Feeds:
Artigos
Comentários

Posts Tagged ‘Baixa’

Passeando pela ‘Baixa’ de Lisboa, constata-se que a cidade se ergue sobre sete colinas, que lhe conferem beleza e harmonia. Os edifícios são antigos, muitos deles recuperados através de Planeamento Urbano, apresentando um zonamento vertical ao nível das suas funções.

Os edifícios, para além de terem a mesma altura, têm a mesma organização:

     No piso térreo, (muitas vezes com arcadas), ou nos andares mais baixos, encontram-se as atividades que necessitam de maior contacto com o público e com o consumidor; estão patentes os serviços e o comércio vulgar e especializado (minimercado, loja de souvenirs, loja de roupa, café, restaurante, farmácia, bancos, ‘ateliers’ de alta costura, joalharias e ourivesarias, etc.);

     Nos andares superiores, observam-se as funções menos nobres ou que requerem menos contacto com o público;

       No 2º/ 3º/ 4º pisos, existem janelas de sacada, nos mais baixos e, nos mais altos, janelas de peitoril, (onde se encontram escritórios de empresas, tipografias, editoras, consultórios de médicos, consultórios de advogados);

     Nos últimos pisos é frequente encontrar apartamentos com preços bastante elevados (os apartamentos restaurados chegam a valer 1.000.000 Euros!), onde apenas habitam classes sociais com grande poder económico, ou uma nova classe social chamada de ‘yuppies’ – ‘Young Urban Professional’, (jovens/adultos bem sucedidos, que através das carreiras académicas e/ou profissionais, têm grande poder económico) ou, então, idosos, mas estes vivem em apartamentos que não foram restaurados e que se encontram bastante degradados ou, então, em prédios degradados e muito antigos.

Resumimos, assim, que um só edifício consegue concentrar em si, a função residencial, comercial e/ou industrial e administrativa, o que demonstra a grande funcionalidade e pragmatismo da área da cidade reconstruída por Pombal e, agora, denominada de ‘Baixa’.

Feiras de ruaTambém existem áreas do CBD onde podemos verificar que existe uma maior concentração de serviços lúdicos e culturais (artistas de rua: músicos, malabaristas, artistas, teatro de rua, concertos, pintores, bailarinos, etc.), ou de hotéis, restaurantes, cafés e esplanadas.

Atividades como feiras, vendas e mercados de rua são frequentes na ‘Baixa’ de Lisboa.

Algumas das ruas no CBD foram encerradas ao trânsito e transformadas em ruas pedonais, para maior organização da área, facilitar a acessibilidade e revitalizar a cidade, atraindo população flutuante – aquela que se desloca ao CBD durante o dia, para trabalhar ou, simplesmente, fazer compras e/ou usufruir de um café ou esplanada, regressando ao fim do dia às suas casas.

Os acessos, no Chiado, são estritos em muitas ruas. Calçadas inclinadas recordam-nos que estamos numa das colinas de Lisboa!… Mas embora algumas das ruas tivessem sido cortadas ao trânsito (ex.: Rua Nova do Almada), para possibilitar a circulação de peões, existem, contudo, transportes, como o metropolitano (Estação: ‘Baixa Chiado’) e parques de estacionamento subterrâneos, para aqueles que se desejem deslocar-se no seu automóvel particular no CBD da cidade.

Todas estas atividades (maioritariamente do setor terciário), comerciais, de serviços e as funções raras, associadas a um tráfego intenso, entre outros fatores já referidos, fazem da área de Lisboa que visitámos, o chamado CBD da capital de Portugal.

E o que tem vindo a acontecer à dinâmica funcional da Baixa?

A verdade é que, nos dias de hoje, se constata cada vez mais uma alteração da dinâmica funcional do CBD, pois com o passar do tempo as funções vão-se alterando.

Numa primeira fase, houve uma grande substituição da função industrial e, posteriormente, da residencial pelo comércio e serviços e, atualmente, a tendência é a descentralização destas funções, que passam a exercer a sua influência em outras áreas da cidade.

Com a deslocalização de sedes e filiações de empresas e de outros serviços públicos do CBD para outras áreas da cidade, surgem as ‘Novas Centralidades’.

E porquê que isto acontece?

Devido, à especulação fundiária, que faz com que os preços imobiliários sejam muito elevados, devido ao congestionamento do centro, pois cada vez mais existem automóveis e escasso é o espaço para os poder estacionar e devido, posteriormente, a uma diminuição das acessibilidades ao centro, pois este encontra-se congestionado.

A população desloca-se do centro para a periferia da cidade, originando o processo de Suburbanização (ou para áreas periféricas para lá da coroa suburbana, originando o processo de Periurbanização), devido à fuga do ritmo intenso das cidades, da poluição ambiental e sonora e do elevado custo da Renda Locativa (custo do solo). A deslocação populacional é, também, acompanhada pelas atividades económicas, que se instalam em áreas periféricas, constituindo extensos subúrbios, que, posteriormente, ao ‘ganharem vida própria’, ascendem à categoria de ‘Cidade’.

