Feeds:
Artigos
Comentários

Posts Tagged ‘B.D.’

clique para ampliar

siga o Martim & Telmo no Facebook

Read Full Post »

clique para ampliar

siga o Martim & Telmo no Facebook

Read Full Post »

Para os amantes da história da Banda Desenhada, há um espaço na Internet chamado The Digital Comic Museum que disponibiliza gratuitamente livros de banda desenhada. Antigos, autênticas relíquias agora em suporte digital.

Partilha de José Alberto Rodrigues

clique para aceder ao site do DCM

Read Full Post »

clique para ampliar

siga o Martim & Telmo no Facebook

Read Full Post »

clique para ampliar

Read Full Post »

clique para ampliar

Read Full Post »

clique para ampliar

Read Full Post »

clique para ampliar

Read Full Post »

clique para ampliar

Read Full Post »

clique para ampliar

José Castanheira, 11º C

visite a página do Martim & Telmo no facebook

Read Full Post »

Mais uma tira do José Castanheira no Bibliblog. Se no seu último post tivemos um primeiro contacto com as aventuras virtuais de Martim, desta vez ficamos a conhecer o Telmo. Ficamos à espera da próxima. 🙂

clique para ampliar

José Castanheira, 11ºC

Read Full Post »

Depois de ser um participante frequente no Diário Gráfico e, mais tarde, um leitor e comentador assíduo do Bibliblog, o José Castanheira acedeu ao nosso convite para iniciar uma rubrica própria.

Assim, com os parabéns pelo seu primeiro post nesta rubrica de tiras de B.D. , Martim & Telmo, damos-lhe as boas-vindas à nossa comunidade, cada vez maior, de bibliblogueiros.

clique para ampliar

José Castanheira, 11ºC

Read Full Post »

asterix Nasceu em 1959, tal como este bibliblogueiro. Leia a notícia da exposição comemorativa no Público, conheça a colecção completa  publicada pela Asa e não perca tempo: agarre já num dos seus muitos exemplares que estão nas estantes da nossa biblioteca.

Read Full Post »

QUINO

Foi a 29 de Setembro de 1964 que o argentino Quino idealizou a irreverente personagem de BD para um anúncio de electrodomésticos. Estaria longe de imaginar que Mafalda se tornaria uma das mais célebres comentadoras políticas da actualidade.

Mafalda, a personagem de banda desenhada que o argentino Quino idealizou para um anúncio a electrodomésticos, celebra hoje 45 anos no papel de uma das mais improváveis e divertidas comentadoras políticas da actualidade.

De traços simples, cabelo negro farto e muito opinativa, Mafalda surgiu pela primeira vez a 29 de Setembro de 1964 nas páginas do semanário argentino “Primera Plana”. Quino, então com 32 anos, nunca adivinharia o sucesso daquelas tiras humorísticas, que se prolongaram por nove anos.

Joaquin Lavado (Quino) imaginou Mafalda para um anúncio publicitário a uma marca de electrodomésticos, no qual lhe pediram que desenhasse a história de uma família típica da classe média.

A banda desenhada não chegou a ser publicada, mas Quino recuperou a personagem Mafalda quando o convidaram para publicar no “Primera Plana”, na altura um jornal que procurava fazer uma reflexão crítica da actualidade argentina e internacional.

À primeira vista, Mafalda podia ser uma menina de seis anos, reguila, desafiadora e descarada, mas depressa se percebeu que da sua boca, dos balões que Quino preenchia, saíam comentários mordazes e pertinentes sobre a ordem do mundo, a luta de classes, o capitalismo e o comunismo, mas também, de forma mais subtil, sobre a situação política e social argentina.

Era a Mafalda, a contestatária e insatisfeita, “uma heroína zangada que recusa o mundo tal como ele é”, descreveu Umberto Eco em 1969, num prefácio a um dos álbuns que Quino dedicou à personagem.

