta, com um berro que emudeceu o poeta, fez voltar Carlos na almofada, assustou o trintenário.

O break parara, todos o olhavam suspensos; e, no vasto silêncio da charneca, sob a paz do luar, Cruges, sucumbido, exclamou:

– Esqueceram-me as queijadas!»

Não esqueçam, como o Cruges, as inigualáveis queijadas da Piriquita. No tempo de Carlos da Maia e de Cruges esta hoje famosa pastelaria não passava de uma simples padaria, mas a fama das queijadas de Sintra vai longe.

alegria 3

7ª FOTOGRAFIA – Pelo caminho, documentar uma expressão de alegria

«…Voltava do palácio com um ar murcho, fatigado daquele vasto casarão histórico, da voz monótona do cicerone mostrando a cama de S. M. El-Rei, as cortinas do quarto de S. M. a Rainha, «melhores que as de Mafra,» o tira-botas de S. A; e trazia de lá uma pouca dessa melancolia que erra, como uma atmosfera própria, nas residências reais.»

«E foi o que mais lhe agradou – este maciço e silencioso palácio, sem florões e sem torres, patriarcalmente assentado entre o casario da vila, com as suas belas janelas manuelinas que lhe fazem um nobre semblante real, o vale aos pés, frondoso e fresco, e no alto as duas chaminés colossais, disformes, resumindo tudo, como se essa residência fosse toda ela uma cozinha talhada às proporções de uma gula de Rei que cada dia come todo um reino…»

palacio da vila 6

8ª FOTOGRAFIA – «Este maciço e silencioso palácio, sem florões e sem torres[…] e no alto as duas chaminés colossais»

autor do texto: Dulce Sousa

autores das fotografias:

  • 1ª fotografia – Mariana, Bárbara, Jéssica, Beatriz Nabais, Gonçalo e André, 11ºC
  • 2ª fotografia – Beatriz Coutinho, Raquel Pereira, Marta Peres, Afonso Salgado, André Lopes, João Sousa, 11ºG
  • 4ª fotografia – Catarina Abreu, Madalena Monteiro, Ana Margarida Rodrigues, Sara Nascimento, Sofia Correia, 11ºG
  • 6ª fotografia – João, Tiago Batista, Frederico, Bernardo e Sofia, 11ºC
  • 7ª fotografia – Ana Rita Mariano, Margarida Pires, Margarida Fonseca, Sofia Oliveira, Maria Inês Garcia, Telma Caneca e Rafael Ribeiro, 11ºA

Read Full Post »

1507-1No conto “A Aia”, de Eça de Queirós, a Aia troca de berço o principezinho e o escravozinho (seu filho), acabando este por ser morto, e ela, por se suicidar.

Na minha opinião, o que a Aia fez foi de grande coragem e lealdade ao reino, pois não é toda a gente que sacrificaria o seu próprio filho para salvar o herdeiro do trono, mas, apesar disso, eu não concordo com a troca de bebés. Se eu estivesse no lugar da Aia, provavelmente teria fugido com as duas crianças. Sim, eu estaria a trair o reino, mas a meu ver, uma vida vale muito mais do que tudo isso, e se fosse necessário, abdicaria da minha própria vida para salvar a vida dos dois.

Tendo em conta a troca dos bebés, é normal que a Aia se sentisse culpada daquilo que tinha feito, porque tecnicamente, foi ela que matou o próprio filho. Assim que a Aia colocou o seu filho no berço do príncipe, ele ficou com a morte garantida.

Portanto, eu entendo que a Aia se tenha suicidado, pois a coisa mais preciosa que ela tinha era o seu filho, mas ele foi morto. Então, ela perdeu a vontade de viver e, com o sentimento de culpa, acabou por tirar a sua própria vida.

Ana Bárbara Gomes Rodrigues, 9.º B

A meu ver, a atitude da Aia, ao trocar os dois bebés, o príncipe e o escravo, não foi correta, nem o acontecimento que lhe sucedeu, que foi o suicídio da aia com o punhal de esmeraldas.

Acerca da troca de bebés, não concordo pois penso que ninguém tem o direito de escolher quem vive e quem morre, independentemente da classe social. Para além disso, na minha opinião, o amor de mãe deve ser superior a qualquer outro sentimento, como por exemplo, a lealdade. Um dos deveres da mãe deve ser o de proteger o filho.

Em relação ao suicídio, julgo que a Aia não agiu corretamente pois, como já referi anteriormente, ninguém tem o direito de escolher quem vive e quem morre, mesmo quando se trata da nossa própria vida. Do meu ponto de vista, o suicídio é um ato de cobardia. A aia suicidou-se pois não conseguia viver com as consequências da sua escolha.

Concluo, baseando-me nos argumentos por mim apresentados anteriormente, que não foi correta a atitude, da aia, de trocar os dois bebés de berço nem o seu consequente suicídio.

Tomás Silva, 9.ºB

a-aia-contos-ea-de-queirs-2-638

Eu não concordo com as atitudes da aia.

Não concordo com ela, porque, em vez de pôr o filho à frente de tudo e todos, quis proteger o filho da rainha, para o reino não desmoronar.

A meu ver, a aia nunca devia ter posto a vida do seu próprio filho à frente dos interesses do reino, pois afinal de contas, a aia era uma simples empregada que prestava os seus serviços ao reino.

Em relação ao suicídio, penso que a aia tomou a decisão errada, porque se ela, no início, colocava o reino à frente do seu pequeno “chocolatinho”, logo a seguir, ela espeta aquele punhal de esmeraldas no peito, ou seja, primeiro, queria salvar o reino do tio bastardo, mas depois, deixa o reino desfalcado, sem uma das suas mais leais empregadas. Na minha opinião, ela foi má para o filho e acabou por não ajudar assim tanto o reino.

Pelas razões supracitadas, condeno as atitudes da aia.

Tiago Fernandes, 9ºB

aia

Penso que o fim do conto “A Aia” foi demasiado dramático ou, por outras palavras, triste.

 Julgo que não era necessário a Aia morrer no fim, pois como já li vários textos, desde livros, banda desenhada, entre outros, esse tipo de final é aquilo a que chamamos de “cliché”. Quantas histórias já eu li que acabam assim! A meu ver, a Aia devia ser uma mulher jovem, por isso poderia ter tido mais filhos. Do meu ponto de vista, a Aia devia ter fugido com o seu filho e com o príncipe. Por muito leal que a Aia fosse, estar a sacrificar sangue do seu sangue é um pouco extremo, para mim.

Mas no fim de tudo, acho que o final é também adequado, pois a Aia salvou o seu príncipe, ao trocar os dois bebés de berço, e após isso, como ela acreditava na vida após a morte, matou-se para ir ter com o filho.

Sara Trigo, 9°B

Read Full Post »