As classes sociais de maior poder económico preferem adquirir, em áreas aprazíveis e mais distantes do centro da cidade, moradias de luxo, com piscina, jardim e ‘court ‘ de ténis, pelo mesmo preço que pagariam por um apartamento médio no centro de Lisboa.

Devido a estes fatores, a ‘Baixa’ sofre de estagnação económica e social. O decréscimo da densidade populacional e o aparecimento de ‘Novas Centralidades’, em outras áreas da cidade, como, inicialmente, nas Avenidas Novas e, posteriormente, no Parque das Nações e no Centro Comercial Colombo, contribuem para a estagnação do CBD de Lisboa.

Arriscamo-nos a dizer que, cada vez mais, a ‘Baixa’ tem concorrência e que, porventura, tenderá a perder a sua importância para outras centralidades. Aqui, surgem atividades como os tribunais – ‘Campus’ da Justiça, no Parque das Nações -, os hotéis – Myriad by Sana’, no Parque das Nações -, as sedes das empresas e os serviços – centro comercial, hospital, agências de viagens, cabeleireiros, arquitetura, advocacia, gestão, imobiliário, decoração, restauração, etc. – e atividades culturais, lúdicas, recreativas e de lazer – Pavilhão do Conhecimento, Oceanário, Teleférico, MEO-ARENA, Teatro Camões, Casino Lisboa, entre outras.

É pois, necessário continuar a implementar medidas de recuperação, reabilitação, requalificação e revitalização do centro da cidade – nomeadamente do CBD – para que o mesmo possa contribuir para a atração da população, do turismo e das atividades do Setor Terciário, dinamizando a economia do país.

 Beatriz Ferrão e Teresa Rosado, 11ºE 

(imagens originais das autoras)

Read Full Post »

Neste artigo, continuamos a descrever o CBD de uma cidade como Lisboa. Ainda se recordam do conceito de CBD? Vamos relembrar! O CBD das cidades (em inglês,“Central Business District”) é designado por Área de Negócios Central ou “Baixa”.

Após o terramoto de 1755, o Marquês de Pombal criou uma nova planta da cidade, inspirada nas novas cidades do Mundo Novo, ou seja, de características ortogonais (de ruas direitas, paralelas e perpendiculares, cruzando-se em ângulo reto) e edifícios da mesma altura.

A ‘Baixa Pombalina’ é, pois, a área do CBD de Lisboa mais organizada, devido à sua arquitetura, com ruas largas, paralelas e perpendiculares, características facilitadas por fatores de ordem natural (relevo plano). Uma área também importante do CBD é o Chiado, de relevo mais íngreme (estende-se por uma das colinas de Lisboa), em plena harmonia com o legado histórico da região.

Uma das medidas implementadas por Pombal, na reconstrução desta área da cidade de Lisboa, foi a diferenciação espacial, onde as ruas perpendiculares ao Tejo são denominadas conforme o ofício existente na mesma – sapateiros, ourives, correeiros, etc.

Visualiza-se, assim, a especialização das ruas: Rua do Ouro, Rua da Prata, Rua dos Sapateiros, Rua dos Douradores, Rua dos Fanqueiros, etc.

Em Portugal, devido ao passado histórico, os edifícios têm uma altura média de 4/5 andares e todos da mesma altura, não havendo discrepâncias entre eles.

A rede de transportes, ou seja, a acessibilidade é um dos principais fatores que confere à ‘Baixa’ um grande dinamismo funcional: autocarros e elétricos da Carris, parques de estacionamento subterrâneos e, muito próximos, os terminais dos transportes ferroviários e fluviais.

 E as funções governativa, administrativa e industrial?

 No Terreiro do Paço (ou próximo dele) é possível encontrar serviços associados ao governo e à administração pública (vários ministérios, Juntas de Freguesia e a Câmara Municipal de Lisboa – CML). Também é possível encontrar alguns restaurantes mais caros, focalizados para os turistas, pois a localização onde se encontram (Terreiro do Paço e debaixo das arcadas dos edifícios) é privilegiada e apreciada. Também é de relevar que no Terreiro do Paço podemos encontrar vários acessos, nomeadamente os transportes públicos, elétrico (antigo e moderno) e autocarros.

No CBD é, ainda, possível encontrar a função industrial, representada por ‘ateliers’ de alta-costura, joalharias e ourivesarias, topografias e gráficas e pela indústria da panificação (pastelarias e padarias). Estas indústrias localizam-se no CBD, devido à pouca necessidade de espaço, à não poluição, quer ambiental quer sonora e pelo facto de necessitarem de um contacto próximo com o consumidor.