A par da atitude de adulto mas com o desarmante discurso de uma criança, Mafalda tinha essa mesma condição de menina, que detestava sopa, adorava os Beatles, não compreendia a guerra no Vietname e tinha monólogos preocupados em frente a um globo terrestre.

 In Expresso 29.09.09 

Olhando para os livros que os nossos leitores mais jovens têm  retirado das estantes, Quino parece ser um autor com alguma popularidade entre eles. Aqui deixamos então, como primeira  Estante deste ano lectivo, as obras de Quino à vossa disposição na nossa biblioteca para que mais leitores o possam apreciar por entre o riso e a reflexão.

 

 

 

Mafalda fez 45 anos

Foi a 29 de Setembro de 1964 que o argentino Quino idealizou a irreverente personagem de BD para um anúncio de electrodomésticos. Estaria longe de imaginar que Mafalda se tornaria uma das mais célebres comentadoras políticas da actualidade.

Mafalda, a personagem de banda desenhada que o argentino Quino idealizou para um anúncio a electrodomésticos, celebra hoje 45 anos no papel de uma das mais improváveis e divertidas comentadoras políticas da actualidade.

De traços simples, cabelo negro farto e muito opinativa, Mafalda surgiu pela primeira vez a 29 de Setembro de 1964 nas páginas do semanário argentino “Primera Plana”. Quino, então com 32 anos, nunca adivinharia o sucesso daquelas tiras humorísticas, que se prolongaram por nove anos.

Joaquin Lavado (Quino) imaginou Mafalda para um anúncio publicitário a uma marca de electrodomésticos, no qual lhe pediram que desenhasse a história de uma família típica da classe média.

A banda desenhada não chegou a ser publicada, mas Quino recuperou a personagem Mafalda quando o convidaram para publicar no “Primera Plana”, na altura um jornal que procurava fazer uma reflexão crítica da actualidade argentina e internacional.

À primeira vista, Mafalda podia ser uma menina de seis anos, reguila, desafiadora e descarada, mas depressa se percebeu que da sua boca, dos balões que Quino preenchia, saíam comentários mordazes e pertinentes sobre a ordem do mundo, a luta de classes, o capitalismo e o comunismo, mas também, de forma mais subtil, sobre a situação política e social argentina.

Era a Mafalda, a contestatária e insatisfeita, “uma heroína zangada que recusa o mundo tal como ele é”, descreveu Umberto Eco em 1969, num prefácio a um dos álbuns que Quino dedicou à personagem.

A par da atitude de adulto mas com o desarmante discurso de uma criança, Mafalda tinha essa mesma condição de menina, que detestava sopa, adorava os Beatles, não compreendia a guerra no Vietname e tinha monólogos preocupados em frente a um globo terrestre.

In Expresso 29.09.09

Read Full Post »

Hoje, Hergé!

tintinmar

Ocorreu-me que temos falado pouco de BD, por isso, hoje, lembramos Tintim, o imortal herói criado por Hergé, para ser lido por jovens dos 7 aos 77 anos. Está nas nossas estantes: é só deitar-lhe a mão! Ah! E não sei se sabem, mas o passaporte do jornalista de inconfundível melena loura diz: BELGA 😉

😉 Os alunos que vieram recentemente do intercâmbio com a escola belga de St. Theresia, percebem a piada!

Read Full Post »

Se tivesse envelhecido, Tintin teria hoje 80 anos  – ainda se lembram: dos 7 aos 77 anos 🙂 ? Foi em 1929 que Hergé publicou a primeira história onde surge o jovem reporter com o seu cão Milou. Sobre Hergé, disse Andy Warhol (um dos inciadores da Pop Art): Ele teve sobre a minha obra a mesma influência que Disney. Para mim, Hergé é mais que um simples criador de bandas desenhadas, pois na sua obra existe uma dimensão política e satírica.

tintin2

Read Full Post »

« Newer Posts