No Chiado predominam as atividades culturais e de lazer: Igrejas e Museus (ex: Museu de São Roque), Teatro da Trindade, Teatro São Luís, Ruínas do Convento do Carmo, Teatro Nacional de São Carlos (Ópera), entre outros; livrarias com algum passado histórico (Bertrand, Sá da Costa), lojas de luxo (Hugo Boss, Hermès), comércio antigo e típico, comércio de retalho, ou comércio vulgar, muitas lojas de roupa e hotéis (Hotel Borges Chiado, Hotel do Chiado, Bairro Alto Hotel).

E a função residencial?

Estas (e outras) características do CBD da cidade de Lisboa serão enunciadas no próximo artigo: NÃO PERCAM!

Beatriz Ferrão e Teresa Rosado, 11ºE 

(fotos originais das autoras)

Read Full Post »

O que é o CBD de uma cidade?

O CBD das cidades (em inglês, Central Business District) é designado por Área de Negócios Central ou “Baixa”. Na maior parte das cidades estrangeiras, os emblemáticos arranha-céus dominam o CBD, como é o caso de Nova Iorque, do Dubai ou de Tóquio. Vejam, por exemplo, o CBD de uma grande cidade: NOVA IORQUE!

E Lisboa? Fomos descobrir a “Área de Negócios Central” da nossa capital!

Assim, ao visitarmos o CBD de Lisboa pudemos conhecer, compreender e aprofundar, in loco, os conteúdos programáticos adquiridos, não somente na disciplina de Geografia A (com o aprofundamento de matérias dadas, como a população, os serviços e comércio, as características das cidades), mas, também, nas disciplinas de Português (com o estudo do Sermão de Sto. António e a importância da retórica e das igrejas) e de História (com as reformas na cidade de Lisboa pós-terramoto de 1755, feitas pelo Marquês de Pombal).

O que se pode encontrar no CBD?

Esta área é a mais importante de toda a cidade, que atrai visitantes e os próprios citadinos, devido à elevada concentração de serviços e de transportes. O CBD da cidade de Lisboa ou ‘Baixa’ tem uma intensa atividade comercial. Neste espaço da cidade, podemos encontrar maioritariamente atividades do Setor Terciário: serviços, restauração, espaços de cultura, hotéis, estabelecimentos comerciais, companhias de seguros, escritórios de advogados, sedes de grandes empresas, escritórios, teatros, museus, lojas, sedes e instalações bancárias (Caixa Geral de Depósitos, Banco de Portugal, BBVA, Banco Popular, Banco Espirito Santo), muitas esplanadas, cafés, gelatarias, quiosques de jornais e revistas, ourivesarias e joalharias, estas últimas ligadas às áreas especializadas da cidade, como iremos referir.

O comércio, ou seja a função comercial, satisfaz todas as bolsas, necessidades e caprichos. Encontramos atividades comerciais, desde o comércio vulgar ao comércio especializado e aos bens raros. O comércio predominante na “Baixa” é o comércio retalhista, onde existe a venda de bens diretamente ao consumidor e em quantidades limitadas.

O comércio vulgar é composto por lojas de souvenirs, lojas de roupa denominadas comuns (Zara, H&M, Bershka,  Mango, Stradivarius), mini mercados (Amanhecer, Minipreço, Pingo Doce), etc.

Para além do comércio vulgar, o CBD de uma cidade concentra, também, comércio de luxo, e a “Baixa” de Lisboa não é uma exceção! Em mais de 1,5 km, encontram-se as lojas mais conceituadas e luxuosas da cidade, com produtos bastante caros, como são exemplos a Gucci, a Prada e Marc by Marc Jacobs.

O comércio especializado também existe na “Baixa”, em lojas ou bancas que oferecem um determinado tipo de produto muito especializado, onde este raramente se pode encontrar comumente, como em centros comerciais. Engloba lojas com um determinado produto apenas existente naquela área da cidade, dirigido para um público-alvo, muito específico, apreciador ou necessitado deste tipo de produtos. Exemplos deste tipo de comércio são as lojas especializadas em conservas tradicionais portuguesas como o exemplo da célebre Conserveira de Lisboa, lojas de instrumentos musicais, com instrumentos caros e bastante difíceis de serem encontrados, como o exemplo da loja Violino, padarias típicas portuguesas, ou livrarias. Exemplos ainda mais ilustrativos de comércio bastante especializado são lojas que pudemos observar na “Baixa”, uma de cosmética biológica e, outra, uma padaria biológica.

Outro tipo de comércio encontrado na “Baixa” é o comércio de bens raros. Este como o nome indica vende bens difíceis de encontrar, com grande valor histórico e cultural e, claro, como tudo indica, de grande valor monetário. Neste tipo de comércio encontramos os alfarrabistas, (os vendedores de livros antigos e, por vezes, de exemplares únicos) e os antiquários, onde se vendem desde peças de mobiliário a peças litúrgicas.

E as funções governativa, administrativa e residencial?

Estas (e outras) características do CBD da cidade de Lisboa serão enunciadas no próximo artigo! NÃO PERCAM!

Beatriz Ferrão e Teresa Rosado, 11ºE 

(fotos originais das autoras)

Read Full Post »